A Igreja da Filadélfia

Por favor, abram suas Bíblias em Apocalipse 3 7 a 13 enquanto examinamos a sexta das sete cartas atemporais que Jesus deu às igrejas do primeiro século. Desde o início da história humana, as pessoas têm marcado a passagem do tempo de várias maneiras. Deus mesmo estabeleceu os corpos celestes — o sol, a lua e as estrelas — nos céus como os primeiros marcadores de tempo. Seus movimentos celestiais ainda marcam o tempo para toda a criação. Diz em Gênesis 1 14, “E Deus disse, ‘Haja luminares no firmamento do céu para separar o dia da noite; e sirvam eles de sinais para as estações do ano, dias e anos’”. Esse ritmo da passagem do tempo foi estabelecido desde o início, “Houve tarde e manhã… o primeiro dia…; houve tarde e manhã, o segundo dia…”

Em algum momento, a engenhosidade humana e a tecnologia tomaram conta. Meios cada vez mais sofisticados e elaborados de marcar a passagem do tempo foram desenvolvidos, relógios de água, velas com graduações, relógios de sol, relógios de pêndulo com escape, relógios suíços com engrenagens internas e mecanismos e molas requintados, relógios de quartzo, relógios digitais, até as últimas tecnologias que usam mecanismos eletrônicos e até atômicos para manter o tempo com precisão e exatidão. Com nossos aplicativos de smartphone e outras tecnologias, não temos desculpas para nos atrasarmos, tornou-se cada vez mais possível manter o tempo perfeitamente sincronizado ao longo do dia. Digo a todos os pregadores, “Ensine-nos a contar nossos minutos para que possamos ganhar um coração sábio.”

O que é o tempo, realmente? Os físicos o chamam de quarta dimensão; os escritores de ficção científica fantasiam sobre viagem no tempo; os filósofos meditam sobre o significado do tempo na cultura humana; diversas culturas marcam o tempo de maneiras diferentes; pessoas idosas em lares de idosos se perguntam para onde foi todo o tempo e se maravilham com o quão rapidamente ele passou.

No livro O Hobbit, de Tolkien, a criatura Gollum se envolveu com Bilbo Bolseiro em um duelo de charadas. Gollum tentou confundir Bilbo com esta charada, “Esta coisa devora todas as coisas, pássaros, bestas, árvores, flores. Rói ferro, morde aço, mói pedras duras a pó. Mata reis, arruína cidades e derruba montanhas.” A resposta para a charada, é claro, é o tempo, O tempo devora todas as coisas. O tempo mata pássaros, bestas, árvores e flores; todas as coisas vivas eventualmente morrem; elas passam como se nunca tivessem vivido. O tempo rói o ferro até que tudo o que resta seja um monte de pó enferrujado. O tempo mói as pedras mais duras ao longo do oceano; o incessante bater das ondas ao longo dos séculos erode as rochas até que desapareçam completamente. O tempo mata tanto reis quanto plebeus; sua glória desvanece como as flores dos campos — aqui hoje e esquecida por completo amanhã num piscar de olhos. O tempo arruína cidades e vilarejos; eles se levantam, se elevam do pó da terra através da tecnologia humana e engenhosidade e energia e impulso, mas eventualmente atingem seu auge e afundam de volta ao pó de onde vieram, cobertos por camadas de sedimentos e areia e argila, alguns a serem descobertos séculos depois por arqueólogos. O tempo até desgasta montanhas antigas; vento e chuva apagam a rocha mais dura até que desapareça.

Obviamente, Gollum tinha uma visão muito sombria dos efeitos do tempo. No entanto, embora tudo debaixo do sol eventualmente se desgaste, se desfaça, morra ou chegue ao fim, ainda assim, em e através de Cristo, o próprio tempo foi redimido. Os dias de nossas vidas foram redimidos para um propósito eterno.

A forma bíblica para nós entendermos o tempo é equipará-lo com oportunidade. Oportunidade, também conhecida como tempo, é um conjunto específico de circunstâncias providenciais orquestradas por Deus que nunca acontecerão daquela mesma maneira novamente. Hoje, este dia, este domingo é único, e com este dia específico vêm um conjunto único de oportunidades. Essas oportunidades em todo o mundo são para a igreja de Jesus Cristo fazer coisas eternamente significativas. Essas coisas serão eternas porque há algo no universo que não se desgasta com o tempo, não envelhece, não passou do seu auge — na verdade, nem mesmo atingiu seu auge ainda. Todo dia torna-o mais e mais glorioso, mais e mais elevado e grandioso, mais e mais intrincado e detalhado, mais e mais bonito e massivo.

Estou falando da igreja de Jesus Cristo. Jesus disse em Mateus 16 18, “Sobre esta pedra edificarei minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.” A morte não pode deter este glorioso projeto de construção mundial da igreja. Está crescendo cada vez mais e mais glorioso e elaborado e intrincado o tempo todo. Todos os dias, pelas obras de amor sacrificial dos filhos de Deus, ela se eleva. Sabemos de Efésios 2 10, “Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus preparou de antemão para que andássemos nelas.” No final desse mesmo capítulo, Efésios 2, Paulo nos apresenta esta visão da igreja ascendente de Jesus Cristo construída por essas mesmas boas obras. Efésios 2 de 21 a 22 diz, “Nele todo o edifício é ajustado e cresce para tornar-se um santuário santo no Senhor. Nele vocês também estão sendo juntos edificados, para se tornarem morada de Deus por seu Espírito.” Este é um incrível projeto de construção eterna. No final do livro do Apocalipse, temos uma imagem do produto final de todos esses séculos de trabalho. Em Apocalipse 21 de 9 a 11, o anjo disse a João Apóstolo, “‘Venha, eu mostrarei a você a noiva, a esposa do Cordeiro.’ E ele me levou em espírito a um grande e alto monte, e me mostrou a Santa Cidade, Jerusalém, descendo do céu, da parte de Deus. Ela resplandecia com a glória de Deus, e o seu brilho era como o de uma pedra preciosíssima, como um jaspe, límpido como cristal.” Assim, cada dia que vivemos é especial, único. Ele é especialmente elaborado, preparado na eternidade passada pela mente de Deus, que é soberano em sabedoria e que tem um plano perfeito e todo poder para efetuar seu plano. Você faz parte disso; eu também. Ele nos dá obras para fazer todos os dias que moldarão algum aspecto específico da bela e magnífica Igreja de Jesus Cristo por nosso trabalho cheio do Espírito. Esse é o trabalho que temos que fazer. O tempo, então, é uma oportunidade diária única para fazer algo eternamente significativo para construir a Igreja de Cristo com nossa vida de fé e nosso conhecimento da Palavra de Deus. Hoje é oportunidade. Em Apocalipse 3 8, Jesus fala estas palavras incríveis à igreja de Filadélfia, “Eis que coloquei diante de você uma porta aberta que ninguém pode fechar.”

