Voltar ao simples

Voltar ao simples

Para ler mais do meu diário, clique aqui.

Hoje, estou me sentindo no limite. Não é sobre ninguém em particular. Mas no momento, estou me sentindo um pouco no limite em relação à minha vida, meu ministério e a igreja. Sinto saudades da simplicidade.

Esta tarde, eu estava pensando na minha vida como era há quase 20 anos. Eu era um jovem casado e havia recentemente encontrado uma nova igreja. A igreja ficava em uma área movimentada do bairro. Essa igreja experimentou um crescimento numérico significativo. Muitas pessoas da vila se aproximaram. Os amigos de amigos também vieram. Essa igreja cada vez mais se assemelhava às pessoas de sua comunidade.

Agora, quase vinte anos depois, anseio pela simplicidade daqueles anos. Meu ministério, a igreja, minha vida, muitas vezes parecem cada vez mais complexos. Me perdoe a expressão, mas às vezes sinto que estou mascando chicletes gigantes com os pés. Seguir em frente pode parecer muito difícil.

Às vezes, esqueço o pequeno, o óbvio e o simples. Não faz muito tempo, percebi que estava falando e discutindo mais sobre ministério do que realmente fazendo. Eu realmente não quero ser assim. Há uma grande diferença entre experimentar a vida em Cristo e apenas falar sobre isso.

No entanto, desejo e imagino muito mais: Quero crescer para valorizar a Deus mais do que qualquer coisa ou qualquer pessoa na minha vida. Quero ser uma pessoa absolutamente entregue a Jesus. Ainda não cheguei lá. Quero ver a igreja ser verdadeiramente o corpo de Cristo, demonstrando a própria vida de Jesus ao realizarmos nossas vocações todos os dias.

Quero que nós, como um grupo de cristãos, aprendamos a depender de Deus, confiando em seu Espírito Santo como nosso poder. Quero que sejamos um povo profundamente apaixonado por levar o Evangelho para o mundo inteiro. Desejo ser uma pessoa cuja primeira inclinação é orar, deixando para trás a impotência de depender da carne.

Anseio pelo dia em que acreditemos que a vida de Cristo é o cerne do nosso ministério – não reuniões, orçamentos, papelada, etc. Essas coisas precisam ser incidentais e não o foco principal. Se todos os ministérios organizados em nossa igreja fossem encerrados amanhã, ainda poderíamos ter um ministério incrível nesta comunidade apenas por sermos a presença viva de Jesus onde estamos.

Eu poderia continuar escrevendo, mas…

Talvez você também precise refletir sobre a simplicidade novamente. Como era a vida no Senhor antes de torná-la tão complicada? O que realmente significa ser uma comunidade de crentes no Senhor?


Eu sou o Diego Gonçalves, teólogo e evangelista, e este é o meu blog www.diegon.org – “O Diário de um Jondô”. Aqui, reflexões teológicas diárias te esperam!

Todos os direitos reservados
© O Diário de um Jondô

S.B.CAMPO – SP

Avatar de Diego Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diego Souza

Sou ministro na Igreja Holiness e amo escrever. Graduando em Letras pela UNIVESP, com Bacharel em Teologia pela UMESP e com pós em Novo Testamento pela EST, neste blog compartilho meus pensamentos sobre a vida cristã e o cotidiano, buscando conectar a fé com o dia a dia.