Is 9:6 – #02 Deus Forte

Is 9:6 – #02 Deus Forte

INTRODUÇÃO: Estou trabalhando uma série para o Advento em 2023 que chama-se “Nome Acima de Todos os Nomes” e estamos estudando os nomes de Jesus conforme revelados pelo profeta Isaías em Isaías 9,6. Isaías profetizou sobre o nascimento de um menino que seria conhecido por quatro nomes notáveis. No entanto, esses nomes não são nomes comuns como usamos no dia a dia. Eles falam do caráter, da natureza e da essência dessa criança que nasceria. Na semana passada, estudamos o primeiro nome, “Maravilhoso Conselheiro”, e nesta semana vamos olhar para o segundo nome, “Deus Forte”. (Leia Isaías 9:6 e ore.)

Leitura Bíblica de Isaías 9:6

Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, o governo estará sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus forte, Pai da Eternidade e Príncipe da Paz.

— Isaías 9:6

Desenvolvimento:

A mensagem de hoje é muito simples. Quero, antes de tudo, considerar que o bebê na manjedoura é totalmente Deus. Essa é a parte que se refere a “Deus” do nome Deus Forte. E em seguida, quero que vejamos que Jesus faz coisas que só Deus pode fazer. Essa é a parte que se refere ao “Forte” do nome Deus Forte.

1. O bebê na manjedoura é totalmente Deus

Então, em primeiro lugar, o bebê na manjedoura é totalmente Deus. Vamos explicar isso de forma simples, pois é um assunto sagrado. Isso é o cerne do mistério e da maravilha do Natal. Seria incrível se Deus aparecesse de repente para nós como um homem, mas o fato de que ele nasceu em nosso mundo como um bebê tão pequeno está além da nossa compreensão – é exatamente isso que a palavra “Maravilhoso” no nome “Maravilhoso Conselheiro” significa, como discutimos na semana passada. Significa algo surpreendente, incrível, além da nossa compreensão, algo que só Deus pode fazer.

Algumas pessoas tentam explicar de forma mais simples o significado de Isaías, apontando para versículos da Bíblia onde os reis eram chamados de “deuses” no sentido de serem governantes, sem que isso significasse que eles eram realmente divinos. No entanto, a palavra específica que Isaías usa para Deus neste nome é a palavra hebraica “El”. Você pode reconhecê-la como o final da conhecida palavra natalina “Emanuel”, que significa “Deus conosco”. E a palavra “El” é usada exclusivamente para se referir ao único Deus verdadeiro, somente ele.

Por exemplo, em Oséias 11:9, onde Deus diz: “Porque eu sou Deus, e não o homem”, a palavra “El” é usada para estabelecer uma diferença entre Deus e o homem. E em Isaías 10:21, no capítulo seguinte, a expressão “Deus Forte” se refere especificamente a Javé: ²¹ Os restantes se converterão ao Deus forte, sim, os restantes de Jacó. (Isaías 10:21) Não há dúvida sobre isso. Quando Isaías chama esse bebê de “Deus Forte”, ele está dizendo que ele é Javé, ele é o Senhor Todo-Poderoso. O bebê na manjedoura é completamente Deus.

A palavra teológica que usamos para descrever Deus se tornando humano é “encarnação”. Vem do latim e significa literalmente “tornar-se em carne”. E se não tivermos tempo para refletir sobre a encarnação, sobre o que significa que o bebê na manjedoura é Deus que veio em forma humana, então perdemos a parte central do Natal. Nunca entenderemos completamente a encarnação (lembre-se, ela está “além do entendimento”), mas ao refletirmos sobre ela biblicamente, seremos levados a adorar nosso Deus Forte que nos amou tanto que nasceu em nosso mundo como um bebê.

Filipenses 2:6-7 é uma das Escrituras mais importantes para entender o que a encarnação significa e o que ela não significa. Vejamos esses dois versículos juntos:

⁶ pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; ⁷ antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, (Filipenses 2:6-7))

Há duas verdades em particular que quero que vocês vejam nesses versículos. Jesus não deixou de ser Deus quando se tornou humano. Em vez disso, ele abriu mão de seus direitos como Deus ao se tornar humano.

a. Ele não deixou de ser Deus quando se tornou humano

Em primeiro lugar, Jesus não deixou de ser Deus quando se tornou humano. Filipenses 2:6 diz que Jesus é “Deus na própria natureza”. Jesus não deixou de lado sua natureza divina quando se tornou humano. Assumiu uma natureza humana, mas nunca deixou de ser Deus. Ele era totalmente Deus e plenamente homem.