Espero mostrar que, como com as outras cartas que estudamos, devemos ler esta declaração feita a uma igreja há quase 2000 anos como uma Palavra atemporal, viva e ativa para nós hoje como igreja. Esta carta nos instiga a passar pela porta aberta da oportunidade para servir o Deus Vivo, para construir a Igreja de Jesus Cristo através do evangelismo e missões, ministério de dons espirituais, atos de serviço, discipulado, oração, ministério da palavra. Hoje é um dos dias limitados, cada um único como uma porta aberta de oportunidade para nós passarmos.

Antes de prosseguirmos, vamos revisar para entendermos melhor. Hoje estamos olhando para a sexta de sete cartas que o ressuscitado e glorificado Jesus Cristo, o Senhor do céu e da terra, o Senhor da Igreja, deu como instrução atemporal a todas as suas igrejas. O Apóstolo João estava exilado na ilha de Patmos. Ele estava no Espírito no Dia do Senhor quando ouviu uma voz atrás dele. Virando-se, ele viu uma visão do ressuscitado, glorificado Cristo movendo-se entre e ministrando a sete candelabros de ouro, que nos é dito representar sete igrejas (o número sete sendo um número de perfeição e cumprimento) para as quais Ele tinha mensagens individuais. Em Sua mão direita Ele segurava as estrelas dessas igrejas, que eram os mensageiros, ou pastores, das igrejas. Alguns estudiosos acreditam que na verdade havia sete mensageiros dessas igrejas exiladas com João, mas que seriam libertados para voltar às suas igrejas. Outros sustentam que as cartas seriam enviadas. Independentemente disso, essas eram igrejas literais no espaço, no tempo e na história, mas também representavam o que Cristo tem a dizer universalmente a cada igreja local em cada geração. No final de cada uma das sete cartas, ele diz, “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.”

Jesus está falando conosco hoje através desta carta que ele falou a esta igreja real de Filadélfia tantos séculos atrás. Cada uma dessas sete cartas começa com, “Estas são as palavras de…”, seguidas por alguma descrição incrível de Jesus Cristo, o Senhor, o rei da igreja caminhando entre eles e ministrando a eles. Geralmente elas começam com palavras como, “Eu conheço você, eu conheço suas obras, eu conheço suas circunstâncias, eu conheço seus desafios, eu conheço seus sucessos, eu conheço seus fracassos.”

Isso é o que torna essas cartas tão preciosas. Elas nos dão um vislumbre da mente de Cristo enquanto ele cuida de nós como igreja local e nos mostra a glória daquele que as escreveu. A especificidade do Seu conhecimento de nós, o fato de que Ele nos conhece completamente, nos lembra que não podemos nos esconder Dele. Ele nos conhece e nos examina com Seus olhos de fogo ardente. Nada lhe é oculto, e Ele nos fala palavras de sabedoria e comandos atemporais. Eu acredito que cada igreja deveria ler todas as sete cartas como se fossem uma mensagem poderosa para nós. “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.” Jesus está falando através do Espírito Santo para nós hoje por meio desta carta.

Neste caso particular, na sexta carta para Filadélfia, a circunstância da auto-descrição de Cristo é única. Normalmente, Ele pega algum aspecto da visão que João teve em Apocalipse 1 e cita isso como um descritor de Si mesmo. No entanto, desta vez Ele não faz isso. Ele volta às páginas do Antigo Testamento.

O verso 7 diz, “Estas são as palavras daquele que é santo, que é verdadeiro, que tem a chave de Davi, que abre e ninguém pode fechar, e fecha e ninguém pode abrir.” Ele começa declarando-se como Aquele que é santo. “Santidade” significa separação. Somente Deus pode fazer esta afirmação, porque a santidade de Deus é diferente da santidade de qualquer ser criado. Deus certamente tem uma separação perfeita de todo mal e maldade. Ele é santo nesse sentido, assim como os anjos santos ou os santos santos estão separados do mal. Isso é verdade. Mas além disso, Deus também está infinitamente separado acima de todas as coisas criadas. Ele está infinitamente acima de toda a criação, e assim Ele é o Santo.

Sua santidade é tão poderosa, um atributo tão impressionante, que parece ser o ponto focal de grande parte da adoração celestial. Como os Serafins em Isaías 6 3, que não conseguem parar de cantar, clamando com vozes altas sobre a santidade de Deus, “Santo, santo, santo é o Senhor Todo-Poderoso… toda a terra está cheia da Sua glória.” Eles são santos em si mesmos, separados de todo mal – não há mal neles; eles nunca fizeram nada de mal. Mas eles estão celebrando em triplicado a santidade de Deus, seu Criador, o Senhor. As criaturas viventes diante do trono clamam a mesma coisa no próximo capítulo em Apocalipse 4 8, “Dia e noite eles nunca param de dizer, ‘Santo, santo, santo é o Senhor Deus Todo-Poderoso, que era, e é, e há de vir’.”

A identificação de Jesus de Si mesmo como o Santo é uma afirmação de divindade. Jesus possui santidade não diminuída. Ele não apenas tem uma separação perfeita do mal em si mesmo, mas também uma separação perfeita de todas as criaturas como Rei e Senhor sobre toda a criação. Ele também se chama “o que é verdadeiro”. Jesus afirma ser aquele que é verdadeiro. Se algo é verdadeiro, ele se alinha precisamente com a realidade – seja a realidade espiritual ou física ou ambas. É autêntico, genuíno, real nos céus e na terra.

