A Vida de Abraão

A Vida de Abraão

Estudo Bíblico do Personagem Abraão

Introdução:

Neste texto abordaremos a história de Abraão, figura significativa da Bíblia, para ilustrar importantes lições de fé, obediência e sacrifício. Também refletiremos sobre as dificuldades e desafios que ele enfrentou em sua jornada e como suas escolhas e ações influenciaram o curso de sua vida e a de seus descendentes. Ao final, instigaremos o leitor a refletir sobre sua própria vida e como essas lições podem ser aplicadas no seu cotidiano.

Significado do nome:

Abrão significa “pai exaltado”. Abraão significa “pai de um grande número”.

Ancestralidade e vida familiar:

Abraão foi a décima geração de Noé. Ele era descendente de Sem e seu pai era Terá. Abrão tinha dois irmãos e casou-se com sua meia-irmã, Sarai. De Josué 24:2, sabemos que o pai e o avô de Abraão adoravam falsos deuses. Abraão era bastante rico e tinha muitos servos. Abraão é o ancestral dos hebreus, árabes, edomitas e muitas outras tribos como os midianitas.

Rota de Tera (pai de Abraão) e sua família de Ur até Harã. Imagem do Software Bíblico Logos.

Quando e onde viveu:

Originalmente, Abraão era de Ur dos Caldeus. Foi aqui que Deus originalmente chamou Abrão (Atos 7:2-3). Este era um próspero e avançado centro pagão do sul da Mesopotâmia (354 km SE de Bagdá). Sua “idade de ouro” foi durante o tempo de Abraão. Um grande zigurate foi construído ali, que Abraão provavelmente teria visto.

ZIGURATE DE UR. Por Hardnfast, CC BY 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=3544015

No caminho para Canaã (também um centro de idolatria), Abraão e sua família pararam em Harã por um tempo. Finalmente, eles chegaram a Canaã, onde Abraão permaneceu o resto de sua vida. O percurso de Ur a Canaã foi de cerca de 2400 km.

Abraão emigra para Canaã – Imagem do Software Bíblico Logos

Formação e Ocupação:

Alguns estudiosos acreditam que Abraão era um comerciante. Ele evidentemente tinha uma grande riqueza. Ele provavelmente estava familiarizado com o pastoreio, já que tinha muitos rebanhos e rebanhos (13:2). Pelo relato bíblico, parece que Abraão é sábio e bem educado.

Lugar na história:

Abraão detém uma posição de extrema importância na história, sendo ancestral direto de um grande número de indivíduos e grupos ao redor do mundo. De forma mais significativa e em um sentido bastante real, ele é considerado o pai espiritual de todos os crentes, conforme mencionado em João 8:39-40 e também em Romanos 4:13-25.

Sua história surge nos dias em que a humanidade, em sua rebelião e pecado, não se arrependeu, mesmo após Deus enviar o dilúvio, espalhar as nações e confundir suas línguas. Diante desta persistente desobediência, Deus decidiu escolher um homem, uma família e uma nação distinta, dedicando a maior parte de Sua atenção a essa nação desde então, até a morte de Cristo.

Foi com Abraão que Deus estabeleceu Sua aliança, um aspecto que pode ser considerado o mais crucial e a principal razão para este convênio, conforme se pode ver em Gênesis 12:3 e 18:19. Abraão é mais do que uma figura do Antigo Testamento, pois ele é citado sessenta e sete vezes no Novo Testamento. Muitas dessas citações utilizam Abraão como um exemplo de fé e reforçam a ideia de que Deus justifica não por meio das obras, mas através da fé. Portanto, Abraão é um exemplo de fé para todos os crentes.

Pontos Fracos:

Tendência à Enganação (12:12-20, 20) – Abraão, em duas ocasiões, foi desonesto a respeito de sua esposa, Sara. Ele afirmou que ela era sua irmã para minimizar a chance de ser morto. Isso não era verdade. Ambas as falsidades refletiam uma aparente falta de consideração por sua esposa. Nestes incidentes, Abraão estava disposto a se colocar em risco para se proteger, falhando em proteger sua esposa como deveria.

Fé Oscilante – Abraão apresentou momentos de dúvida quanto à promessa de Deus de lhe conceder um filho através de Sara. Ele foi facilmente persuadido a agir de forma contrária à vontade divina, tomando Agar como esposa (16). Influenciado pelo conselho de Sara, Abraão decidiu agir por conta própria e “auxiliar a Deus”. O resultado deste ato foi devastador e suas consequências perduram até os dias atuais. O conflito no Oriente Médio pode ser atribuído a este erro.

