1Sm 4.1-22 – Perdendo Deus na religião

1Sm 4.1-22 – Perdendo Deus na religião

A série que eu venho trabalhando se chama Coração e Oração e fala bastante sobre “A Vida de Samuel”, mas algo intrigante acontece nos próximos capítulos de 1 Samuel a partir de agora. A nossa personagem principal Samuel desaparece da narrativa, logo depois do primeiro versículo do capítulo quatro, e só volta a reaparecer no capítulo sete, versículo três.

O que será que está acontecendo?

Bem, sabemos que o sacerdócio estava em rebelião contra Deus nessa época, mas vamos descobrir quando chegarmos no capítulo sete que o povo de Israel também estava em rebelião.

Então, hoje veremos o desfecho da família de Eli, e em seguida, nossa história se voltará para a Arca de Deus nos próximos capítulos de Samuel.

Se você já leu o Antigo Testamento (ou assistiu ao primeiro filme de Indiana Jones), certamente conhece a Arca da Aliança. Ela era um baú de madeira coberto de ouro que continha a jarra de ouro com maná, o bastão de Aarão que floresceu, e as tábuas de pedra com os Dez Mandamentos (Hebreus 9:4). Sua cobertura era de ouro puro com dois querubins martelados também em ouro no topo. No entanto, a Arca era mais do que um simples baú. Ela representava a presença visível de Deus entre os israelitas. Portanto, para eles, perder a Arca era equivalente a perder Deus

Vamos ler 1 Samuel 4:5-11 (NVT):

5 Sucedeu que, vindo a arca da Aliança do Senhor ao arraial, rompeu todo o Israel em grandes brados, e ressoou a terra. 6 Ouvindo os filisteus a voz do júbilo, disseram: Que voz de grande júbilo é esta no arraial dos hebreus? Então, souberam que a arca do Senhor era vinda ao arraial. 7 E se atemorizaram os filisteus e disseram: Os deuses vieram ao arraial. E diziam mais: Ai de nós! Que tal jamais sucedeu antes. 8 Ai de nós! Quem nos livrará das mãos destes grandiosos deuses? São os deuses que feriram aos egípcios com toda sorte de pragas no deserto. 9 Sede fortes, ó filisteus! Portai-vos varonilmente, para que não venhais a ser escravos dos hebreus, como eles serviram a vós outros! Portai-vos varonilmente e pelejai! 10 Então, pelejaram os filisteus; Israel foi derrotado, e cada um fugiu para a sua tenda; foi grande a derrota, pois foram mortos de Israel trinta mil homens de pé. 11 Foi tomada a arca de Deus, e mortos os dois filhos de Eli, Hofni e Fineias.

Ilustração:

Conta-se a história de dois irmãos, com 8 e 10 anos, que se envolviam em muitos problemas. Sua mãe os levou para conversar com o pastor a fim de obter ajuda para corrigir seus comportamentos. O pastor começou conversando com o irmão mais novo. Ele olhou para o garoto e perguntou: “Onde está Deus?” Os olhos do menino se arregalaram, mas ele não respondeu. Então o pastor perguntou novamente, com mais ênfase: “Jovem, onde está Deus?” O menino começou a se mexer desconfortavelmente, e o pastor fez a pergunta mais uma vez, desta vez em alto e bom som: “Jovem, me responda, onde está Deus?” Nesse momento, o garoto pulou do assento e saiu correndo pela porta, logo em frente ao irmão, que aguardava para entrar em seguida. O irmão mais velho o perseguiu e perguntou: “Qual é o problema?” O irmão mais novo respondeu: “Estamos com graves problemas desta vez. Deus sumiu, e eles acham que NÓS fizemos isso!”

Você também sente que Deus está ausente em sua vida? A mensagem de hoje é intitulada “Perdendo Deus na Religião”. Isso pode parecer um pouco estranho à primeira vista. Afinal, a religião deveria nos aproximar de Deus, então como é possível perdê-Lo no contexto religioso? Essa situação é totalmente possível, e o incidente em 1 Samuel 4 nos mostra como aconteceu com os israelitas, e como também pode acontecer conosco hoje em dia.

1**. Você pode perder Deus enfatizando o ritual sobre o relacionamento (versículos 1-5)**

Você sabe como é possível perder Deus na religião? Um dos principais modos é quando focamos mais nos rituais do que no relacionamento com Ele. O cristianismo não se resume a seguir cerimônias, mas sim a construir uma conexão profunda com Deus. Ele nos criou para que pudéssemos conhecê-lo intimamente e viver em harmonia com Ele.