Satanás, em contraste, construiu seu império do mal com mentiras. Ele mentiu para si mesmo sobre seu próprio poder e sua própria capacidade quando pensou que ascenderia ao Céu em Isaías 14 e tomaria o trono de Deus. Além disso, ele mentiu aos anjos que caíram com ele, que se juntaram a ele em sua rebelião no Céu. Apocalipse 12 nos diz que eles foram lançados para baixo e agora são chamados demônios. Ele mentiu para Adão e Eva na Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, dizendo, “Certamente vocês não morrerão.” Desde então, ele mentiu para todo pecador que já viveu; ele construiu um império mundial de pecado, tudo baseado em mentiras. Jesus disse em João 8 44, falando de Satanás, “[O diabo] foi assassino desde o princípio, não se mantendo na verdade, pois não há verdade nele. Quando mente, fala a sua língua nativa, pois é mentiroso e pai da mentira.” Mas tudo o que Jesus já disse é perfeitamente verdadeiro, e flui da fonte de toda a verdade. Jesus é a Verdade e fala a verdade. Ele parece poderoso porque é poderoso. Ele parece glorioso porque é glorioso. Ele parece ser soberano e estar no controle porque é soberano e está no controle. Ele parece estar vivo depois de ter sido crucificado porque está vivo. É tudo verdade. Jesus é santo e verdadeiro. Ele mesmo é a Verdade.

Ele também diz que tem a chave de Davi. A palavra “chave” designa autoridade. Ele tem o direito de abrir e fechar. Ele tem o direito de destrancar e abrir uma porta fechada com barra; e ele tem o direito de bater uma porta fechada e trancá-la. Ele disse em Apocalipse 1 18, “Eu sou o Vivente; estive morto, mas eis que estou vivo para todo o sempre! E tenho as chaves da morte e do Hades.”

Ele tem as chaves da morte e do túmulo.

Especificamente aqui a “chave de Davi” significa que ele tem o direito de sentar-se no trono de Davi. Ele é o filho de Davi, previsto para vir e reinar sobre todos os seres humanos. Ele é o Filho do Homem, o filho de Davi, o Ungido, o Messias, o Salvador do mundo. Tudo isso foi predito para ser o filho de Davi – Davi foi o foco das promessas que Deus fez de colocar um rei humano sobre toda a humanidade. A primeira coisa que o Novo Testamento nos ensina sobre Jesus está em Mateus 1 1, um breve “… registro da genealogia de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão.” Isso é incluído para mostrar que Jesus é o herdeiro do trono de Davi, tem o direito ao trono de Davi. Mas o trono de Cristo, ao contrário do de Davi, que era real mas temporário e simbólico de glórias futuras, é eterno e glorioso nos céus. Por toda a eternidade Ele se sentará nesse trono. Ele tem a Chave de Davi. Além disso, Ele tem o direito de abrir e fechar portas.

Olhe para o versículo 7, “O que ele abre, ninguém pode fechar, e o que ele fecha, ninguém pode abrir.” Esta é uma declaração de poder e autoridade absolutos e infinitos. Ele controla as portas do Céu e da terra. Se Jesus quisesse uma porta aberta, e Satanás e todos os seus demônios e todos os homens e mulheres ímpios na terra se juntassem para fechar essa porta, ela não poderia ser fechada. Se ele abre a porta, ela permanece aberta. Da mesma forma, se Jesus quisesse uma porta fechada, nenhum desses poderes combinados poderia fazer nada para abri-la nem mesmo um centímetro – ela seria fechada com poder e autoridade inestimáveis. Se Ele fecha uma porta, ela permanece fechada. “O que ele abre, ninguém pode fechar, e o que ele fecha, ninguém pode abrir.”

Dessa forma, Jesus controlou o fluxo da história humana, bem como a entrada no próprio Céu. “O coração do rei é como um curso de água nas mãos do Senhor. Ele o dirige para onde quiser.” Ele abre portas e sua maldade flui em uma direção específica e não em outras direções para alcançar seus propósitos. Assim Ele é soberano sobre as pessoas más que nem mesmo o reconhecem. Ele abre portas e a água flui. Sua natureza é má, mas fluirá em uma direção específica. Assim Ele tem controlado a história humana.

Além disso, Ele tem o direito de determinar quem entrará e quem não entrará no reino dos céus. Essa é a porta mais importante. Ele é o porteiro do Reino dos Céus. Ele diz em Mateus 5 20, “Pois eu lhes digo que, a não ser que a justiça de vocês supere em muito a dos fariseus e mestres da lei, de modo nenhum entrarão no Reino dos Céus.” Você pode pensar, “Que direito Ele tem de fazer essa afirmação?” Ele tem todos os direitos. Ele tem o direito de abrir e o direito de fechar. E Ele disse que a justiça dos fariseus e escribas não é suficiente para o céu. Ainda mais, Ele disse aos seus próprios discípulos em Mateus 18 3, “Eu lhes digo a verdade, se vocês não se converterem e não se tornarem como crianças, jamais entrarão no Reino dos Céus.” Ele disse a Nicodemos, “Se alguém não nascer de novo, não pode ver o Reino de Deus.” Ele tem o direito de fazer essas afirmações.

Se Jesus fecha a porta do céu, ninguém pode abri-la, como a arca de Noé nos dias do dilúvio, quando a porta foi fechada, todos do lado de fora pereceram. A mão de Deus sozinha tinha o direito de fechar aquela porta e dizer, “Ninguém mais pode entrar na arca.” Da mesma forma, as Cinco Virgens Insensatas na parábola de Jesus não estavam prontas quando o noivo chegou. Elas correram para buscar óleo para suas lâmpadas, voltaram tarde demais e encontraram a porta fechada. Elas bateram na porta e gritaram, “Deixe-nos entrar, deixe-nos entrar”, mas não lhes foi permitido. “Nunca vos conheci. Afastem-se”, foi-lhes dito, e o noivo não as deixaria entrar.

Ele tem o direito de determinar quem tem acesso ao trono do Deus Todo-Poderoso, o direito de se aproximar de Deus e dirigi-Lo. Quando eu me levantei aqui para orar, fui novamente tocado pelo privilégio da oração. É um grande privilégio para pecadores como nós ter acesso ao salão do trono de Deus. Jesus controla esse acesso. É somente por Ele que temos acesso a Deus. Diz em Hebreus 10 20 que entramos no trono da graça “por um caminho novo e vivo… que é o seu corpo”, apenas pela morte de Jesus. Diz também em Efésios 2 18, “Pois por meio dele [Cristo], tanto judeus quanto gentios crentes têm acesso ao Pai pelo mesmo Espírito.” Ele é a porta pela qual entramos na presença de Deus.