Uma das reuniões mais importantes da igreja primitiva ocorreu na Turquia moderna de 8 de outubro a 1º de novembro no ano 451 d.C. Nós o chamamos de Concílio de Calcedônia, e ele foi convocado especificamente para tratar dessa questão da encarnação, conforme revelado nas Escrituras. Embora a igreja já entendesse pelas Escrituras que Jesus era Deus, ainda havia confusão sobre como Jesus poderia ser humano e divino ao mesmo tempo. Jesus era parte humano e parte Deus? Seriam duas pessoas diferentes – uma pessoa divina e uma pessoa humana, todas envolvidas em uma?

Os líderes da igreja em Calcedônia estudaram essas questões e chegaram a uma solução bíblica que foi aceita por todos os três principais ramos do cristianismo – a saber, que Jesus Cristo é uma pessoa divina com duas naturezas, e que essas duas naturezas “permanecem distintas, inteiras e inalteradas, sem mistura ou confusão para que a única pessoa, Jesus Cristo é verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem”. (Definição calcedônia)

Santo Agostinho, em “Confissões”, no livro VII, capítulo 1, escreve sobre a Encarnação de Cristo, e diz o seguinte:

“[…] tomou para si o que não era, permanecendo o que era; pois não deixou de ser o que era, quando tomou para si o que não era. Ele continuou a ser o que é, ao mesmo tempo que nos parecia o que somos.” (Agostinho de Hipona; Sermão, 396 d.C.)

Isso é muita teologia, então deixe-me simplificar para você desta maneira: “Jesus Cristo é uma pessoa com duas naturezas separadas. Contanto que você não o divida em duas pessoas, ou confunda suas duas naturezas, você está bem.”

A encarnação não é “Deus menos alguma coisa”, mas “Deus mais alguma coisa”. Não é Deus, o Filho menos a sua natureza divina, mas sim Deus, o Filho divino mais a sua natureza humana.

Jesus é plenamente Deus e plenamente homem. Como diz Filipenses 2, ele é Deus na própria natureza. Ele não deixou de ser Deus quando se tornou humano.

b. Pelo contrário, abriu mão de seus direitos como Deus ao tornar-se humano

Mas, embora não tenha deixado de ser Deus, Jesus perdeu outra coisa quando se tornou homem. Então, vamos dar uma olhada nesses dois versículos em Filipenses novamente:

⁶ pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; ⁷ antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana,

Filipenses 2:6,7

O que o resto deste versículo está dizendo é o seguinte: Jesus não deixou de ser Deus quando se tornou humano. Em vez disso, ele abriu mão de seus direitos como Deus ao se tornar humano.

Jesus tinha certos privilégios como Deus. Ele podia mostrar toda a sua glória o tempo todo. Ele podia ser adorado e servido no céu por muitos anjos e outros seres criados. Ele podia usar seus poderes divinos para saber tudo, ter controle sobre tudo e estar presente em todos os lugares e momentos. Ele não precisava sentir fome, sede, cansaço ou dor como os seres humanos. E certamente ele não precisava morrer, pois era perfeito e sem pecado em todos os aspectos.

Jesus não deixou de ser Deus quando se tornou humano, mas abriu mão de todos esses privilégios quando se tornou humano. Ele fez isso para poder viver uma vida perfeita e sem pecado e depois morrer na cruz em nosso lugar, para nos salvar dos nossos pecados.

O que queremos aprender de Isaías 9:6 é que Jesus era completamente Deus e completamente humano, mesmo como um bebê na manjedoura. Ele não se tornou Deus crescendo. Ninguém pode se tornar Deus; nem mesmo Deus pode se tornar Deus, porque uma das principais características de Deus é que ele sempre foi Deus. Ele não se tornou Deus em algum momento; ele sempre foi Deus e sempre será. Portanto, o bebê na manjedoura é completamente Deus. E assim como os sábios do passado, a única resposta adequada é se aproximar com admiração para adorá-lo.