Infelizmente, acabamos cometendo erros e quebrando essa ligação. Para restaurar esse relacionamento, Deus enviou seu Filho, Jesus. Portanto, o âmago do cristianismo é viver em comunhão com o Deus que nos criou. Quando nos perdemos em formalidades e rituais vazios, corremos o risco de nos afastarmos Dele.

Porém, é importante ressaltar que nem todos os rituais são ruins. Eles consistem em padrões que se repetem. Por exemplo, quando cantamos uma música de adoração novamente ou encerramos nossas orações com as palavras “Em nome de Jesus”. O que realmente importa é se estamos apenas seguindo esses padrões sem realmente nos conectarmos com Deus. Quando separamos os rituais da verdadeira relação com Ele, caímos no erro de priorizar o ritual em detrimento da conexão.

Vamos analisar algumas situações em que o povo de Israel acabou perdendo a essência de Deus, justamente por enfatizar os rituais em vez do relacionamento pessoal com Ele.

A. Dependendo da sabedoria humana e não da palavra de Deus

Em primeiro lugar, eles dependiam da sabedoria humana e não da palavra de Deus. Os versículos 1-2 nos dizem que:

¹ E as palavras de Samuel chegavam a todo o povo de Israel. Naquele tempo, Israel estava em guerra com os filisteus. O exército israelita tinha acampado perto de Ebenézer, e os ² Os filisteus atacaram e derrotaram o exército de Israel, matando cerca de quatro mil homens. (1 Samuel 4:1-2)

Desenha comigo essa imagem. Os israelitas e os filisteus estabeleceram seus acampamentos opostos. As tropas se preparam para o confronto, mas, infelizmente, Israel é derrotado pelos filisteus. Nesse dia, quatro mil soldados israelitas tombaram no campo de batalha.

Essa derrota perturbadora de quatro mil homens abalou Israel.

Imagine-se na posição deles… o que você faria?

Talvez você procurasse orientação divina. Curiosamente, o verso 1 nos lembra que havia um profeta disponível. E naquele momento da história, Deus estava falando com Israel por meio de Samuel. No entanto, Samuel está notavelmente ausente nos próximos três capítulos. Ou seja, Israel tinha um profeta, mas não o buscaram. Eles deixaram de falar com Deus e, em vez disso, os anciãos buscaram aconselhamento entre si.

Portanto, quando priorizamos a sabedoria humana em vez da palavra de Deus, enfatizamos rituais em detrimento do relacionamento. Um relacionamento é construído com base em comunicação e confiança.

O livro de Provérbios nos adverte: “Confie no Senhor de todo o coração e não se apoie em seu próprio entendimento; reconheça-O em todos os seus caminhos, e Ele guiará seus passos” (Provérbios 3:5-6). Infelizmente, Israel não seguiu esse conselho; eles confiaram na sabedoria humana em vez de confiar na palavra de Deus.”

B. Tentando manipular Deus para seus próprios propósitos

Uma atitude questionável de Israel foi tentar influenciar Deus para atender aos seus desejos pessoais. Vejamos o que os líderes propuseram no final do versículo 3 de 1 Samuel 4:

³ Tragamos de Siló a arca da Aliança do Senhor, para que venha no meio de nós e nos livre das mãos de nossos inimigos. (1 Samuel 4:3)

O que os anciãos estavam planejando fazer? Basicamente, estavam pensando: ‘Vamos levar a Arca para a batalha conosco, e assim, Deus será obrigado a garantir nossa vitória’. Eles não consultaram Samuel, nem buscaram uma verdadeira conexão com Deus. Em vez disso, tentaram manipulá-Lo, buscando uma vitória garantida, levando a Arca para o campo de batalha.

Você já se viu tentando manipular Deus? Já se sentiu tentado a fazer uma barganha com o Criador do universo? Essa é uma armadilha comum em que podemos cair. ‘Deus, se você fizer tal coisa por mim, então eu farei algo em troca.’ Ou ‘Se você permitir que eu alcance tal objetivo, eu prometo fazer algo em sua homenagem.’ No entanto, esse tipo de abordagem não representa uma relação saudável. É pura manipulação, e quando agimos assim, perdemos a verdadeira conexão com Ele.