Como vimos, então, Jesus se descreve como santo e verdadeiro e tendo a chave de Davi, e Ele tem a autoridade para fechar e ninguém pode abrir, e Ele tem a autoridade para abrir e ninguém pode fechar – Ele é aquele que está falando conosco hoje pelo Espírito. Você não quer ouvir o que ele tem a dizer a esta igreja? Eu quero.

Elogio Puro de Cristo

O que ele diz à igreja de Filadélfia? Ele começa nos versículos 8 a 10 com estas palavras, “Eu sei das suas ações. Eis que coloquei diante de você uma porta aberta que ninguém pode fechar. Sei que você tem pouca força, mas guardou a minha palavra e não negou o meu nome. Farei com que aqueles que são da sinagoga de Satanás, que afirmam ser judeus, mas não o são, mentirosos que são — eu os farei vir e se prostrar aos seus pés e reconhecer que eu os amei. Visto que você guardou o meu mandamento de perseverar com paciência, também o guardarei da hora da provação que está para vir sobre o mundo inteiro para testar os que vivem na terra.”

“Eu sei das suas ações…” Ele sempre começa com isso. Ele começa com o fruto da árvore, com as obras — por nossos frutos, Ele nos conhecerá. Faça uma árvore boa e seu fruto será bom; faça uma árvore má e seu fruto será mau. Uma árvore é conhecida pelos seus frutos. Jesus começa com as ações, as obras. Neste caso, na verdade, Ele não diz nada sobre suas ações, boas ou ruins. Não sabemos nada sobre o que eles fizeram; em vez disso, ele fala dos desafios que estão enfrentando, especificamente dos judeus descrentes, que abordarei em um momento.

Ele diz, “Eu sei que você tem pouca força…” Esta é uma avaliação precisa da igreja, não uma crítica de forma alguma. “Oh, igreja, você tem pouca força; você é fraco.” Mas eles sabem disso, e essa é a sua força espiritual até certo ponto. Eles não se gabam de ser uma grande igreja; eles não são uma parte dominante da cidade de Filadélfia; eles não têm uma grande influência na vida daquele lugar pagão. Mas eles são um posto avançado fiel, uma colônia do céu, um refúgio para aqueles que buscam verdadeira salvação, bem ali em Filadélfia.

A Igreja parece ter sido pequena em número, não muito influente, provavelmente composta pelas classes mais baixas da sociedade. Isso me lembra do que Paulo disse à igreja de Corinto em primeiro Coríntios 1 de 27 a 28), “Pois não foram muitos de vocês que, segundo critérios humanos, eram sábios, nem muitos que eram poderosos, nem muitos que eram de nobre nascimento. Mas Deus escolheu as coisas loucas… as coisas fracas… as coisas humildes… as coisas desprezadas deste mundo… — e as coisas que não são — [para exaltar o seu próprio poder e glória,] para anular as coisas que são.” Eles eram uma igreja de pequena força. Quando você conhece e reconhece a simples verdade de que tem pouca força, pode acessar o verdadeiro poder, a força infinitamente maior do Deus Todo-Poderoso que trabalha por meio de você.

Paulo diz em segundo Coríntios 12 10, “…por causa de Cristo, me alegro nas fraquezas, nos insultos, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias. Pois, quando sou fraco, então é que sou forte.” Para esclarecer e expandir este verso para o seu significado completo, eu acrescentaria, e acho que Paulo concordaria, que quando eu sei que sou fraco e me sinto fraco e confesso minha fraqueza a Deus em oração, é quando sou verdadeiramente forte. Assim, Jesus diz, “Eu sei que você tem pouca força…” Uma igreja que sabe que sem Cristo não pode fazer nada é uma igreja forte — talvez a mais poderosa que pode ser neste mundo.

Ele diz, “Você guardou a minha palavra e não negou o meu nome.” Isso dá uma sensação da perseguição e da oposição que todas essas igrejas estavam enfrentando. Houve uma pressão constante. Talvez eles não estivessem enfrentando o mesmo nível de perseguição que Esmirna, nem talvez nem mesmo como Éfeso, mas estavam sob oposição e perseveraram, não desistiram, não renunciaram ao nome de Cristo. Eles se recusaram a ceder.

Ele diz, “Você guardou meu mandamento de perseverar com paciência…” Estamos em uma corrida que somos chamados a correr até o fim com grande perseverança. Devemos ser ousados em nosso testemunho, perseverar em um ambiente hostil. Jesus disse em Mateus 10 22, “Todos os homens os odiarão por causa de mim, mas aquele que permanecer firme até o fim será salvo.” O autor de Hebreus nos diz em Hebreus 12 1 que devemos “livrar-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve facilmente e… correr com perseverança a corrida que nos está proposta.” Esta fiel pequena igreja se recusou a abandonar a corrida, se recusou a desistir; eles guardaram sua palavra, seu mandamento de perseverança.

Agora chegamos ao versículo 8, “Eis que coloquei diante de você uma porta aberta que ninguém pode fechar.” Já discutimos o poder soberano de Jesus sobre as portas do Céu e da terra. Ele tem a chave de Davi, e o que ele abre, ninguém pode fechar. Ele diz “Eis que”, o que dá a ideia de que Ele está revelando algo que não ouvimos antes, “Vou te mostrar algo que você não percebeu, coloquei diante de você uma porta aberta. Estou te dando uma oportunidade, e ninguém pode fechá-la. Nem demônio, nem Satanás, podem fechá-la. Nem governante humano pode fechá-la.”

A que porta aberta Ele está se referindo? Poderia ser apenas a porta da salvação — o direito de entrar no Céu através de Cristo, que é a porta. Em Mateus 7 13-14, Ele disse, “Entrem pela porta estreita, porque larga é a porta e espaçoso o caminho que leva à perdição, e muitos entram por ele [vão para o inferno]. Mas estreita é a porta e apertado o caminho que leva à vida, e somente alguns o encontram.” Podemos ver como a porta aberta para o Céu.

