Resenha de A Mente do Espírito: A Visão de Paulo sobre uma mente Transformada, por Craig S. Keener.

Resenha de A Mente do Espírito: A Visão de Paulo sobre uma mente Transformada, por Craig S. Keener.

Introdução:

Esta obra de Craig S. Keener, A Mente do Espírito, propõe uma nova maneira de entendermos o pensamento transformado, à luz do pensamento de Paulo. A abordagem de Keener é única e contribui para um melhor entendimento da visão de Paulo sobre a mente humana. O livro é bem fundamentado e abre um caminho inovador no estudo do apóstolo Paulo. A leitura é rica em insights e reflexões exegéticas e teológicas, que são muito úteis tanto para o ambiente acadêmico quanto para a vida prática cristã. Recomendo fortemente este livro para quem tem interesse especial no papel do Espírito Santo na mente do cristão.

Keener, Craig S. A mente do Espírito. A visão de Paulo Sobre a Mente Transformada. Vida Nova, 2018. 496p. Brochura. R$ 105,52 preço na editora (Abril de 2024).

Consiga um melhor preço através do meu link de afiliado. Clique aqui.

Resenha:

Craig S. Keener, PhD pela Universidade Duke e professor de estudos bíblicos na Asbury Theological Seminary, é um dos estudiosos do Novo Testamento mais lidos e respeitados atualmente. Ele publicou continuamente uma série de comentários, livros e ensaios importantes, especialmente sobre o estudo do Espírito Santo. Dentre suas obras se destacam “O Espírito na Igreja” (2018), “Amor impossível” (2019), “A Hermenêutica do Espírito” (2016), “O Espírito nos Evangelhos e em Atos” (2018) e sua obra-prima, O “Comentário Histórico-Cultural da Bíblia” (2017), todas publicadas pela Editora Vida Nova.

O livro “A Mente do Espírito” de Keener é mais uma conquista acadêmica que se refere ao estudo do Espírito Santo, com referência especial à compreensão de Paulo sobre a mente humana transformada. O principal objetivo do livro é usar o conceito de mente, especialmente a mente transformada por e em Cristo, encontrada nos escritos paulinos para explicar como a retidão dos crentes (em termos de status ou relacionamento com Deus) e/ou transformação moral realmente ocorrem na vida dos crentes.

Capítulo 1: A mente corrompida (Rm 1.18-32)

O Capítulo 1 explora o argumento de Paulo sobre a mente pagã corrompida em Romanos 1:18-32. Apesar do apelo repetitivo dos filósofos antigos para o domínio racional sobre as paixões, Keener sugere que a suposta mente pagã sábia tornou-se sujeita às paixões, corrompendo as evidências naturais de Deus, rejeitando o conhecimento de Deus e interpretando erroneamente a realidade, especialmente o propósito e a identidade humanos. Como resultado, os gentios se entregaram à idolatria e à imoralidade sexual. No entanto, para Paulo, mesmo a mente judaica iluminada pela Torá sem o Espírito acaba por ser a mente da carne – tema que Keener explora mais no capítulo 3.

Capítulo 2: A mente da fé (Rm 6.11)

O Capítulo 2 discute “a mente da fé” ou “a nova maneira de pensar em Cristo”, que vem da nova identidade em Cristo. Para Keener, Romanos 6 é composto por dois elementos, a saber, “indicativo” e “imperativo”. O elemento indicativo são “a morte e ressurreição de Cristo, eventos historicamente realizados” ou “a nova realidade” que precisa ser abraçada com fé ou “considerada” (“6:11: ὑμεῖς λογίζεσθε ἑαυτούς; ‘considerem-se’ – uma ação cognitiva). O elemento imperativo convida os crentes que foram justificados com Deus pela fé a compartilhar mais plenamente e viver a perspectiva de Deus sobre sua união com Cristo.

Capítulo 3: A mente da carne (Rm 7.22-25)

O Capítulo 3, o mais longo do livro, revisita o tema da mente caída e explora “a vida sob a lei sem vida em Cristo” em Romanos 7:15-25. A suposição básica de Keener é que Romanos 7:7-25 não é a experiência atual de Paulo como cristão, mas sim “a dramatização gráfica de Paulo sobre a vida sob a lei”. Esta passagem descreve “a mente judaica mais informada” ou “a mente religiosa informada pelas exigências justas de Deus”, em contraste com a mente pagã em Romanos 1:18-32. Esta mente religiosa iluminada pela lei é “ainda mais frustrada pelas paixões, porque sabe o que é certo e errado, mas é incapaz de silenciar a paixão”.

Capítulo 4: A mente do Espírito (Rm 8.5-7)

O Capítulo 4 trata da “mente da carne” (Rom. 8:5-7), contrastando-a com a “mente do Espírito” discutida no capítulo 3. Em vez de uma “mente da carne” que é subjugada pelas paixões, a mente do Espírito – ou seja, o novo modo de pensar em Cristo – é capaz de cumprir a vontade de Deus porque essa mente é guiada, motivada e fortalecida pelo Espírito de Deus que agora habita nos crentes. A mentalidade que envolve o Espírito é caracterizada por vida e paz. Essa paz pode referir-se tanto à tranquilidade individual quanto à harmonia comunitária (pp. 135-141).