C. Foco em objetos religiosos em vez de Deus

Uma atitude equivocada de Israel foi sua focalização excessiva em um objeto religioso em vez de se concentrar em Deus. Veja os versículos 3-4:

³ ? Vamos trazer a arca da aliança do Senhor desde Siló, para que esteja conosco e nos livre do poder do inimigo!”. ⁴ Então enviaram homens a Siló para trazer a arca da aliança do Senhor dos Exércitos, que está entronizado entre os querubins. 1 Samuel 4:3b,4a

Note como os israelitas dependem do objeto “ela” em vez de “Ele”. Eles não dizem: “Tomemos a Arca do Senhor para que Ele vá conosco e nos salve dos inimigos”. Ao invés disso, dizem: “Vamos trazer a Arca para que ela nos salve dos inimigos”. A Arca deveria ser o símbolo visível da presença de Deus entre os israelitas, mas nunca foi destinada a ser um substituto para o próprio Deus.

Deuteronômio 20:4 afirma: “Porque o Senhor, teu Deus, é quem vai contigo para lutar contra os teus inimigos e te dar a vitória”. (Deuteronômio 20:4) No entanto, os israelitas estavam confiando na Arca em vez de confiar no próprio Deus.

Cada vez que você se apega a um objeto religioso em vez de Deus, acaba trocando o ritual pelo relacionamento. Isso pode se tornar um grande obstáculo para as pessoas, mesmo nos dias atuais. Há pessoas que dependem de colares com cruzes, rosários, imagens de Jesus ou estátuas de santos para ajudá-las, ao invés de simplesmente confiar em Deus. Focar em objetos religiosos em vez de Deus é, na melhor das hipóteses, uma superstição e, na pior, uma idolatria.

Esse foi o erro que os israelitas cometeram com a Arca. Eles deveriam saber melhor. O próprio nome da Arca implica em um relacionamento; foi chamada de “Arca da Aliança” como um lembrete do relacionamento da aliança entre Deus e Israel. Ao se concentrarem em objetos religiosos em vez de Deus, eles enfatizaram o ritual em detrimento do relacionamento. Isso pode nos servir como uma advertência também, para não nos perdermos no formalismo, mas sim fortalecer nosso vínculo com Deus.

D. Esperar a bênção de Deus sem arrependimento

E então uma quarta coisa que Israel fez foi esperar a bênção de Deus sem arrependimento. Veja os versículos 4-5:

⁴ Hofni e Fineias, os dois filhos de Eli, acompanharam a arca da aliança de Deus. ⁵ Quando todos os israelitas viram a arca da aliança do Senhor entrando no acampamento, soltaram gritos de alegria tão altos que fizeram o chão tremer. (1 Samuel 4:4,5)

A primeira parte deste versículo é reveladora.

Os dois filhos de Eli, Hofni e Finéias, carregavam a arca, o símbolo da presença de Deus entre os israelitas. No entanto, eles estavam envolvidos em comportamentos inaceitáveis, desrespeitando o sacerdócio ao roubar oferendas e se envolverem com mulheres no templo. Toda a nação sabia disso, mas, em vez de reagir com indignação, comemoraram sua presença com a arca.

Essa história nos mostra a importância do arrependimento para manter uma conexão verdadeira com Deus. Não podemos nos apegar ao pecado e, ao mesmo tempo, esperar um relacionamento significativo com Ele. É crucial confessar nossos erros e buscar o perdão de Deus. Quando priorizamos rituais vazios em detrimento de um relacionamento sincero, corremos o risco de perder o verdadeiro significado da fé, assim como aconteceu com Israel.

A religião cristã, assim como outras crenças, pode ser permeada por rituais e tradições. Não há problema nisso, desde que não esqueçamos o cerne do relacionamento com Deus. Se negligenciarmos a importância do arrependimento genuíno e a conexão pessoal com Ele, corremos o risco de transformar nossa fé em mera formalidade, como aconteceu no passado.”

II. Você pode perder Deus seguindo uma falsa religião (versículos 6-9)

Mas há outra maneira de perdermos Deus na religião, que é seguindo uma falsa crença. Usamos o exemplo dos israelitas para aprender sobre a perda de Deus dentro da verdadeira religião. Agora usaremos o exemplo dos filisteus para aprender sobre a perda de Deus seguindo uma falsa religião. Então, como você pode perder Deus seguindo uma falsa religião?

