Mt 5:10-12 – Perseguidos por causa da justiça

Mt 5:10-12 – Perseguidos por causa da justiça

Palavra

10. Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, pois deles é o Reino dos céus. 11. “Bem-aventurados serão vocês quando, por minha causa os insultarem, perseguirem e levantarem todo tipo de calúnia contra vocês. 12. Alegrem-se e regozijem-se, porque grande é a recompensa de vocês nos céus, pois da mesma forma perseguiram os profetas que viveram antes de vocês. — Mateus 5:10-12

Introdução

Como temos visto nos últimos domingos, quanto mais um discípulo vive as bem-aventuranças, maior é a probabilidade do mundo contrariá-lo. Quanto mais você vive para Cristo, maiores são as chances do mundo odiá-lo e persegui-lo. Assim foi com os discípulos de Jesus e com a comunidade de Mateus.

O Evangelho de Mateus surgiu da história de uma comunidade que sofreu muita perseguição por causa do anúncio da boa-nova de Jesus Cristo. As primeiras comunidades cristãs, incluindo a comunidade de Mateus, estavam inseridas num contexto hostil ao anúncio do Reino de Deus. Havia muita perseguição, tortura e morte.

Sofrendo perseguição na vida piedosa

Tenha em mente que à medida que os discípulos manifestavam o caráter das Bem-aventuranças na sociedade em que viviam, mais inevitáveis eram as consequências da perseguição. A perseguição foi uma realidade na igreja nascente. Quando olhamos para o Novo Testamento, encontramos várias declarações a esse respeito.

Lemos em 2 Timóteo capítulo 3 e versículo 11 o apóstolo Paulo narrar as perseguições que enfrentou! Ele diz:

“Quanta perseguição suportei! Mas, de todas essas coisas o Senhor me livrou!” (2 Timóteo 3:11)

E após Paulo lembrar das suas aflições e perseguições nas cidades em que passou, ele diz no versículo 12:

“De fato, todos os que desejam viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos”. (2 Timóteo 3:12)

Isso significa que cedo ou tarde, o discípulo que vive um caráter semelhante ao de Cristo poderá sofrer perseguição. Alguns sofrerão menos, outros mais… Quando lemos o que Paulo escreveu aos Gálatas 4:29 percebemos que as suas palavras ainda são aplicáveis em nossos dias: ele diz:

”Aquele que nasceu segundo a carne perseguiu aquele que nasceu segundo o Espírito”. (Gálatas 4:29)

Percebe? Daquela época até os nossos dias nada mudou. Aquele que é nascido da carne sempre perseguirá aquele que é nascido do Espírito. É assim com todos os justos. Sempre foi e sempre será.

Ao longo da história, a Bíblia fornece inúmeras narrativas de pessoas justas que sofreram por causa da sua piedade. Logo no início de Gênesis, conhecemos a história de um homem piedoso e justo chamado Abel foi assassinado por um irmão ímpio e injusto que simplesmente não podia tolerar sua justiça. E assim, tem sido assim desde então. Sempre houve um preço a pagar. Com muita precisão, Mateus relata no capítulo 10, o mestre Jesus falando sobre os custos e as consequências do discipulado. Mateus revela um Jesus que é bem sincero com seus discípulos.

William Barclay, um comentarista que eu gosto muito de consultar, escreve que uma das qualidades mais marcantes de Jesus é a sua pura honestidade. Jesus nunca deixou os homens em dúvida sobre o que aconteceria com eles caso escolhessem segui-lo. Em outras palavras, ser digno de se tornar um discípulo/a de Jesus não é um mar de rosas, mas traz dificuldades, tensões, lutas, perseguições e muitas escolhas. E a principal escolha que poderíamos tomar é ter a coragem de segui-lo na cruz, como o próprio Jesus disse:

“Quem não toma a sua cruz e vem após mim não é digno de mim” (Mt 10.39).

O mais excelente dos bem-aventurados, nosso Senhor Jesus, se revelou completamente na cruz! É por causa da sua mensagem na cruz que o conhecemos. Portanto, aqueles que confessam ser cristãos não podem esquecer que são seguidores de um crucificado, alguém que foi morto por causa da proposta do Reino. Quem segue Jesus também pode ter que carregar a sua própria cruz. Quem escolhe seguir a Jesus deve fazê-lo até o fim, até mesmo até a cruz.