II. Jesus faz coisas que só Deus pode fazer

Eu mencionei antes que há duas coisas que quero que consideremos hoje sobre esse nome “Deus Forte”. A primeira é que o bebê na manjedoura é totalmente Deus. É isso que vimos. Agora quero que pensemos na segunda coisa: Jesus faz coisas que somente Deus pode fazer. Isso porque o foco desse segundo nome está em seu poder. Jesus não é apenas Deus – Isaías o chama de “Deus Forte”.

A palavra traduzida como “forte” é a palavra hebraica para “herói, campeão ou guerreiro”. Nós amamos nossos super-heróis, não é verdade? Os gregos celebravam as proezas de Hércules. Hoje temos Homem de Ferro, Aquaman e os Vingadores. E parece que nunca nos cansamos desses seres super-humanos que fazem coisas incríveis.

Bem, Isaías diz que a criança que vai nascer será ao mesmo tempo um “conselheiro maravilha” e um “Deus herói” – o Deus do poder que realiza coisas incríveis por seu povo. E é exatamente isso que vemos quando nos aproximamos de Jesus no Novo Testamento. Ele é o Deus Forte! Por quê? Porque ele faz coisas que somente Deus pode fazer. Vamos ver brevemente quatro dessas coisas.

a. O poder de criar: Todas as coisas foram feitas por meio dele

Em primeiro lugar, Jesus tem o poder de criar. Sabemos pela Bíblia que somente Deus tem o poder de criar. De fato, as primeiras palavras da Bíblia são: “No princípio, Deus criou os céus e a terra”. (Gênesis 1:1) Só Deus cria.

E, no entanto, quando entramos nas páginas do Novo Testamento, descobrimos que Jesus também tem o poder de criar. Lemos em João 1:3: “³ Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez. (João 1:3) Ou em Colossenses 1:16:  “¹⁶ pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. (Colossenses 1:16)

Se só Deus pode criar, e ainda assim todas as coisas foram feitas através de Jesus, de modo que sem Ele nada foi feito que tenha sido feito, o que isso nos diz sobre Jesus? Ela nos diz que ele é Deus Forte porque tem o poder de criar.

b. O poder de salvar: Ele perdoa o pecado

Em segundo lugar, Jesus tem o poder de salvar. No evangelho de Marcos, lemos sobre os quatro homens que trouxeram seu amigo paralisado a Jesus para cura, abaixando-o em sua esteira pelo telhado. Quando Jesus viu a fé deles, disse ao paralítico: “Filho, seus pecados estão perdoados”. Agora, alguns professores de direito estavam sentados ali, pensando consigo mesmos: “Por que esse sujeito fala assim? Ele está blasfemando! Quem pode perdoar pecados senão somente Deus?” Imediatamente Jesus soube em seu espírito que era isso que eles estavam pensando em seus corações, e disse-lhes: “Por que vocês estão pensando essas coisas?”

⁹ Qual é mais fácil? Dizer ao paralítico: Estão perdoados os teus pecados, ou dizer: Levanta-te, toma o teu leito e anda? ¹⁰ Ora, para que saibais que o Filho do Homem tem sobre a terra autoridade para perdoar pecados — disse ao paralítico: ¹¹ Eu te mando: Levanta-te, toma o teu leito e vai para tua casa.

Marcos 2:9-11

E o homem se levantou, pegou seu tapete e saiu à vista de todos. O que Jesus estava fazendo aqui? Ele estava mostrando através dessa cura que ele tem o poder de perdoar pecados. Ele tem o poder de salvar.

Mais uma vez, só Deus tem o poder de salvar. Deus diz em Isaías 45:22: ** “²² Olhai para mim e sede salvos, vós, todos os limites da terra; porque eu sou Deus, e não há outro“*. (*Isaías 45:22). Somente Deus pode salvar, e ainda assim lemos em Atos 4:12 sobre Jesus:

¹² E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos 4:12). Jesus é Deus Forte porque faz coisas que só Deus pode fazer. Ele tem o poder de criar e tem o poder de salvar.

