Mt 1:18-25 – A Anunciação: o nascimento de Jesus

Mt 1:18-25 – A Anunciação: o nascimento de Jesus

SÉRIE DE ESTUDOS NO EVANGELHO DE MATEUS #002

INTRODUÇÃO:

Estamos seguindo a história do nascimento de Jesus através dos capítulos iniciais do evangelho de Mateus. Na semana passada, olhamos para a genealogia de Jesus, e hoje falaremos do nascimento de Jesus. O texto que vamos trabalhar estudar se encontra em Mateus 1.18-25. Pegue a sua Bíblia e vem comigo!

João Pedro, meu filho primogênito, nasceu numa terça-feira, 16 de julho de 2002, às 2 da tarde. E Isso aconteceu nos primórdios da internet, ou seja, muito antes do Instagram, bem antes do Facebook e, pasmem, até mesmo antes do Orkut. Naquela ocasião, me lembro de dar a notícia do nascimento do meu filho à moda antiga da internet – por e-mail! Eu tinha uma grande lista de amigos e colegas que utilizavam exclusivamente o e-mail para se comunicarem

Deixa eu abrir um parênteses aqui — Infelizmente, eu não consegui recuperar esse e-mail porque pertencia a empresa em que eu trabalhava na época, e que hoje em dia, nem existe mais. Mas eu estou me lembrando aqui que eu tenho uma amiga que se chama Denise que trabalha numa empresa de cadeados desde aquela época. A gente vivia trocando e-mails. Talvez ela possa ter esse guardado. Mas eu acho muito improvável, pois já se passaram quase 21 anos desde o ocorrido. — Agora, fecha parênteses.

A informação que eu realmente gostaria que você soubesse é que naquela tarde de terça-feira, por volta das 14h do dia 16 de julho de 2002, todos os meus amigos e colegas estavam lendo o e-mail que anunciava que o João havia nascido naquele dia. Gente… Eu estava tão animado com a chegada do meu filho ao mundo que eu queria de todo modo anunciar o seu nascimento a todos os meus amigos o mais rápido possível. A verdade é que, se houvesse uma competição do tipo “e o e-mail do ano de 2002 vai para…” eu tenho certeza que eu teria ganhado, por que continha o incrível anúncio do nascimento do meu filho.

Bom, no texto de Mateus desta noite, nós também encontramos o anúncio de um nascimento. Mas esse anúncio não ganhou o prêmio do “e o nascimento do ano vai para.” … Porque esse anúncio coroava “o nascimento de um Salvador para todos os anos, de todas as eras”.

Na primeira parte do versículo 18, Mateus diz:

“Foi assim que nasceu Jesus Cristo.” (Mateus 1:18)

A palavra “Cristo” significa Messias. Você deve se lembrar que na semana passada comentamos que o evangelho de Mateus apresenta Jesus especialmente como Messias e Rei. Portanto, o que Mateus está querendo nos dizer é que o nascimento de Jesus, que é o Messias prometido por Deus, aconteceu.

E uma das coisas que você precisa perceber sobre o nascimento de Jesus é que o nascimento de Jesus não foi um nascimento comum. Mas foi um milagre do começo ao fim, e nós chamamos de o Milagre da encarnação.

Ou seja, é o milagre do amor de Deus por nós. Porque Deus milagrosamente veio à terra através de Jesus para nos salvar dos nossos pecados.

I. O dilema de José (18-19)

Então, a pergunta mais cabível desta hora é: como surgiu o nascimento de Jesus?

A. Uma promessa de casamento.

Bom, o nascimento de Jesus começa, apropriadamente, com uma história de amor. Vamos ler todo o versículo 18:

“Foi assim que nasceu Jesus Cristo. Maria, sua mãe, estava prometida para se casar com José. Antes do casamento, porém, ela engravidou pelo poder do Espírito Santo.” (Mateus 1:18)

Maria foi prometida para se casar com José. E naquela época, haviam três passos para um casamento judaico acontecer.

Primeiro, havia o período de preparação para o noivado, que muitas vezes começava com os pais organizando o casamento enquanto os cônjuges ainda eram crianças.

Em seguida, vinha o noivado. Porém, durante o período de noivado, o casal já eram considerados marido e mulher legalmente, no entanto, não poderiam de jeito nenhum, viver juntos como marido e mulher, ou seja, não poderiam ter relações sexuais até que estivessem realmente casados.