Thomas Watson, o escritor puritano, escreveu:

“Embora os cristãos sejam sempre tão mansos, misericordiosos, puros de coração, sua piedade nunca os protegerá do sofrimento. Eles devem pendurar a harpa nos salgueiros e tomar a sua cruz. Porque o caminho para o céu é pelo caminho dos espinhos e do sangue”

Quando lemos a última bem-aventurança, podemos afirmar sem medo algum quem uma das provas mais reais da nossa salvação é o fato de sermos perseguidos. Em Filipenses capítulo 1 e versículo 28-29, Paulo reforça essa ideia:

…e que em nada estais intimidados pelos adversários. Pois o que é para eles prova evidente de perdição é, para vós outros, de salvação, e isto da parte de Deus. Porque vos foi concedida a graça de padecerdes por Cristo e não somente de crerdes nele… Filipenses 1:28,29

No entanto, pode parecer estranho falar de perseguição em um país tão aberto e tolerante ao cristianismo. Quando se trata de perseguição, nosso grande problema é achar que a atitude do mundo mudou só porque vivemos em um país cristão. Essa é a maior mentira do diabo. O padrão de Deus não mudou. O padrão do mundo não mudou. O que mudou foi o nosso padrão, que mudou muito. Depreciamos demais o nosso padrão de justiça, só porque agora os cristãos são populares, famosos, pedem músicas no Fantástico e respondem perguntas nas caixinhas do Instagram.

Muitos de nós nos enganamos ao pensar que, graças a esses crentes populares, somos hoje aceitos pela sociedade sem nenhuma perseguição. Será que nos conformamos com este mundo, indo contra o conselho de Paulo (cf. Rm 12.2)?

Pessoal, eu não estou aqui defendendo que todo cristão deva ser queimado na fogueira. Também não estou dizendo que a perseguição vai durar para sempre. Estou apenas tentando dizer que devemos viver a vida de Cristo no mundo real, manifestando na sociedade em que vivemos todas as bem-aventuranças que Jesus nos ensinou: ser pobre de espírito, estar em luto, ser manso, ter fome e sede de justiça, ser misericordioso, ter um coração puro e ser um pacificador. Quando conseguirmos demonstrar isso, todos saberão que somos seguidores de Cristo. Nem todos vão gostar, mas ninguém poderá negar essa marca.

Por fim, não se preocupe em buscar perseguição. Ela virá até você! Quanto a isso, João Calvino diz o seguinte:

“Não podemos ser soldados de Cristo com nenhuma condição senão esta, que o mundo se levante muito contra nós e nos persiga até a morte.”

O fato de o mundo ter perseguido os profetas deve nos motivar a perseverar até o fim. Que privilégio seria estar no mesmo departamento celestial dos homens e mulheres piedosas que deram suas vidas pelo seu Deus!

Um dos melhores comentários sobre a perseguição aos profetas é encontrado no capítulo “dos heróis da fé” de Hebreus, capítulo 11, versículos 36 a 40, onde lemos que…

“…muitos deles suportaram zombarias e linchamento, correntes e prisões. Eles foram apedrejados, foram serrados ao meio (e a tradição sustenta que esta foi a maneira pela qual Isaías foi martirizado), foram tentados, mortos à espada; eles andavam peregrinando, vestidos de peles de carneiro, sendo desamparados, aflitos, maltratados (homens dos quais o mundo não era digno), vagando por desertos e montanhas e cavernas e buracos no chão. E todos estes, mesmo tendo obtido aprovação através de sua fé, não receberam o que foi prometido.

Em resumo, nossa perseguição não pode ser comparada àquelas sofridas pelos mártires (você pode não ser apedrejado até a morte, mas pode ser caluniado). No entanto, se ninguém nunca fala mal de você, é preciso questionar se as bem-aventuranças de Jesus estão genuinamente presentes na sua vida. Se não, você pode não ser um membro do Reino dos Céus.

Assim, qual foi a última vez que você foi perseguido por causa do nome acima de todos os nomes? Como você defendeu a causa de Cristo e a pureza do evangelho? Saiba que a única maneira de ter alegria na perseguição é encontrar a alegria em Jesus. Mateus 5:12 diz:

“Alegrai-vos e exultai-vos, porque grande é o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.”