Mas penso que aqui em Apocalipse, essa “porta aberta” vai além da salvação. É uma porta de oportunidade, de trabalho, para servir a Cristo, para fazer obras específicas que construirão seu reino. Paulo usa esse tipo de expressão em 1 Coríntios 16 8 a 9, “Ficarei em Éfeso até o Pentecostes, porque uma grande porta para o trabalho eficaz se abriu para mim, e há muitos que se opõem a mim.” Devemos pensar na porta aberta, antes de tudo, como oportunidades para a jornada externa de evangelismo e missões, para compartilhar Cristo. Essa porta está aberta em lugares escuros para brilhar a luz do Evangelho onde não brilhou antes.

A declaração de Paulo em 1 Coríntios 16 nos dá uma incrível visão da natureza da porta aberta. Paulo estava animado e motivado para ficar em Éfeso, porque, em primeiro lugar, Deus tinha aberto uma grande porta de trabalho eficaz para ele. E em segundo lugar, “Estou animado para ficar aqui porque” “há muitos que se opõem a mim.” Muitos inimigos se traduzem em ficar onde ele está…? Espere um minuto… isso não soa como uma porta aberta… Mas sim, é; aparentemente, a porta aberta e a oposição não são mutuamente exclusivas.

Então devemos perguntar novamente, o que é a porta aberta? Devemos pensar nisso, antes de tudo, em termos de corações humanos, os corações dos eleitos. Um dos que estavam em Filipos e ouviram o apóstolo Paulo pregar o evangelho foi uma mulher chamada Lídia. Ela era uma negociante de púrpura da cidade de Tiatira. Atos 16 14 nos diz, “O Senhor abriu o coração dela para responder à mensagem de Paulo.” Aí está sua porta aberta. São pessoas eleitas que estão ouvindo o evangelho e vindo à fé. Paulo pediu uma oração semelhante em Colossenses 4 de 3 a 4, “Orem também por nós, para que Deus nos abra uma porta para a nossa mensagem, a fim de que possamos proclamar o mistério de Cristo, pelo qual estou preso. Orem para que eu o manifeste claramente, como devo fazer.” A porta aberta é sobre a mensagem do Evangelho e a oportunidade e pessoas respondendo a ela. A oração de Paulo também reflete a necessidade de pedir audácia para avançar e atravessar aquela porta aberta.

A porta aberta representa a soberania de Deus sobre as circunstâncias e indicadores providenciais de que a igreja deve seguir nessa direção para evangelismo e missões, para que a palavra de Deus floresça ali. Quando Paulo e Silas não sabiam para onde ir a seguir e foram impedidos pelo Espírito Santo de ir para a Ásia Menor, tiveram uma visão de um homem da Macedônia dizendo, “Venha e nos ajude.” Isso parece uma porta aberta para mim. Todas as outras portas estavam fechadas. Eles não podiam ir a outro lugar, então tiveram que ir para a Macedônia.

Deixe-me dar alguns exemplos da história da igreja. Em 1949, Douglas MacArthur governava a reconstrução do Japão devastado pela guerra. Ele convocou urgentemente 1.000 missionários para virem e pregar Cristo lá — isso é uma questão de história registrada. Ele disse, “O Japão é um vácuo espiritual e se não o preenchermos com Cristo, será preenchido com comunismo.” Você pode pensar que era um prognóstico selvagem e especulativo, mas veja o que aconteceu na Coreia. Logo do outro lado de um estreito oceano do Japão, aquele país se tornou quase 100% comunista antes da Guerra da Coreia. Agora, é metade comunista. Então era uma grande ameaça. Qual era o remédio? De acordo com Douglas MacArthur, a pregação do evangelho de Cristo era a solução. Muitos trabalhadores cristãos de muitas denominações diferentes consideraram isso como uma porta aberta, “Se o potentado do Japão diz que precisamos de missionários, estou embarcando em um navio.” Muitos missionários batistas do sul foram para lá para reconstruir igrejas, pregar o Evangelho e fazer todo tipo de trabalho no Japão.

O pastor japonês com quem eu e Christi trabalhamos em um esforço de plantação de igrejas no Japão era um homem cristão piedoso de 82 anos chamado Kubo-sensei. Esse homem, o Sr. Kubo, havia servido no Exército Imperial Japonês e lutado contra os americanos e os britânicos nas ilhas e nas Filipinas. Ele contraiu malária, o que salvou sua vida e sua alma. Ele voltou para o Japão para ser curado e convalescer e estava lá quando a guerra acabou. Salvou sua alma porque sua unidade estava envolvida em uma batalha e as unidades japonesas geralmente lutavam até que não houvesse sobreviventes. Então ele teria lutado até morrer e não teria conhecido Cristo. Mas em 1950, missionários batistas do sul foram para Takamatsu e o levaram a Cristo. Foi uma porta aberta para ele, para eles virem trabalhar. Ele caminhou com o Senhor desde 1950. (Ele nunca falou uma palavra de inglês para mim. Tomava café da manhã com ele todas as quartas-feiras de manhã, e ficávamos ali em silêncio nas primeiras semanas até que eu pensasse, “Melhor eu começar a estudar japonês.”) Que grande porta aberta aquela foi.

Ao longo da história das missões, os cristãos têm atravessado portas abertas semelhantes de oportunidade para avançar a Igreja de Cristo. Novamente, como Paulo disse em primeira Coríntios 16, “Há uma grande porta aberta para o Evangelho em Éfeso e também grande oposição.” Uma vez que a porta aberta, por definição, significa que as pessoas estão vindo a Cristo, Satanás geralmente responde a esse evento mobilizando forças para perseguir e fechar aquela igreja, se possível. Podemos ver o ritmo de muito fruto levando a muita perseguição levando a muito fruto. Paulo chama isso de porta aberta.