1. Não reconhecer o único Deus verdadeiro através de Jesus

Existem diferentes perspectivas quando se trata de religião e crenças espirituais. Uma delas é quando a sua fé não reconhece Jesus como o único Deus verdadeiro. Vamos dar uma olhada em alguns versículos que ilustram essa ideia:

Em um antigo relato, os filisteus ouviram um alvoroço vindo do acampamento hebreu e perguntaram:

⁶ “O que está acontecendo?”, perguntaram os filisteus. “Que significam esses gritos no acampamento dos hebreus?” Quando souberam que era porque a arca do Senhor havia chegado, ⁷ entraram em pânico. “Os deuses vieram ao acampamento deles!”, disseram. “Estamos perdidos! Nunca enfrentamos uma coisa assim antes” (1 Samuel 4:6-7)

Os filisteus, que acreditavam em múltiplos deuses, não reconheceram o Deus dos israelitas como o único e verdadeiro. Para eles, o Deus israelita era apenas um entre muitos. No mundo de hoje, existem diversas religiões, mas o cristianismo é a que reconhece o Deus único e verdadeiro. Por exemplo, o hinduísmo, budismo e paganismo não compartilham dessa crença.

Você pode se perguntar sobre o islamismo e o judaísmo. Eles não adoram o mesmo Deus da Bíblia? Sim e não. Ambas as religiões reconhecem o Deus dos israelitas do Antigo Testamento, mas não aceitam a revelação completa que Deus ofereceu através de Jesus.

O livro de Hebreus afirma: “No passado, Deus falou com nossos antepassados por meio de profetas em várias ocasiões e maneiras, mas nos últimos dias Ele falou por meio de Seu Filho.” (Hebreus 1:1) Nosso próprio Senhor disse que Ele é o único caminho para se conectar com Deus. Ele disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém chega até o Pai senão por mim.” (João 14:6) E também em 1 João 2:23, está escrito: “Aquele que nega o Filho não tem o Pai; quem reconhece o Filho tem o Pai também.” (1 João 2:23)

Compreender e crer em Jesus é de vital importância. O único Deus verdadeiro é uma trindade, composta pelo Pai, Filho e Espírito Santo. Aqueles que não reconhecem Jesus como Senhor não estão reconhecendo o Deus único e verdadeiro. Nesse caso, podem estar seguindo uma religião com uma compreensão equivocada de Deus. Por isso, é fundamental abraçar a verdade e a revelação completa que Jesus trouxe.

B. Agarrar-se à desinformação

Uma outra forma de se afastar de Deus, ao seguir uma religião falsa, é através da disseminação de desinformação. Vejamos o versículo 8:

⁸ Estamos perdidos! Quem nos salvará desses deuses poderosos? São os mesmos deuses que destruíram os egípcios com pragas, quando Israel estava no deserto. (1 Samuel 4:8)

Os filisteus tinham algum conhecimento sobre o Deus de Israel. Eles reconheciam que Ele era poderoso e havia derrotado os egípcios. No entanto, também possuíam muita desinformação. Notaram como eles se referem ao Deus de Israel no plural?

Anteriormente, o mencionavam como “um deus”, ou seja, apenas um entre muitos. Agora, o tratam como “deuses”, como se Israel adorasse várias divindades, ou que sua força viesse do número de deuses em vez de seu próprio ser. Além disso, eles também confundem o contexto das pragas, que Deus enviou ao Egito, não no deserto.

Talvez você se pergunte: “Qual é o problema nisso? E se alguém não acertar?” No entanto, esse é exatamente o ponto. Muitas pessoas que rejeitam Deus e Cristo hoje o fazem com base em desinformação. Elas rejeitam o cristianismo sem realmente compreender o que ele representa.

O que vocês acham que a atual geração pensa a respeito do cristianismo? Uma pesquisa recente revelou que os entrevistados veem os cristãos principalmente como:

  1. Hipócritas (dizem uma coisa e fazem outra);
  2. Muito focados em converter os outros (vendo as pessoas como alvos);
  3. Preconceituosos contra homossexuais;
  4. Conservadores demais (antiquados, chatos e desconectados da realidade);
  5. Politizados demais (movidos por uma agenda política conservadora);
  6. Julgadores (prontos para criticar os outros).