Pontos fortes:

(Hb 11:8-12, Gn 12:1-4) – A fé foi a qualidade mais notável de Abraão. Apesar de ter falhado em alguns momentos, ele frequentemente demonstrou uma fé inabalável. Há vários exemplos em sua vida que ilustram sua intensa fé. Ele deixou sua casa sem saber qual seria o destino final. Escolheu a terra que sobrou, permitindo que Ló escolhesse a melhor parte, apesar de ser o mais velho e ter o direito de escolher primeiro. Abraão confiou na promessa de Deus de que teria um filho em sua velhice. Mesmo passando por momentos de incerteza, a fé no impossível predominou em sua vida. Ele estava disposto a sacrificar seu filho Isaque, acreditando que Deus o ressuscitaria dos mortos.

Altruísmo (Gn 13:9) – Abraão demonstrou altruísmo de maneira exemplar. Mesmo sendo mais velho que Ló e tendo a prerrogativa de escolher a terra em que se estabeleceria, ele deu a Ló a primeira escolha. Com esse ato altruísta, a vontade de Deus foi cumprida e Abraão foi para Canaã, onde Deus o multiplicou grandemente. Posteriormente, Abraão arriscou sua própria vida para salvar Ló. Em contraponto ao senso comum de “olhar para o número um”, Abraão renunciou a seus “direitos” pelo bem-estar dos outros.

Adoração – Abraão constantemente construiu altares para Deus, rendendo-lhe glória e louvor. Este gesto demonstra sua dependência de Deus em todos os aspectos de sua vida.

Dízimo (Gn 14:20, Hb 7:4, Ml 3:7-12, 1Jo 3:17) – Abraão honrou a Deus com suas riquezas. Ele não era apegado ao dinheiro e recusou-se a aceitar despojos ou dinheiro do rei de Sodoma. Preferiu dar 10% a Melquisedeque. Como resultado, Deus abençoou Abraão e multiplicou ainda mais seus bens.

Hospitalidade (Gn 18) – Abraão era extremamente hospitaleiro com estranhos. Ele convidou três homens para comerem e preparou um bezerro para eles.

Oração (Gn 18, 20:17) – Abraão orou intensamente a Deus pelos habitantes de Sodoma e Gomorra. A maioria deles eram pessoas desconhecidas para ele. No entanto, sua oração revelou um coração cheio de amor e compaixão por todas as pessoas. Ele não só cuidava deles, mas também era fervoroso na defesa da honra e justiça de Deus. Ele se posicionou corajosamente como intercessor. Devemos aprender com ele a orar pelos outros com a mesma coragem e intensidade.

Atos e eventos importantes:

  1. Deixou seu país natal e migrou para Canaã.
  2. Proporcionou a Ló a oportunidade de escolher a melhor porção da terra.
  3. Interveio para salvar Ló e o Rei de Sodoma.
  4. Encontrou-se com Melquisedeque.
  5. Casou-se com Agar e gerou Ismael.
  6. A aliança de Deus foi renovada com ele e ele passou pelo ritual da circuncisão.
  7. Implorou a Deus para poupar Sodoma e Gomorra.
  8. Obedeceu à ordem de Deus de sacrificar seu filho Isaque, mas Deus interveio e poupou a vida do menino.

Como morreu:

Morreu depois de uma vida longa e gratificante aos 175 anos (Gn 25:7).

Lições da vida de Abraão:

1. Saiu da zona de conforto.

Todos nós devemos estar prontos para sair da nossa “zona de conforto” para seguir a Deus. Abraão, por exemplo, deixou seu país, seus amigos e muitos de seus parentes para atender ao chamado de Deus. Quando Deus pediu a Abraão para ir, Ele não disse de imediato para onde. Em vez disso, Ele instruiu Abraão a ir “para a terra que eu vou te mostrar”. Assim, Abraão foi instruído a começar uma jornada para um lugar que ainda era desconhecido para ele. A parte mais importante do comando de Deus era ir, começar a se mover. Uma vez que Abraão estava em movimento, seria mais fácil para ele mudar de direção. Por outro lado, um objeto parado não pode mudar de direção. Naquela época, viajar não era tão simples quanto é hoje. A jornada final foi de quase dois mil e quinhentos quilômetros. Havia muitas incertezas ao longo do caminho. Foi um mundo muito mais perigoso do que o atual, onde a lei não estava estabelecida. Mas Abraão foi obediente. E por causa de sua obediência, o mundo mudou para sempre.

Aplicação:

Deus pode nos chamar para sair de nossa zona de conforto para segui-lo. Isso pode assumir várias formas. Ele pode pedir que você deixe sua família e seu país para servi-lo. Ele pode pedir que você deixe seu emprego. Ele pode orientar você a compartilhar o evangelho com alguém, mesmo que isso te deixe nervoso. Ele pode pedir que você faça amizade com outro crente ou não crente, e por isso, passe menos tempo com seu próprio círculo de amigos.

Você está pronto para fazer sacrifícios, aventurar-se no desconhecido, ter total fé em Deus e obedecer ao Seu chamado? Começa com as coisas pequenas (Lucas 16:10) e, conforme você obedece, Ele lhe dará responsabilidades mais importantes. Qual você acha que é uma área em que Deus está chamando você para confiar Nele e sair de sua zona de conforto?