c. O poder de ressuscitar: Ele venceu o pecado e a morte

Em terceiro lugar, Jesus tem o poder de ressuscitar. Romanos 1 diz isso sobre Jesus: “³ com respeito a seu Filho, o qual, segundo a carne, veio da descendência de Davi ⁴ e foi designado Filho de Deus com poder, segundo o espírito de santidade pela ressurreição dos mortos, a saber, Jesus Cristo, nosso Senhor”. (Romanos 1:3-4;)

Nos filmes, todo super-herói precisa de alguém ou algo grande para conquistar. Na verdade, os cineastas pensam tanto no vilão quanto no herói, porque sem um vilão realmente bom, o super-herói não parece tão super. Bem, Jesus veio ao mundo para vencer os maiores e mais maus inimigos de todos – o pecado, a morte e o diabo. E ao vencer o pecado e a morte, Jesus mostrou que tem o poder da ressurreição.

Mais uma vez, isso é algo que só Deus pode fazer. Somente Deus tem o poder sobre a vida e a morte. E, no entanto, Jesus diz em João 5: “²¹Pois assim como o Pai ressuscita e vivifica os mortos, assim também o Filho vivifica aqueles a quem quer”. (João 5:21). Jesus também diz em João 11: 25-26 “Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim viverá, ainda que morra; e quem vive e crê em mim jamais morrerá”. (João 11:25-26)

Então, essa é uma terceira razão pela qual Jesus é Deus Forte – porque Ele tem o poder de ressuscitar.

d. O poder de julgar: Ele julgará os vivos e os mortos

E, finalmente, Jesus tem o poder de julgar. Jesus diz em João 5: ²² E o Pai a ninguém julga, mas ao Filho confiou todo julgamento, ²³ a fim de que todos honrem o Filho do modo por que honram o Pai. Quem não honra o Filho não honra o Pai que o enviou”. (João 5:22-23))

Sabemos pelo Antigo Testamento que Deus é o juiz de toda a terra. (Gênesis 18:25) E, no entanto, aqui no Novo Testamento aprendemos que Jesus tem todo o poder de julgar. Ele voltará do céu para julgar os vivos e os mortos.

Jesus tem o poder de criar, o poder de salvar, o poder de ressuscitar e o poder de julgar. São coisas que só Deus pode fazer, mas Jesus também as faz! Não é à toa que Isaías chamou o bebê na manjedoura de “Deus Forte”.

CONCLUSÃO:

Em conclusão, se Jesus é Deus Forte, há três implicações claras para todos nós aqui nesta manhã:

1) Você deve se submeter a ele como Senhor. Ele é o criador – você deve a ele sua vida. Ele é o salvador – Ele lhe dá uma nova vida. Ele é a ressurreição – Ele lhe dá a vida eterna. Ele é o juiz, ele vai avaliar a sua vida. Toda a sua vida está nas mãos dele. Quando Maria segurou pela primeira vez o Jesus recém-nascido, ela pensou que tinha a vida dele em suas mãos. Mas ele realmente segurou a vida dela na dele. Jesus é Deus Forte. Submeta-se a ele como Senhor.

2) Você precisa confiar nele com sua vida. Muitas vezes nos sentimos desamparados, impotentes, fracos ou vulneráveis. Olhamos para as coisas ao nosso redor no mundo e nos perguntamos como podemos fazer a diferença. Mas a diferença é Cristo. E quando você confia nele, ele fará a diferença através de você – em como você vive, no que você faz e em quem você influencia. Jesus é Deus Forte. Confiai n’Ele a vossa vida.

3) Você deve olhar para ele para a sua força. Isaías 40:31 diz: “Os que esperam no Senhor renovarão suas forças. Eles voarão em asas como águias; correrão e não se cansarão, andarão e não desmaiarão”. (Isaías 40:31) Como Deus Forte, Jesus tem reservatórios ilimitados de poder para compartilhar com você. Então, olhe para ele para a sua força.

O bebê na manjedoura é Deus Forte. Vamos nos curvar e adorá-lo como Deus neste Natal.

Avatar de Diego Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diego Souza

Sou ministro na Igreja Holiness e amo escrever. Graduando em Letras pela UNIVESP, com Bacharel em Teologia pela UMESP e com pós em Novo Testamento pela EST, neste blog compartilho meus pensamentos sobre a vida cristã e o cotidiano, buscando conectar a fé com o dia a dia.