Conclusão:

Ao refletirmos sobre o tema da perseguição por causa da justiça, podemos extrair algumas importantes lições e aplicações práticas de nossa pregação de hoje.

Primeiramente, compreendemos que a perseguição é uma realidade presente na história da igreja e que ser discípulo de Cristo implica enfrentar adversidades por causa de nossa identificação com Ele. Devemos lembrar que nossa postura diante das bem-aventuranças de Jesus pode gerar rejeição e oposição, mas isso não deve nos desencorajar. Pelo contrário, devemos perseverar e confiar na graça e no poder de Deus para nos sustentar.

Além disso, é essencial reconhecer que a perseguição não se restringe a contextos históricos específicos. Mesmo em um ambiente aparentemente favorável ao cristianismo, como pode ser o caso de alguns países, ainda existem desafios e pressões contrárias à nossa fé. Não podemos nos iludir com a popularidade passageira ou o aparente aceite da sociedade. Devemos permanecer firmes em nossos princípios e valores, mantendo nossa identidade cristã inabalável.

Uma aplicação prática é a necessidade de vivermos as bem-aventuranças de Jesus em nossa vida diária. Ser pobres de espírito, mansos, misericordiosos, puros de coração e pacificadores é um testemunho poderoso do caráter de Cristo em nós. Contudo, devemos estar cientes de que isso pode gerar reações negativas e até mesmo perseguição. Não devemos buscar a perseguição deliberadamente, mas também não podemos evitar viver a verdade e a justiça do Evangelho para agradar ao mundo.

Por fim, é importante lembrar que nossa alegria não está fundamentada nas circunstâncias externas, mas em Jesus e na certeza de um galardão nos céus. Mesmo quando enfrentamos perseguição e dificuldades, podemos encontrar consolo e fortaleza em nossa comunhão com o Senhor. Ele nos encoraja a perseverar, olhando para o exemplo dos heróis da fé que nos precederam e que enfrentaram provações semelhantes.

Portanto, sejamos corajosos e comprometidos em viver a vida de Cristo, mesmo que isso signifique enfrentar perseguições. Que nossa identidade como discípulos de Jesus seja evidente em nosso caráter e em nosso testemunho. E que possamos encontrar alegria e esperança em meio às dificuldades, sabendo que nossa recompensa está reservada nos céus.

Que o Espírito Santo nos capacite e fortaleça, dando-nos coragem para proclamar a justiça e a verdade em um mundo muitas vezes hostil. Que possamos, como os discípulos de Jesus nos primórdios da igreja, permanecer firmes na fé, perseverar na esperança e manifestar o amor de Deus em tudo o que fazemos.

Oração:

Senhor Deus,

Agradecemos por mais essa oportunidade de refletir sobre a tua palavra e aprender mais sobre o teu amor e a tua justiça. Pedimos que o teu Espírito Santo nos guie e fortaleça, para que possamos viver conforme a tua vontade e ser um testemunho poderoso do teu amor.

Nós te pedimos que protejas aqueles que sofrem perseguição por causa da sua fé, em todo o mundo. Dê-lhes força e coragem para perseverar, e que possam encontrar conforto e esperança na tua presença. Pedimos que mudes os corações daqueles que perseguem os teus filhos, e que possam conhecer o teu amor e a tua misericórdia.

Também te pedimos que nos ajude a viver as bem-aventuranças de Jesus em nossa vida diária, mesmo que isso signifique enfrentar perseguição e oposição. Que o teu amor e a tua verdade possam brilhar através de nós, e possamos ser um testemunho vivo do teu poder e da tua graça.

Que a tua bênção esteja sobre nós, Senhor, e que possamos continuar a crescer em fé e em amor a cada dia. Em nome de Jesus, amém.

Por Diego Gonçalves.


Gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos e familiares para que eles também possam aprender mais sobre o assunto. E não se esqueça de se inscrever em nossas redes sociais para receber mais conteúdo como este. Até a próxima!

Inspire-se com outros devocionais e reflexões no meu site.

© O Diário de um Jondô

Avatar de Diego Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diego Souza

Sou ministro na Igreja Holiness e amo escrever. Graduando em Letras pela UNIVESP, com Bacharel em Teologia pela UMESP e com pós em Novo Testamento pela EST, neste blog compartilho meus pensamentos sobre a vida cristã e o cotidiano, buscando conectar a fé com o dia a dia.