Interessante é que o noivado era visto como uma relação pública, jurídica, contratual e vinculativa, com duração de 1 ano, e só poderia ser quebrada pelo divórcio.

Bom, finalmente, após o ano de noivado, os noivos se casariam e começaria a viver juntos como marido e mulher.

Então, aqui temos José e Maria, um jovem casal nos dias de noivado. E na verdade, eles provavelmente estiveram noivos a maior parte do tempo de suas vidas, mas agora eles oficializaram o próximo casamento. E mesmo que eles ainda não estivessem oficialmente casados, eles já eram considerados marido e mulher.

B. Maria conceberá a criança através do Espírito Santo (Lucas 1:35)

Como na maioria dos noivados José e Maria estavam desfrutando de um momento feliz de preparativos e planejamento da cerimônia. Mas de repente, José foi jogado pra fora do campo.

Mateus nos diz que “Antes do casamento, Maria engravidou pelo poder do Espírito Santo.”

Você deve se lembrar de nosso estudo da genealogia na semana passada que cada uma das mulheres representadas na genealogia tinha um histórico questionável.

E agora, de repente, todos os anos do relacionamento de José com Maria é colocado em cheque. Quem é o pai desse bebê? Afinal, sabemos que não é José, e isso muito provavelmente é o que todo mundo pensaria.

Mateus nos diz que a gravidez aconteceu “antes deles se unirem”, ou antes de terem relações sexuais como marido e mulher. Mas se José não é o pai, então quem é?

O que foi sugerido na semana passada na genealogia torna-se claro aqui. Jesus não tem pai um humano. Maria é a virgem que ficou grávida de Jesus, que foi concebido pelo Espírito Santo. (Ver Lucas 1:35)

Por isso é correto dizer que o nascimento de Jesus é um milagre. E esse milagre é apenas o primeiro da lista. Jesus foi gerado de forma milagrosa. Deus milagrosamente veio à terra através de Jesus para nos salvar de nossos pecados.

C. José tinha em mente divorciar-se dela em silêncio (Deuteronômio 22:23-24)

No entanto, está claro que até esse momento, José não sabe de nada disso. Muito atordoado, pensava no que ele deveria fazer? Dentro dos seus pensamentos só havia uma projeção: Maria foi infiel a ele. Agora, o Antigo Testamento considerava isso como adultério e uma terrível ofensa que era punível com a morte da infiel, caso o marido escolhesse apresentar acusações.

Esse era o dilema que José se encontrava. E ainda que ele não tivesse todas as respostas em mãos, tomou sua decisão inicial. Olhe para o versículo 19:

“José, seu noivo, era um homem justo e resolveu romper a união em segredo, pois não queria envergonhá-la com uma separação pública. (Mateus 1:19)”

José era um homem justo, o que significa que ele seguiu a lei de Deus. Se Maria tivesse sido infiel a ele antes do casamento, então ele tinha todo o direito de apresentar queixa. Mas ele não era apenas um homem justo; ele também era um bom homem. Ele defendeu a lei, mas também mostrou misericórdia para com Maria. Ele poderia ter feito a lei valer a pena, porém, não queria “expô-la à desgraça pública”.

Em outras palavras, José não queria apresentar acusações contra Maria em uma audiência pública no tribunal. Ele não queria que ela sofresse nenhum dano. Então, em vez disso, ele tinha em mente se divorciar dela em silêncio. Isso significa que José se divorciaria dela antes do número mínimo de testemunhas, que seriam duas, e ele não apresentaria nenhuma acusação. Ele simplesmente lhe dava uma certidão escrita de divórcio e a enviava em seu caminho.

II. O sonho de José (20-23)

Mas foi aí que Deus interveio pela segunda vez nesta história. Olhe para os versículos 20 e 21:

“Enquanto ele pensava nisso, um anjo do Senhor lhe apareceu em sonho e disse: “José, filho de Davi, não tenha medo de receber Maria como esposa, pois a criança dentro dela foi concebida pelo Espírito Santo.Ela terá um filho, e você lhe dará o nome de Jesus, pois ele salvará seu povo dos seus pecados”. (Mateus 1:20-21))

Observe que o anjo se dirige a José como “José, filho de Davi”. E essa informação que Mateus nos dá é fundamental. José é filho de Davi – isto é, José é descendente direto de Davi e está na linhagem real de reis, como vimos na genealogia da semana passada. Lembre-se que Mateus começou a genealogia chamando Jesus de “o filho de Davi”. E como veremos, Jesus recebeu o direito legal a esse título por causa de seu relacionamento com José, filho de Davi.