Após a queda do Muro de Berlim em 1989, os países do Bloco Oriental foram abertos pela primeira vez em mais de uma geração para missionários. Trabalhadores cristãos inundaram aquela área, e o Evangelho se espalhou rapidamente. Muitos vieram à fé em Cristo. A reação agora está chegando, recentemente, especialmente na Rússia, houve mais repressão; está se tornando mais difícil para os evangélicos compartilharem o evangelho no Leste Europeu. Vemos abertura e vemos perseguição. Também estamos vendo a reação das atividades de grupos extremistas islâmicos como Al-Qaeda e ISIS criar uma porta aberta. Uma tremenda desafeição está se construindo nos corações de muitos muçulmanos nominais que expressam que se isso é o que é o islamismo ortodoxo, como ser um “bom muçulmano” parece, eles não querem fazer parte disso. Há um livro sobre esse tema chamado Deixando o Islã. Aqueles que estão saindo não necessariamente estão indo para o cristianismo, mas estão considerando opções, e missionários frequentemente estão lá para compartilhar o Evangelho. Há portas abertas em crises de refugiados onde missionários e outros estão servindo em comunidades de tendas para pessoas desconectadas de sua cultura de origem, separadas de sua religião e sociedade de origem, desesperadas e abertas para ouvir uma mensagem de esperança como nunca antes. Ore por portas abertas para a disseminação do evangelho.

No versículo 9, Jesus fala sobre a oposição que a igreja de Filadélfia estava enfrentando. Ele diz, “Farei que aqueles que são da sinagoga de Satanás, que se dizem judeus, embora não o sejam, mas são mentirosos — eu farei com que venham e caiam prostrados aos seus pés e reconheçam que eu os amei.” Esta é a segunda vez nestas sete cartas que Jesus fala da sinagoga de Satanás, significando pessoas que se dizem judeus, mas não são, primeiro à igreja em Esmirna e agora a esta igreja em Filadélfia.

Segundo Jesus, especialmente no Evangelho de João, os descendentes físicos de Abraão que se chamam judeus mas rejeitam Jesus como Messias não são verdadeiramente judeus. Essa é a atitude de Jesus. João 8 de 39 a 44 conta uma conversa entre Jesus e Seus inimigos. “‘Abraão é o nosso pai’, responderam eles. ‘Se vocês fossem filhos de Abraão’, disse Jesus, ‘fariam as obras de Abraão. Mas agora vocês estão procurando matar-me, a mim, um homem que lhes falou a verdade que ouviu de Deus.’ Eles protestaram, ‘Nosso pai é só Deus.’ Jesus lhes disse, ‘Se Deus fosse o pai de vocês, vocês me amariam, pois eu vim de Deus… Vocês pertencem ao pai de vocês, o Diabo, e querem realizar o desejo dele.’” É uma afirmação muito forte, mas é a avaliação de Jesus sobre judeus por descendência física que não O aceitam como Messias.

Paulo disse a mesma coisa no final de Romanos 2 28 a 29, “Pois não é judeu quem o é apenas exteriormente, nem é circuncisão a que é exterior e física. Pelo contrário, é judeu quem o é interiormente; e circuncisão é a do coração, pelo Espírito, e não pela letra da lei. A aprovação dele não provém dos homens, mas de Deus.”

Jesus diz claramente em Apocalipse, “Eles não são realmente judeus. Eles se dizem judeus, mas são uma sinagoga de Satanás. Mas farei com que venham a vocês, convertidos gentios a Cristo, para cair prostrados aos seus pés e reconhecer que eu os amei.” Essa imagem seria muito familiar a qualquer judeu cuidadoso, zeloso, que lê a Bíblia. Eles tinham em mente que isso aconteceria com o reinado messiânico sobre todos os reinos gentios. O Messias espalharia o reino de Davi e de Salomão até os confins da terra, e seus inimigos viriam lamber o pó de seus pés — uma imagem de conquista, de humilhação total dos inimigos. Diz em Isaías 49 23, “Prostrar-se-ão diante de você com o rosto em terra e lamberão o pó dos seus pés.” Isaías 60 14 diz, “Os filhos dos que o oprimiram virão e se prostrarão diante de você; todos os que o desprezaram se inclinarão aos seus pés e o chamarão a Cidade do Senhor, o Sião do Santo de Israel.”

Jesus está usando a mesma imagem. Ele está dizendo, “Na verdade, o jogo está virando. Os judeus incrédulos virão a vocês, crentes gentios em Cristo, e se prostrarão aos seus pés e reconhecerão que eu os amei.” É uma imagem de vindicação da perseguição que estavam sofrendo.

O versículo 10 é uma promessa de proteção contra o sofrimento, “Já que você guardou a minha ordem de perseverar, eu também o guardarei da hora da provação que está para vir sobre todo o mundo, para pôr à prova os que habitam na terra.” Jesus promete proteger esta igreja fiel na ou da hora da provação que estava no futuro, que viria sobre toda a terra. Esta é uma promessa fascinante e desafiadora. Deixe-me começar com uma abordagem simples, depois acrescentarei um pouco mais de complexidade. Jesus protegerá sua igreja, eles não falharão, seja qual for essa prova; eles suportarão e chegarão ao outro lado por causa de sua proteção soberana. Essa é a simples promessa dele.

O que é a hora de prova que virá sobre todo o mundo para testar os que vivem na terra? O Livro do Apocalipse retrata “a Grande Tribulação”, um terrível período de sete anos de sofrimento que virá logo antes da Segunda Vinda de Cristo. As palavras “guardarei você de” foram cuidadosamente analisadas. Alguns estudiosos acreditam que haverá um arrebatamento secreto no qual o Senhor virá como um ladrão à noite para resgatar Sua Igreja do mundo antes da Grande Tribulação. Isso pode muito bem ser. Outros veem mais como uma promessa de proteger seu povo no meio da Grande Tribulação, não fora ou longe dela — algo semelhante a Sadraque, Mesaque e Abednego, que tinham uma bolha ao redor deles quando foram jogados na fornalha ardente. A Igreja estará na prova, mas isso não os prejudicará, pelo menos em certa medida. Esses estudiosos veem Cristo dizendo, “Eu os guardarei através disso; farei um refúgio para vocês no meio disso.” A tradução exata para esta interpretação depende do grego, com o qual não vou te sobrecarregar. Basta dizer que eles serão protegidos de algo.