Ao olhar para essa lista, penso: “O cristianismo não é sobre isso! O cerne do cristianismo está no amor, na misericórdia e na graça de Deus. É sobre Jesus, que morreu por nossos pecados e ressuscitou. Trata-se de amar a Deus com todo o coração, alma, mente e força, e amar o próximo como a si mesmo”. No entanto, aparentemente, não é essa a mensagem que estamos transmitindo.

As pessoas estão se distanciando de Deus na religião porque estão lidando com toda essa desinformação. Precisamos fazer um trabalho melhor para que as pessoas compreendam o verdadeiro significado do cristianismo.

C. Acreditar que você pode lutar contra Deus e vencer

Há uma terceira maneira que você pode perder Deus seguindo uma falsa religião, e que é acreditando que você pode lutar contra Deus e vencer. Vejamos os filisteus novamente no versículo 9:

⁹ Tenham coragem, filisteus! Sejam homens! Do contrário, acabaremos como escravos dos hebreus, assim como eles se tornaram nossos escravos. Sejam homens e lutem! (1 Samuel 4:8,9)

Os filisteus pensavam que, se lutassem o suficiente, poderiam vencer o Deus do universo. Ironicamente, eles derrotaram os israelitas, e eles capturaram a arca, mas acredite, eles não derrotaram Deus. Deus os deixou vencer. Não foi contestação. É como quando seus filhos têm quatro anos de idade, e você deixa que eles batam em você na queda de braço.

Jó 23 diz: “Deus está sozinho, e quem pode se opor a ele? Ele faz o que bem entende”. (Jó 23:13)

Você não pode lutar contra Deus e vencer, e ainda assim muitas pessoas tentam. Algumas pessoas estão dispostas a fazer praticamente qualquer coisa em vez de servir a Deus. Eles lutam contra ele a vida inteira e perdem um relacionamento com Deus no processo.

III. Nada é pior do que perder Deus (10-22)

Então, perceba só a verdade. Você realmente pode perder Deus na religião. Você pode perdê-lo enfatizando o ritual sobre o relacionamento. Você pode perdê-lo seguindo uma falsa religião. Mas há uma última coisa que nossa passagem nos ensina esta manhã, e que é que nada é pior do que perder Deus. Não existe um vazio maior que este.

A. Perder Deus é pior do que a morte ou a derrota

Em primeiro lugar, a ausência de Deus é mais devastadora do que a própria morte ou uma grande derrota. Podemos ver isso no relato da captura da arca por Eli. Veja o versículo 10:

¹⁰ Então os filisteus saíram para a batalha, e Israel foi derrotado. A matança foi grande: trinta mil soldados israelitas morreram naquele dia. Os sobreviventes deram meia-volta e fugiram para suas tendas. A arca de Deus foi tomada, e Hofni e Fineias, os dois filhos de Eli, foram mortos. (1 Samuel 4:10-11)

Essa trágica situação se concretizou de acordo com uma profecia anterior, onde Deus havia dito que os filhos de Eli morreriam no mesmo dia.

Continuemos a leitura.

¹² Um homem da tribo de Benjamim correu do campo de batalha e chegou a Siló ainda naquele dia. Tinha rasgado suas roupas e colocado pó sobre a cabeça. ¹³ Eli estava sentado numa cadeira, ao lado da estrada, esperando para ouvir as notícias da batalha, pois seu coração tremia pela segurança da arca de Deus. Quando o mensageiro chegou e contou o que havia acontecido, gritos ressoaram por toda a cidade. ¹⁴ Eli ouviu os gritos e perguntou: “O que é esse barulho todo?”. O mensageiro correu até Eli e contou-lhe a notícia. ¹⁵ Eli estava com 98 anos e já não conseguia enxergar. ¹⁶ “Acabo de chegar do campo de batalha”, disse o mensageiro. “Fugi de lá hoje mesmo.” Eli perguntou: “O que aconteceu, meu filho?”. ¹⁷ O mensageiro respondeu: “Israel foi derrotado pelos filisteus, e o povo foi massacrado. Seus dois filhos, Hofni e Fineias, também morreram, e a arca de Deus foi tomada”. ¹⁸ Quando ele mencionou o que havia acontecido com a arca de Deus, Eli caiu da cadeira para trás, ao lado do portão. Quebrou o pescoço e morreu, pois era velho e pesado. Havia sido juiz em Israel durante quarenta anos.