E esse é o segundo milagre em torno do nascimento de Cristo – o milagre do anúncio angelical. Deus milagrosamente veio à terra através de Jesus para nos salvar de nossos pecados.

A. Concebido pelo Espírito Santo

O anjo tem dois mandamentos para José. Em primeiro lugar, no versículo 20:

“José, filho de Davi, não tenha medo de receber Maria como esposa, pois a criança dentro dela foi concebida pelo Espírito Santo. ” (Mateus 1:20)

O anjo diz a José o que já sabemos do início da passagem. Maria ainda é virgem. Mas Deus operou um milagre em sua vida. O que é concebido nela é do Espírito Santo. Ora, Maria já sabia disso. O anjo disse a ela com antecedência. E agora o anjo está dizendo a José o que já aconteceu. Este é um nascimento milagroso, muito maior que o nascimento milagroso de Isaque, Samuel ou qualquer um dos outros nascimentos miraculosos no Antigo Testamento. Pois Maria concebeu uma criança sem a ajuda de um pai humano.

Como já sabemos, José é descendente de Davi. No entanto, não podemos esquecer que o próprio Deus havia dito a Davi que um descendente dele reinaria em seu trono para sempre. E Deus cumpriu sua promessa. Mas cumpriu de um jeito que trouxe Jesus ao mundo sem a ajuda de um pai humano.

Mas por que Deus fez assim? Eu acredito que, do começo ao fim, Deus fez do jeito Dele para mostrar que a salvação vem toda e exclusivamente Dele. Nesse sentido, podemos afirmar que Deus essa gravidez gerada através do Espírito Santo foi uma concepção santa em todos os sentidos.

– Um filho chamado Jesus que salvará do pecado (Salmo 130:8)

Vamos continuar: O segundo mandamento para José é encontrado no versículo 21:

“Ela terá um filho, e você lhe dará o nome de Jesus, pois ele salvará seu povo dos seus pecados”. (Mateus 1:20-21)

Jesus era um nome bastante popular na época, hoje em dia é semelhante ao nome João ou Enzo (rsrs). Tal como Diego equivale a Diogo, Tiago e Jacó. O nome Jesus equivale ao nome hebraico “Josué”, que significa “Deus salva”. Curiosamente, eu tenho um tio que se chama Josué. E eu também tenho um amigo de Suzano que deu ao seu filho, o nome Josué.

Até hoje, Josué é um nome que é facilmente encontrado por aí. Isso, me faz pensar que muitos pequenos Josués corriam nas ruas de Israel no tempo de José e Maria, lembrando-os como Deus havia libertado o seu povo lá no passado.

No entanto, agora, na virada do calendário, o nome de Jesus carregaria um novo significado. Por isso José deve dar ao bebê o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados. E assim, o nome de Jesus carrega um significado enorme juntamente com a profecia de que Ele mesmo, com grande expectativa, cumprirá na cruz do Calvário – sua morte pelos nossos pecados.

Sabe… O Antigo Testamento fala desse tempo em que o próprio Deus viria e salvaria seu povo do pecado. Lemos no Salmo 130:8: “Ele próprio resgatará Israel de todos os seus pecados.” (Salmos 130:8) Porém, não somente Israel. Agora o povo de Deus inclui todos os que depositam sua confiança em Jesus, judeus e gentios, juntos. Lembra que a genealogia da semana passada incluía judeus e gentios. Pois bem, Jesus é o Salvador para todo aquele que nele crer.

C. Emanuel – “Deus conosco” (Isaías 7:14; João 1:1,14)

E então Mateus nos atrai de volta à profecia do Antigo Testamento para nos mostrar que esse era o plano de Deus o tempo todo. Olhe para os versículos 22-23:

“Tudo isso aconteceu para cumprir o que o Senhor tinha dito por meio do profeta: “Vejam! A virgem ficará grávida! Ela dará à luz um filho, e o chamarão Emanuel, que significa ‘Deus conosco’”. (Mateus 1:22-23))

Aqui temos outro nome que é profetizado para Cristo, mas ao contrário do nome Jesus, este não é um nome comum. Ele será chamado de Emanuel, que significa “Deus conosco”. Somente Deus pode salvar dos pecados, e Mateus nos mostra que essa criança que nascerá da Virgem é de fato 100% Deus e 100% homem.

