Adam Clarke: Vida e Obra

Adam Clarke: Vida e Obra

Adam Clarke é reconhecido pela sua profunda sabedoria bíblica. Ele dedicou mais de 30 anos para completar seu “Comentário e Notas Críticas” sobre a Bíblia em 1826. Apesar de outros estudiosos também terem escrito comentários sobre a Bíblia, o de Clarke é inigualável, sendo um verdadeiro dicionário de ensino bíblico, oriental, filosófico e clássico. É impressionante notar que todo esse trabalho foi realizado enquanto ele era um pregador viajante Wesleyano e sem qualquer auxílio de secretariado. Clarke também é reconhecido por ser um fervoroso defensor da santidade escriturística.

Clarke nasceu no condado de Londonderry, na Irlanda do Norte, em 1760 e se converteu em 1779 após ouvir um pregador metodista. Três anos depois, ele saiu de casa para estudar na escola de Wesley em Kingswood, Bristol, na Inglaterra. Poucas semanas após iniciar seus estudos, foi designado para o seu primeiro circuito de pregações. Durante os próximos 50 anos, ele atuou como um pregador Wesleyano autodidata, dominando ao menos 10 idiomas, tanto antigos quanto modernos.

Clarke serviu em 24 circuitos metodistas na Inglaterra e na Irlanda, trabalhou por 3 anos nas Ilhas do Canal e atuou como presidente da Conferência Metodista Inglesa e da Conferência Metodista Irlandesa várias vezes. Ele dedicou centenas de horas à recém-fundada Sociedade Bíblica Britânica e Estrangeira e passou 10 anos trabalhando meticulosamente na edição e coleta de documentos estatais. Este último trabalho foi um enorme desafio, exigindo um exame detalhado, decifração e classificação dos Documentos Estaduais Britânicos de 1131 a 1666. A pesquisa foi realizada em 14 locais diferentes, incluindo a Torre de Londres, os Arquivos Westminster de Londres e a Biblioteca da Universidade de Cambridge. Em 1808, a Universidade de Aberdeen lhe concedeu o título honorário de LL.D., o mais alto reconhecimento acadêmico da universidade.

Além de seu Comentário, Clarke publicou 22 volumes, incluindo Memoriais da Família Wesley, Reflexões sobre o Ser e Atributos de Deus, Os Costumes dos Antigos Israelitas, 4 volumes de sermões, 3 volumes de miscelânea intitulados Pedaços Destacados, um volume sobre missões cristãs, uma visão resumida da sucessão de literatura sagrada e um dicionário bibliográfico. Essa produtividade literária é impressionante, principalmente considerando que ele era um pregador itinerante em tempo integral.

Se olharmos para o histórico dos 24 circuitos metodistas que Adam Clarke serviu entre 1782 e 1832, veremos que o mais longo período em que ele permaneceu em um único local foi de quatro anos. Apesar de se mudar de lugar a cada dois anos, em média, isso não pareceu atrapalhar sua leitura, escrita e publicação. Clarke foi eleito membro de seis das sociedades mais renomadas de seu tempo, incluindo a Antiquarian Society, a Royal Asiatic Society e a Royal Irish Academy. Mesmo com todas essas honrarias, ele se manteve um fiel pregador metodista e um crente devoto e humilde. “Eu amo aprender”, disse uma vez, “eu aprendo com sábios; na companhia dos grandes e bons, sempre me sinto feliz. Mas acima de todos esses e todos os outros prazeres possíveis, eu me orgulho em Cristo – vivendo em mim e reinando e me preparando para o Seu céu”.

Clarke era um pregador de raras habilidades e dons, e nos seus últimos anos, ele pregou para igrejas lotadas. Para seu ministério de púlpito, ele trouxe toda a paixão de sua educação celta e todos os vastos recursos de seu conhecimento enciclopédico. Basicamente um pregador textual, ele fez pouca preparação formal antes de subir ao púlpito – um método que nós, seres humanos comuns, não deveríamos imitar! “Não posso preparar um sermão antes de subir ao púlpito”, confessou ao seu amigo Robert Carr Brackenbury, “então sou obrigado a confiar na sabedoria do Senhor. Leio muito, escrevo muito pouco, mas me esforço para estudar”. “Eu… me esforço para estudar” – esse era o segredo do sucesso de Clarke, tanto como pregador quanto como escritor.

Clarke, com suas muitas realizações, explorou todas as vias disponíveis de conhecimento, especialmente a linguística, a ciência e a história. Ao aconselhar um jovem pregador metodista sobre seus estudos, Clarke afirmou: “Um pregador metodista deve saber tudo. Conhecimento parcial sobre qualquer área da ciência ou negócio é melhor do que ignorância total… O velho ditado de ‘muitos ferros no fogo’ contém uma mentira abominável. Você pode ter muitos ferros – atiçador, pinças e tudo mais, e mantê-los todos”. Foi um conselho que ele seguiu antes de dar aos outros. Ao visitar Liverpool, no norte da Inglaterra, em 1832, ele contraiu a mortal cólera asiática e morreu em sua casa em Londres em 26 de agosto.