Capítulo 5: Uma mente renovada (Rm 12.1-3)

O Capítulo 5 prossegue com um tema semelhante, “a mente renovada”, em Rom. 12:1-3. Paulo exorta seus ouvintes a renovarem suas mentes, “de acordo com os padrões da era vindoura em vez da atual”, de modo que “essa mente leva alguém a dedicar seu corpo individual ao serviço do corpo maior de Cristo” (xvi).

Capítulo 6: A mente de Cristo (1 Co 2.15-16)

O Capítulo 6 explora “a mente de Cristo” (1 Cor. 2:15-16; 2 Cor. 3:18), que lança luz sobre como “a habitação do Espírito de Deus compartilha com os espiritualmente maduros… uma medida da própria sabedoria de Deus” e “um antegosto da realidade escatológica” (xvi). A reivindicação básica de Keener é que “a verdadeira sabedoria é encontrada na cruz”, e “uma compreensão cada vez mais plena do caráter de Cristo crucificado poderia transformar cada vez mais [o] caráter [de alguém], conformando-o à gloriosa imagem de Cristo” (p. 216).

Capítulo 7: Uma mente semelhante a de Cristo (Fp 2.1-5; 3.19-21; 4.6-8)

O Capítulo 7 toca brevemente nos temas cognitivos em Filipenses: 1) a paz divina protege as mentes que lançam suas preocupações a Deus (4:6-8); 2) uma mente semelhante a Cristo leva a servir uns aos outros (2:5); e, finalmente, 3) os cidadãos do céu se concentram nas questões do celestial, não do terreno.

Capítulo 8: A mente celestial (Cl 3.1-2)

O oitavo e último capítulo continua com o último tema de Filipenses, “a mente celestial”, com referência especial a Col. 3:2. Em oposição à natureza abstrata e transcendente do céu para os antigos filósofos, o foco celestial é claramente Cristo exaltado para os cristãos. Contemplar Cristo resultará em um caráter semelhante ao de Cristo e na vivência diária de acordo com seu caráter.

Considerações Finais

Sem dúvida, o livro é bem pesquisado e persuasivo, abrindo possivelmente um novo caminho nos estudos Paulinos. “A Mente de Paulo” é único e especial em sua contribuição para a antropologia Paulina, pois nenhum outro estudioso deu tanta atenção à visão de Paulo sobre a mente, como Keener faz, especialmente em contraste com uma ampla seleção de fontes antigas. Consultar uma infinidade de fontes gregas, romanas e judaicas, por um lado, permite aos leitores aprofundar-se na lógica do argumento de Paulo sobre a noção de mente, em comparação com outras ideias filosóficas antigas. Por outro lado, Keener mostra com sucesso a visão distintiva de Paulo sobre a natureza da mente humana, em contraste com a percepção da mente humana dos antigos filósofos.

Sua detalhada reflexão exegética e teológica oferece muitos insights práticos (por exemplo, pastorais e psicológicos) sobre a mente humana de acordo com Paulo. Como o próprio Keener previu em seu posfácio, o livro irá “desafiar a divisão comum [construída socialmente] em muitos círculos cristãos entre religião emocional (relacionada a revivalismos na fronteira dos EUA e místicos anteriores) e religião intelectual (historicamente relacionada ao treinamento acadêmico)” (p. 257). A tentativa de Keener de “superar tais escolhas forçadas formadas historicamente e socialmente” (p. 258), apesar de alguns desacordos e controvérsias previsíveis relacionados ao problema, despertará um acorde responsivo nos corações daqueles que levam a sério o chamado para amar ao próximo (Rom. 13:8-10) apesar das diferenças em questões secundárias (14:1-23).

Além disso, o chamado interdisciplinar de Keener para usar o pensamento Paulino para contribuir para a psicologia cristã é único e refrescante (pp. 260-261). Embora tal empreendimento interdisciplinar possa ser extremamente desafiador – pois há uma “vasta gama de teorias de aconselhamento e psicoterapia hoje” (p. 260), uma tentativa de diálogo interdisciplinar entre estudos bíblicos e psicologia certamente beneficiará aqueles interessados em psicologia cristã.

No geral, Keener escreveu mais um livro útil e informativo sobre o estudo do Espírito Santo, com sua referência especial a passagens chave Paulinas. Com suas preocupações exegeticas, carismáticas, multidisciplinares e pastorais vistas ao longo do livro, igreja e academia certamente se beneficiarão do livro. Eu recomendo fortemente este livro para estudantes com interesse particular no papel do Espírito Santo na mente cristã.

Para adquirir uma cópia deste grande livro, clique aqui.

Avatar de Diego Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diego Souza

Sou ministro na Igreja Holiness e amo escrever. Graduando em Letras pela UNIVESP, com Bacharel em Teologia pela UMESP e com pós em Novo Testamento pela EST, neste blog compartilho meus pensamentos sobre a vida cristã e o cotidiano, buscando conectar a fé com o dia a dia.