Na verdade, nessa parte do texto Mateus está citando Isaías 7:14, que é uma profecia que foi feita mais de setecentos anos antes do nascimento de Jesus. A profecia original foi feita ao rei Acaz de Israel sobre a libertação que ocorreria no seu devido tempo, e mais, essa profecia instruía o Rei Acaz a não olhar para a ajuda terrena, mas olhar somente para Deus para que pudessem ser libertos.

Agora, de volta ao texto de Mateus, o conceito é que Jesus trará uma libertação muito maior e muito mais grandiosa. A profecia do Emanuel não é simplesmente dizer que o “Deus conosco” estará nos ajudando por meio do Seu Espírito, o que Mateus está dizendo é que o “Deus conosco” está encarnado na pessoa de Jesus Cristo.

Em outro lugar, o evangelho de João nos diz que Jesus é o eterno Filho de Deus que estava com Deus no princípio e de que de fato era Deus. (João 1:1)

Mas então, 14 versículos depois, lemos que “[Jesus] é a Palavra que se fez carne e fez a sua morada entre nós”. (João 1:14) Em outras palavras, Jesus passou de “Deus que está com Deus” para o “Deus que está conosco”.

Se você conhece a minha história, muito provavelmente você deve saber como o João Pedro foi concebido. E o fato de eu ter escolhido o nome João é porque João significa: “Deus perdoa” ou “Deus é misericordioso”.

E se hoje você conhece o João, você sabe que o seu nome não é apenas João, mas é João Pedro. João Pedro, por sinal, significa abençoado protegido por Deus e forte como uma rocha. Se você não conhece essa história ainda, depois me manda uma mensagem que eu te conto com mais detalhes.

De tudo o que acabei de dizer, porém, grava aquilo que de fato eu quero te dizer: Cristo recebeu dois nomes em seu nascimento: Emanuel e Jesus. E esses dois nomes descrevem perfeitamente a pessoa e a obra de Cristo. Uma pergunta: Quem é a pessoa de Cristo? A pessoa de Cristo é Emanuel, Deus conosco, plenamente Deus e plenamente homem.

Beleza? Agora outra pergunta: Qual é a obra de Cristo?A obra de Cristo é que Ele é o Jesus que morrerá na cruz para salvar seu povo de seus pecados.

Este é o terceiro milagre em relação ao nascimento de Jesus – o milagre da profecia cumprida. Mais uma vez, Deus milagrosamente veio à terra através de Jesus para nos salvar de nossos pecados.

III. A decisão de José (24-25)

Então, recapitulando: José tinha um dilema, e o dilema é: – o que ele deveria fazer a respeito de Maria? Ele teve a resposta através de um sonho em que Deus lhe dava dois mandamentos – 1º) levar Maria para casa como sua esposa e 2º) nomear o menino Jesus.

Agora ele tinha essa grande decisão a tomar. E não era uma decisão nada fácil. Porque se José levasse Maria para casa como sua esposa, ele estaria se abrindo para uma vida inteira de suspeitas, ofensas e ridicularização.

A. Levou Maria para casa como sua esposa

Então, o que ele fez? Alguém se arrisca a responder?

Vamos ler os versículos 24-25:

“Quando José acordou, fez o que o anjo do Senhor lhe havia ordenado e recebeu Maria como esposa. No entanto, não teve relações com ela até o menino nascer; e ele lhe deu o nome de Jesus.” (Mateus 1:24-25)

José enfrentou o desafio divino de uma forma admirável. Era o momento da decisão final, e José escolheu obedecer a Deus. Embora, não encontramos nenhuma palavra ou fala de José no Novo Testamento, repetidamente, o justo José responder em obediência aos mandamentos de Deus. A obediência é a marca registrada, simples, convicta e imediata do caráter de José. E uma das lições que podem te quebrar no meio é que cedo ou tarde, Deus lhe dará um mandamento e você também chegará ao momento da decisão.