Adam Clarke era um pregador e estudioso do movimento de santidade. Ele estava entusiasmado e comprometido com a doutrina e experiência metodista, e particularmente com a compreensão de Wesley sobre a perfeição cristã. Em um sermão pregado em Filipenses 1:27-28, intitulado “Pregador Apostólico”, ele explicou a santidade cristã:

“Todo o desígnio de Deus era restaurar o homem à sua imagem, e elevá-lo das ruínas de sua queda; em uma palavra, torná-lo perfeito; apagar todos os seus pecados, purificar sua alma e enchê-lo de toda santidade, de modo que nenhum temperamento profano, desejo maligno, ou afeição ou paixão impura, se aloje ou tenha qualquer parte dentro dele. Esta é apenas a verdadeira religião, ou perfeição cristã, e uma salvação menos do que isso seria desonrosa para o sacrifício de Cristo e a operação do Espírito Santo (…) Chame-a pelo nome que quiser, ela deve implicar o perdão de toda transgressão e a remoção de todo o corpo do pecado e da morte. Isso, então, é o que eu peço, oro e recomendo calorosamente a todos os verdadeiros crentes, sob o nome de perfeição cristã”.

Clarke, ao pregar sobre Efésios 3:14-21, interpretou a frase “que sejais cheios de toda a plenitude de Deus” (v.19) como uma descrição da experiência de completa salvação. Ele acreditava que ser preenchido por Deus é algo grandioso, ser preenchido pela plenitude de Deus é ainda mais grandioso, e ser preenchido por toda a plenitude de Deus é o maior dos feitos. Isso significa ter o coração completamente limpo de qualquer pecado e impureza, e estar repleto de humildade, delicadeza, bondade e amor a Deus e ao próximo.

Clarke sabia que alguns cristãos se opunham à doutrina wesleyana da completa santificação, pois acreditavam que nenhum homem pode ser totalmente livre do pecado nesta vida. Eles viam a morte como a libertação total de toda a corrupção e o fim definitivo do pecado, como se isso fosse claramente indicado em todas as páginas da Bíblia! Mas, na verdade, não há uma passagem na Bíblia que afirme tal coisa! Se isso fosse verdade, então a morte, em vez de ser o último inimigo, seria o último e melhor amigo, e o maior libertador. É o sangue de Jesus que purifica de toda a injustiça.

Outro argumento comum contra a perfeição cristã era a ideia de que o pecado interior humilha os crentes e os mantém arrependidos. Clarke respondeu que o orgulho é a essência do pecado e a raiz de todo o desvio moral. Então, como o orgulho poderia nos humilhar? Quando o orgulho é removido do coração, a humildade, a mansidão e a bondade de Cristo são colocadas em seu lugar.

Em resposta à ideia adicional de que um cristão certamente é humilhado pela sensação de pecado interior, Clarke afirmou que aqueles que veem, sentem e lamentam seu pecado interior são, de fato, humilhados. Mas o pecado é que humilha? Não. É a graça de Deus que revela e condena o pecado que nos humilha. Só nos sentiremos humilhados pela sensação de pecado interior quando o Espírito de Deus trouxer isso à luz e nos mostrar não apenas sua horrível deformidade, mas sua hostilidade a Deus. E Deus revela isso para que possa removê-lo.

Clarke passou mais de três décadas pregando após a morte de Wesley, período em que viu a doutrina gloriosa ser vivida por vários metodistas. Quando confrontado com a acusação de que esse ensino gerava autojustiça em seus seguidores, ele afirmou: “Quem faz tal acusação nunca experimentou essa graça. Ou é um hipócrita ou está se enganando. Aqueles que a receberam… nutrem um amor genuíno por Deus e até pelos seus inimigos… Ficam encantados com a maravilhosa santidade de Deus… Em minha trajetória religiosa, tive a sorte de encontrar muitas pessoas que afirmavam que o sangue de Cristo as havia salvo de todos os pecados, e essa afirmação era sustentada por uma vida irrepreensível. No entanto, nunca conheci nenhum deles que não se encaixasse na descrição que acabei de dar: eram pessoas de fé inabalável, amor puro, emoções profundas, vidas obedientes e extremamente úteis para a sociedade”.

Adam Clarke não apenas escreveu e pregou sobre a doutrina da total santificação com domínio total das Escrituras, especialização linguística e vasta leitura teológica, mas também a apresentou de uma maneira que merece destaque. Ele não apenas acreditava que era uma doutrina bíblica e teologicamente correta – ele a reforçou, explicou e defendeu com toda a paixão de um evangelista. Sempre que falava sobre o assunto, sua principal preocupação era não apenas que os cristãos acreditassem e fossem convencidos de sua veracidade, mas que pudessem pessoalmente reivindicar a experiência, vivê-la, apreciá-la e testemunhá-la.