É possível que Ele esteja falando sobre a morte como a prova, “O homem está destinado a morrer uma vez, e depois disso enfrentar o julgamento.” Isaías 26 19 a 21 dá uma bela imagem disso, “Mas os seus mortos viverão, os seus cadáveres ressuscitarão; despertem e exultem, habitantes do pó! Pois o seu orvalho é orvalho de luz; a terra dará à luz os seus mortos. Vão, meu povo, entrem nos seus quartos e fechem as portas; escondam-se por um momento até que tenha passado a ira dele. Vejam! O Senhor sai do seu lugar para castigar os moradores da terra por suas iniquidades. A terra revelará os homicídios que nela foram cometidos; os corpos dos mortos serão expostos.” Isso se harmoniza bem com o que é retratado no Livro do Apocalipse. Não posso dizer se Apocalipse 3,10 está ou não ensinando o arrebatamento secreto, mas seria uma discussão interessante. Mas sabemos que Cristo faz doces promessas à Sua igreja fiel em Filadélfia, uma porta aberta, ministério frutífero, vindicação de seus amargos inimigos e proteção da prova avassaladora que varrerá toda a terra.

No versículo 11, Ele ordena-lhes, “Estou voltando em breve. Agarra-te ao que tens [ou segura-te bem], para que ninguém tire a tua coroa.” Primeiro, temos a promessa da Segunda Vinda. “Estou voltando em breve.” Essa palavra “breve” tem estado presente em todas as gerações de cristãos há 2.000 anos. Isso não deve nos preocupar, porque “para o Senhor, um dia é como mil anos, e mil anos como um dia” (Em segunda Pedro 3 8) E de acordo com o Salmo 90, a vida de um homem é como uma névoa que aparece e logo desaparece ao entardecer, ou como uma vigília que é rapidamente concluída. De qualquer forma, Ele está voltando em breve. No final deste livro, em Apocalipse 22 20, João diz, “Aquele que dá testemunho destas coisas diz, ‘Sim, eu estou voltando em breve’. Amém. Vem, Senhor Jesus.” João escreveu isso por volta do ano 90 depois de Cristo, dizendo, “Amém. Tu estás voltando em breve. Vem, Senhor Jesus.” Toda geração de cristãos teve um senso do retorno iminente de Jesus Cristo, como também devemos ter.

Em seguida, Ele diz, “Agarra-te ao que tens até que eu venha.” Isso é claramente um chamado à perseverança corajosa diante de grandes lutas. O que é que temos? Para começar, temos a doutrina. Devemos agarrar-nos à doutrina cristã, ao Evangelho. Judas escreve para instar seus companheiros cristãos “a lutar pela fé que foi de uma vez por todas confiada aos santos.” segunda Tessalonicenses 2 15 diz, “Assim, irmãos, mantenham-se firmes e apeguem-se às tradições que foram ensinadas por nós, quer de palavra, quer por carta.” “Apeguem-se a isso, irmãos e irmãs, agarrem-se ao que têm. Escrituras, a verdade do evangelho, fé, doutrina — agarrem-se.” Além disso, vamos agarrar-nos a Cristo. Hebreus 4 14 diz, “Portanto, visto que temos um grande sumo sacerdote que adentrou os céus, Jesus, o Filho de Deus, apeguemo-nos com toda a firmeza à fé que professamos.”

Talvez Ele também esteja dizendo, “Apeguem-se à vossa coroa.” A coroa pode possivelmente significar a coroa da vida eterna. Tiago 1 12 diz, “Bem-aventurado é o homem que persevera na provação; porque, depois de aprovado, receberá a coroa da vida, que o Senhor prometeu aos que o amam.” No final de uma vida difícil de lutar a boa luta, de correr uma maratona, terminar a corrida e manter a fé até o fim, “Apeguem-se firmemente e eu vos darei a coroa da vida.” Ou a coroa pode se referir a recompensas específicas por servir fielmente a Cristo. Paulo disse aos seus convertidos em Tessalônica, “Porque, qual é a nossa esperança, ou gozo, ou coroa de glória? Porventura, não o sois vós também, perante o nosso Senhor Jesus Cristo, na sua vinda? Porque vós sois a nossa glória e a nossa alegria.” — “Vós sois a nossa coroa.” Seja a coroa da vida eterna ou recompensas específicas, devemos segurar-nos firmemente.

Cristo promete uma coroa, um pilar e um nome. Olhem para os versículos 12 a 13, “Ao que vencer, fá-lo-ei coluna no templo do meu Deus, donde jamais sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, da parte do meu Deus, e também o meu novo nome. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.” Como em cada uma dessas sete cartas, os vencedores são recompensados. Aqueles que vencem, que lutam e vencem, que permanecem firmes até o fim, o fazem pelo poder do Espírito e pelo sangue do Cordeiro.

Quais eram as recompensas deles? Além da coroa implícita no versículo 11, Ele também diz, “Fá-lo-ei coluna no templo do meu Deus. Donde jamais sairá.” Lembrem-se de que eu disse que há uma obra que se torna mais gloriosa, maior, mais grandiosa, mais radiante a cada dia, com cada geração. Essa é a Igreja de Jesus Cristo. Aqui Ele está prometendo aos vencedores, aos que superam, “Vocês serão uma coluna nesse templo.” Uma coluna é um símbolo de estabilidade, permanência e segurança; ela carrega glória e honra nas intricadas e belas decorações em sua coroa. Essa coluna da qual Cristo fala é forte e bela em seu lugar privilegiado no eterno templo espiritual celestial de Deus, e os vencedores nunca a deixarão.

Em Isaías 56 de 3 a 5, Deus fala aos gentios, aos estrangeiros, às pessoas de outras nações que eventualmente viriam a Cristo, “Nem o estrangeiro que se houver chegado ao Senhor, fale, dizendo, O Senhor me separará do seu povo; nem tampouco o eunuco, direi, Eis que sou uma árvore seca. Porque assim diz o Senhor a respeito dos eunucos, que guardarem os meus sábados, e escolherem aquilo que me agrada, e abraçarem a minha aliança. Também lhes darei na minha casa e dentro dos meus muros um lugar e um nome, melhor do que o de filhos e filhas; um nome eterno darei a cada

um deles, que nunca se apagará.” Há uma maravilhosa consistência na palavra de Deus! Isaías 56 5 fala exatamente sobre o que Jesus está prometendo. Ele fará com que os crentes judeus e gentios em Cristo que superam e correm esta corrida com perseverança sejam colunas em Seu templo eterno, e nunca serão eliminados. Além disso, Ele transmite um sentido de total propriedade, “Escreverei o nome do meu Deus em você. Ele será o teu Deus e tu serás o seu povo. Escreverei o nome da Nova Jerusalém, a Noiva de Cristo, em você, e também o meu novo nome” — o nome de Jesus Cristo em si. Apocalipse 22 3 a 4 diz, “Já não haverá mais maldição. O trono de Deus e do Cordeiro estará na cidade, e os seus servos o servirão. Eles verão a sua face, e o seu nome estará nas suas testas.” Propriedade completa e indiscutível.