Interessante notar que Eli não caiu para trás da cadeira ao ouvir sobre a derrota do exército israelita, nem mesmo ao saber das pesadas perdas ou da morte de seus filhos.

A queda ocorreu quando soube que a arca havia sido capturada. Lembre-se, a arca era o símbolo visível da presença de Deus entre o povo de Israel.

Sua captura significava que Deus havia os abandonado. Isso revelava o triste estado espiritual de Israel naquele momento, em que priorizaram o ritual em detrimento do relacionamento com Deus.

Perder Deus é mais angustiante do que uma derrota; é mais doloroso do que a própria morte. Quando se perde Deus, perde-se tudo.

Como diz em Marcos 8:36, “De que adianta ganhar o mundo inteiro, mas perder a própria alma?” Nada é mais terrível do que perder Deus.

B. Nada pode compensar a perda de Deus em sua vida

Não só isso, mas nada pode compensar a perda de Deus em sua vida. Para isso, vejamos o relato da esposa de Finéias nos versículos 19-22:

¹⁹ A nora de Eli, esposa de Fineias, estava grávida e perto de dar à luz. Quando soube que a arca de Deus havia sido tomada e que o sogro e o marido estavam mortos, teve contrações violentas e deu à luz. ²⁰ Ela morreu no parto, mas antes de falecer as parteiras tentaram animá-la. “Não tenha medo!”, disseram. “Você teve um menino!” Mas ela não respondeu nem se importou. ²¹ Deu ao menino o nome de Icabode, e disse: “Foi-se embora a glória de Israel”, pois a arca de Deus havia sido tomada, e seu sogro e seu marido estavam mortos. ²² Disse ainda: “Foi-se embora a glória de Israel, pois a arca de Deus (1 Samuel 4:19-22)

A esposa do pobre Finéias tão chateada quando ouve sobre a perda da arca que entra em trabalho de parto e dá à luz, mas ela mesma não consegue. Seu sogro está morto, seu marido está morto e agora ela também está morrendo. As mulheres que a assistem tentam confortá-la dizendo: “Você deu à luz um filho”. Mas ela nomeia seu menino de Icabode, que significa “Foi-se a glória de Israel”, pois a arca de Deus foi capturada”.

O nascimento de um filho deveria ser uma ocasião feliz, mas não foi para a esposa de Finéias. Não porque ela mesma estivesse morrendo, mas porque a arca havia sido capturada. A glória havia partido de Israel, e nada pode compensar a perda de Deus. Toda vez que alguém falava o nome de Icabode, lembrava-se do que havia acontecido com Israel.

Não existe nada pior do que perder Deus.

CONCLUSÃO:

Ao encerrarmos esta mensagem, permitam-me fazer uma pergunta importante:

Você sente a presença de Deus em sua vida? Está em um relacionamento significativo com Ele? Ou talvez tenha se distanciado ao se prender apenas a rituais religiosos, deixando de se conectar verdadeiramente com o propósito de sua fé? Ou ainda, pode ser que tenha se envolvido com uma espiritualidade que não esteja centrada em Jesus Cristo?

A Bíblia nos ensina que “Cristo morreu pelos pecados de uma vez por todas, o justo pelos injustos, para conduzi-los a Deus” (1 Pedro 3:18). Esse é o motivo da vinda e morte de Jesus: nos aproximar de Deus e restaurar esse relacionamento. Nada é mais doloroso do que sentir que perdemos a conexão com o Divino.

Lembre-se de que Deus está presente em nossas vidas e se faz acessível por meio de Jesus Cristo. Confiar nele nos abre as portas para essa comunhão. Aproveite este momento para buscar essa ligação significativa e redescobrir a presença amorosa de Deus em sua vida.


Por Diego Gonçalves – pregado na Igreja DaeHan em 23/7/23

Gostou deste sermão? Então compartilhe com seus amigos e familiares para que eles também possam aprender mais sobre o assunto. E não se esqueça de se inscrever em nossa newsletter para receber mais conteúdo como este. Até a próxima!

© Todos os direitos reservados à BibliadeEstudos.com.br

Avatar de Diego Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diego Souza

Sou ministro na Igreja Holiness e amo escrever. Graduando em Letras pela UNIVESP, com Bacharel em Teologia pela UMESP e com pós em Novo Testamento pela EST, neste blog compartilho meus pensamentos sobre a vida cristã e o cotidiano, buscando conectar a fé com o dia a dia.