“Se os homens gastassem tanto tempo fervorosamente clamando a Deus, isto é, para santificá-los plenamente, quanto gastam em desacreditar esta doutrina, que estado glorioso da igreja deveríamos em breve testemunhar! Esse momento é quando podemos ser esvaziados do pecado, ficar cheios de santidade e tornar-nos verdadeiramente felizes. A perfeição do sistema do evangelho não é que ele faça concessões ao pecado, mas que faça uma expiação por ele, não que tolere o pecado, mas que o destrua. Que todos os que conservam a doutrina apostólica pressionem cada crente a prosseguir até a perfeição e esperem ser salvos, enquanto estão aqui embaixo, na plenitude da bênção do evangelho de Jesus. Cansado dessa mente carnal que é inimizade contra Deus, pode ser feliz enquanto tu é profano? Levante-se, pois, e seja batizado com maior efusão do Espírito Santo! Leitor, é direito inato de todo filho de Deus ser purificado de todo pecado, manter-se limpo das manchas do mundo, e assim viver de modo a nunca mais ofender seu Criador. Todas as coisas são possíveis àquele que crê, porque todas as coisas são possíveis ao sangue infinitamente meritório e ao espírito energético do Senhor Jesus”.

É importante ressaltar que os ensinamentos fervorosos de Adam Clarke eram uma expressão autêntica de sua vida. Henry Moore, amigo próximo de John Wesley e Adam Clarke, afirmou: “Na nossa comunidade, acredito, nunca vimos uma vida mais exemplar do que a do Dr. Clarke”.

Clarke, com sua explicação clara e apaixonada sobre a perfeição cristã, recebeu críticas principalmente do “movimento de santidade”. Ele destacou quase exclusivamente o aspecto instantâneo da santificação e deu pouca atenção ao seu aspecto gradual. “A Bíblia em nenhum momento nos direciona a buscar uma santidade que se desenvolva aos poucos. Devemos nos aproximar de Deus buscando a purificação completa e imediata de todo pecado e o perdão imediato. Não existe perdão gradual nem purificação em etapas na Bíblia”.

O ensinamento de Clarke é frequentemente descrito como “desviado” do “equilíbrio teológico” de John Wesley. Mas essa crítica é um tanto enganosa. Normalmente, refere-se apenas a uma pequena passagem do capítulo chamado “Santificação Completa” na coletânea de Samuel Dunn sobre o ensinamento de Clarke, intitulada Teologia Cristã. Este capítulo é uma compilação de vários escritos de Clarke sobre a santidade cristã, e o texto completo dos originais precisa ser estudado antes de se fazer um julgamento tão abrangente baseado em apenas três frases. No trecho citado, Clarke está falando unicamente sobre a entrada na bênção, uma graça tão instantânea quanto a justificação. Wesley ensinou essa mesma verdade, e afirmar que Clarke colocou em risco o “equilíbrio teológico” de Wesley é um exagero. Por que não citar a frase seguinte de Clarke? “É quando a alma é purificada de todo pecado que pode crescer adequadamente na graça e no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo”. E por que ignorar uma passagem anterior? “Aquele que continua a acreditar, amar e obedecer, crescerá em graça e aumentará continuamente no conhecimento de Jesus Cristo. A vida de um cristão é um crescimento”.

O ensinamento de Clarke sobre a santificação completa é completamente alinhado com o de Wesley; na verdade, Clarke segue mais de perto John Wesley do que qualquer outro de seus teólogos contemporâneos e posteriores – John Fletcher, Richard Watson, WBPope, etc. Clarke argumenta, assim como Wesley, que em um dado momento o coração do crente pode ser purificado de todo pecado e preenchido com a plenitude de Deus. Após esta transformação da graça, há um crescimento contínuo na vida totalmente santificada. É isso que o autêntico wesleyanismo sempre ensinou. Aqueles que querem criticar Clarke aqui realmente devem retornar ao texto original de seus escritos, em vez de fazer julgamentos prematuros baseados em trechos isolados. Longe de desviar o ensinamento de Wesley do “centro”, Clarke reforçou, reafirmou e revitalizou o “grande depósito” de Wesley – e por essa razão, e outras, Adam Clarke inspira os pregadores da santidade hoje.

 

Por Herbert McGonigle

Professor de História da Igreja,

British Isles Nazarene College,

Manchester, Inglaterra


[1] Briareu (em grego clássico: Βριάρεως; transl.: Briáreos , lit. “vigoroso”) ou Egeão (em grego clássico: Αἰγαίων; transl.: Aegaeon , lit. “bode do mar”).

Avatar de Diego Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diego Souza

Sou ministro na Igreja Holiness e amo escrever. Graduando em Letras pela UNIVESP, com Bacharel em Teologia pela UMESP e com pós em Novo Testamento pela EST, neste blog compartilho meus pensamentos sobre a vida cristã e o cotidiano, buscando conectar a fé com o dia a dia.