Primeiro, compreenda o significado do tempo. Não estou falando do monótono tic-tac tic-tac de um relógio marcando a passagem de segundos, minutos, horas, dias, semanas, meses, anos. Estou falando sobre oportunidade, sobre aproveitar o tempo. O que torna hoje especial? Você deveria se perguntar isso todos os dias. Este é o dia que o Senhor fez. Pergunte a Ele, “Que boas obras Você preparou para mim pessoalmente? Que porta aberta Você colocou diante de mim para que eu a atravesse? Que oportunidade hoje traz para eu te servir?”

Se você não é cristão, há apenas uma obra para você neste dia, acreditar em Jesus. Deus lhe deu a oportunidade de vir aqui hoje para ouvir o Evangelho. Deixe-me dizer claramente, Deus, que fez o Céu e a terra, é o governante de todas as nações. Ele estabeleceu leis justas pelas quais devemos viver nossas vidas, os Dez Mandamentos, os dois grandes mandamentos – amar a Deus com todo o seu coração e amar o seu próximo como a si mesmo. Todos os humanos violaram essas leis. Pecamos contra o Todo-Poderoso Deus. O salário do pecado é a morte, não apenas a morte física, mas também a eternidade no inferno. Não é mais do que merecemos.

Mas Deus, em Sua misericórdia e amor por nós, enviou Jesus, nascido de uma virgem, que viveu uma vida sem pecado e fez sinais, maravilhas e milagres que o estabeleceram como o Filho de Deus. Mais importante, Ele morreu uma morte substitutiva na cruz em nosso lugar. Nossa culpa foi colocada sobre Ele e Ele morreu. Sua justiça nos é dada como um presente, e vivemos mesmo no Dia do Juízo. Se você apenas se arrepender e confiar em Cristo, terá vida eterna. Isso é o Evangelho. Hoje é uma oportunidade para você atravessar a porta de Cristo para a salvação. Jesus disse em João 5 a 24, “…quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna e não será condenado; ele passou da morte para a vida.” Hoje você tem a oportunidade de passar para o outro lado. Em segunda  Coríntios 6 2, Deus está dizendo isso a você, “‘No tempo da minha boa vontade, eu te ouvi, e no dia da salvação eu te ajudei.’ Eu te digo, agora é o tempo da boa vontade de Deus, agora é o dia da salvação.” Ele também diz em Isaías 55 6, “Buscai o Senhor enquanto se pode achar; invocai-o enquanto está perto.”

Para vocês, cristãos, eu digo isso, Busquem uma porta aberta. Perguntem a Deus, “Onde você me colocou para que eu possa ser uma testemunha de Cristo? Que oportunidade única eu tenho para alcançar as pessoas específicas que encontrarei hoje? Que porta você colocou diante de mim para que eu a atravesse?” Onde quer que você esteja em sua vocação, você tem um campo missionário com seus colegas de trabalho, muitos dos quais não frequentam a igreja. Temos oportunidades todos os dias.

Pergunte o mesmo pela nossa igreja. Vivemos em um dos melhores lugares do mundo. As pessoas estão chegando de todo o mundo. Elas vêm morar aqui por causa das temperaturas amenas, oportunidades econômicas, inúmeras razões. Estamos entre as poucas igrejas que crêem na Bíblia, que pregam a Bíblia, que são evangelísticas, fervorosamente ativas nessa área. E nós, com nossas igrejas irmãs, somos chamados a alcançar as pessoas que estão chegando a essa área.

Ore por mais portas abertas. Ore para que as portas se abram nesses novos apartamentos e condomínios caros que estão surgindo ao nosso redor no centro das cidades. Aqueles que se mudarão para lá geralmente ganham mais dinheiro do que nós e geralmente não têm a mesma visão de mundo que temos. Ore por uma porta aberta, por uma chance de conhecer algumas dessas pessoas.

Pense nas partes desfavorecidas da comunidade, afro-americanos, latino-americanos, refugiados, imigrantes indocumentados. Essa é uma porta de oportunidade para nós compartilharmos o Evangelho. Pense em grupos de pessoas não alcançadas. Pense nas pessoas que estão chegando a esta área de todo o mundo – talvez você não consiga alcançá-las em seu país, mas elas estão aqui agora. Podemos alcançá-las com o Evangelho. Pergunte a Deus, “Coloque diante desta igreja uma porta aberta de oportunidade e deixe-nos atravessá-la.”

Pergunte a mesma coisa sobre missões. Continuemos a ser uma igreja com mentalidade missionária. Apoiem as equipes financeiramente, orem por elas, conheçam aqueles que estão indo. Contribuam financeiramente para as missões. Adotem espiritualmente grupos de pessoas não alcançadas e orem por elas – por pessoas no Norte da África, no Oriente Médio, em países muçulmanos – para que a porta do Evangelho se abra para elas. Amém!

Encerremos juntos em oração. Pai, agradecemos pela oportunidade que tivemos de examinar esta incrível carta à igreja em Filadélfia. Ajude-nos a levar a sério sua mensagem encorajadora e a sermos fortalecidos nas boas obras que você tem para nós fazer. Obrigado pelo Evangelho, por nosso Senhor Jesus que, a um custo infinito para Si mesmo, por Seu sangue, por Seu corpo, abriu uma porta, um caminho novo e vivo para nós no Céu. Pai, eu oro por aqueles que estão perdidos, que vieram aqui fora de Cristo, para que ouçam e levem ao coração o Evangelho. Ajude-nos como igreja a sermos fervorosamente ativos em espalhar o Evangelho, tanto no evangelismo quanto nas missões transculturais para Sua glória. Oramos em nome de Jesus. Amém.

Avatar de Diego Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diego Souza

Sou ministro na Igreja Holiness e amo escrever. Graduando em Letras pela UNIVESP, com Bacharel em Teologia pela UMESP e com pós em Novo Testamento pela EST, neste blog compartilho meus pensamentos sobre a vida cristã e o cotidiano, buscando conectar a fé com o dia a dia.