Assim como José, Deus pode te pedir algumas coisas que não serão nada fáceis para você. Ainda sim, tenha sempre em mente, que o caminho de Deus é sempre o melhor caminho, e que José é um exemplo maravilhoso de obediência para seguirmos.

– Não teve união com ela até que ela deu à luz (Mateus 13:55-56)

Caminhando pro fim, vemos que José levou Maria para casa como sua esposa. Eles estavam oficialmente casados agora, o que significa que agora poderiam ter relações sexuais, mas Mateus nos diz que José não teve união com ela até que ela deu à luz a Jesus.

Algumas tradições cristãs (como a tradição católica romana, por exemplo) ensinam que José e Maria nunca tiveram relações sexuais, no entanto, nós encontramos em Mateus capítulo 13 que Jesus tinha irmãos e irmãs.

(“Não é esse o filho do carpinteiro? Conhecemos Maria, sua mãe, e também seus irmãos, Tiago, José, Simão e Judas. Todas as suas irmãs moram aqui, entre nós…” – Mateus 13:55-56)

Mateus diz apenas que eles se abstivessem até que Jesus nascesse.

C. Deu-lhe o nome de Jesus

Então, depois que Jesus nasceu, José obedeceu ao segundo mandamento: Deu-lhe o nome de Jesus. Ao nomeá-lo, José tornou-se o pai legal de Jesus, transmitindo-lhe assim o direito legal dos reis através de sua linhagem davídica.

José era filho de Davi, e a partir de agora Jesus seria conhecido como o Filho de Davi – e tudo isso, porque José obedeceu ao anjo e levou Maria para casa como sua esposa.

CONCLUSÃO:

Como se deu o nascimento de Jesus? Tudo foi um milagre! Foi milagroso em sua concepção, foi milagroso no anúncio do anjo, e foi milagroso na profecia que cumpriu.

Antes de encerrar este estudo, gostaria de compartilhar com você três aplicações para as nossas vidas.

Em primeiro lugar, fique admirado com o nosso Deus que opera milagres! Se Deus pôde gerar um filho de uma virgem, ele pode fazer qualquer coisa. Nada é impossível para Deus. Você pode confiar nele pra todas as coisas.

Segundo lugar, se você ainda não conhece Jesus como seu Salvador, você pode vir a Ele hoje mesmo! Jesus veio para salvar seu povo de seus pecados, o que significa que se você quer ser salvo de seus pecados, você precisa se tornar uma parte de seu povo. E como você pode fazer isso? Confiando na obra salvadora de Jesus para você na cruz. Lembre-se que Ele morreu por você para que seus pecados pudessem ser perdoados.

Terceiro lugar: Há uma boa notícia para compartilhar! Deus veio à terra como homem para morrer na cruz pelos nossos pecados. Não há maior ou melhor anúncio do que esse.

Pensa aí: Com quem você pode compartilhar esse anúncio?

Sabe, quando o João nasceu, eu enviei o e-mail do ano, para simplesmente fazer um anúncio, porque eu queria que todos os meus amigos soubessem sobre o nascimento do meu filho. De fato, eu quis que todos eles soubessem que o “João estava conosco”.

Mas quando olho para esse texto de Mateus, eu percebo que o nascimento de Jesus não foi um anúncio específico para uma lista de e-mails. Mas foi a anunciação para todas as pessoas, de todos os lugares, em todos os momentos.

Jesus é Emanuel. Jesus é o “Deus conosco!” Este Deus, milagrosamente veio à terra através de seu Filho Jesus para nos salvar de nossos pecados.

por Diego Gonçalves.


RECURSOS UTILIZADOS:

Bíblia Sagrada. Todas as Escrituras em português citadas são da Nova Versão Transformadora ©


Gostou deste estudo? Então compartilhe com seus amigos e familiares para que eles também possam aprender mais sobre o assunto. E não se esqueça de se inscrever em nossas redes sociais para receber mais conteúdo como este. Até a próxima!

Inspire-se com outros estudos e devocionais em meu site.

Avatar de Diego Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diego Souza

Sou ministro na Igreja Holiness e amo escrever. Graduando em Letras pela UNIVESP, com Bacharel em Teologia pela UMESP e com pós em Novo Testamento pela EST, neste blog compartilho meus pensamentos sobre a vida cristã e o cotidiano, buscando conectar a fé com o dia a dia.