2. Descobriu que tempo de Deus é sempre o melhor tempo.

Deus não é um Deus vingativo, pronto para nos destruir assim que cometemos um erro. Abraão cometeu um grave erro ao decidir ter um filho com Agar. Embora ele tivesse a intenção de “ajudar” a Deus, deveria ter percebido que Deus não precisa de ajuda. Foi um erro sair do plano divino para o casamento para atingir seus próprios objetivos, em vez de confiar e esperar pelo tempo de Deus. O pecado de Abraão causou complicações em seu casamento e família. Esses problemas ainda são visíveis no mundo atual, especialmente em muitos dos conflitos no Oriente Médio.

E, mesmo quando Abraão errou, Deus olhou para ele e manteve Sua promessa. Deus não desistiu da Sua promessa. Pelo contrário, Ele perdoou e restaurou Abraão.

Aplicação:

Deus é compassivo. Quando cometemos pecados, Ele não nos rejeita. Ao contrário, Ele nos espera de braços abertos, pronto para nos acolher de volta e nos purificar de nossos pecados.

3. Foi generoso para com os outros

Abraão não escolheu o melhor para si, mas permitiu que os outros decidissem primeiro. Há muito a aprender com essa atitude. Nós somos o tipo de pessoas que sempre querem ser as primeiras a escolher, ou preferimos dar a outros a prioridade e cuidar dos seus interesses? Abraão deu a Ló a primeira escolha de terra, apesar de ter direito de escolher primeiro. Esta não foi uma decisão pequena, como permitir que um amigo escolha a primeira sobremesa. Isso afetou onde eles viveriam e fariam negócios, a terra que possuiriam e quem seriam seus amigos.

E, ainda assim, muitas vezes discutimos e temos más intenções, mesmo sobre coisas simples. Em que áreas específicas você pode mostrar um coração generoso para com os outros e permitir que eles escolham? (Por exemplo, permita que sua família escolha o restaurante ou o seriado de TV. Ofereça-se para lavar a louça, levar o lixo, lavar a roupa, etc.)

A questão é que devemos nos preocupar mais com o bem-estar dos outros do que com o nosso. O melhor disso é que quando nos preocupamos com os outros, Deus se preocupa conosco e multiplica nossa alegria e bênçãos ainda mais.

Ló, por outro lado, olhou para a terra e pegou o que pensou ser o melhor. No entanto, em seu egoísmo, acabou fazendo a escolha errada. Ele expôs sua família a influências negativas. Ele mesmo estava claramente descontente com algumas das práticas da cidade que escolheu para viver. Contudo, a exposição diária a essas tentações acabou afetando sua família. No final, alguns de seus filhos foram mortos, sua esposa foi transformada em pedra, suas filhas perderam a inocência e ele mesmo cometeu abominações.

Em contraste, Abraão foi abençoado e, no final, seus descendentes receberam a Terra Prometida.

Aplicação:

Quando uma pessoa escolhe o melhor para si, provavelmente está perdendo o melhor que Deus tem para oferecer.

4. Deu dízimos e ofertas

Abraão entregou seu dízimo e ofertas para Melquisedeque, e através dele, aprendemos que deveríamos fazer o mesmo para Deus. A Bíblia, em vários livros como Hebreus 7:4, Malaquias 3:7-12, 1 João 3:17, insiste nisso. Nossa riqueza não é realmente nossa, mas de Deus. Dar a Deus é um ato de fé, acreditando que ele cuidará de nós e do nosso futuro, mesmo que doemos parte do nosso dinheiro.

No entanto, se focarmos apenas em nós mesmos e colocarmos Deus em segundo plano, podemos descobrir que ele não está conosco. Um exemplo disso pode ser visto em Ageu. Quando as pessoas se recusaram a construir o templo de Deus e preferiram reformar suas casas com luxos, Deus destruiu o que tinham ganhado.

Quando somos generosos, Deus nos recompensa. Isso pode vir na forma de bênçãos financeiras. Afinal, Deus pode dar mais a quem tem sido fiel com o que já tem. Mas as recompensas nem sempre são financeiras. Elas podem ser de outros tipos também. E se você está dando apenas para receber uma recompensa monetária de Deus, lembre-se, Ele conhece seu coração!

Quando Abraão ofertou a Deus, Deus lhe disse em Gênesis 15:1: “Não tenha medo, Abrão, pois eu serei seu escudo, e sua recompensa será muito grande”.

5. Não tente ajudar Deus

É imprescindível que façamos as coisas à maneira de Deus, ao invés de seguirmos nosso próprio caminho. Quando nos falta fé e decidimos nos apoiar em nosso próprio entendimento, acabamos por complicar as coisas e criar confusões. As consequências do pecado de Abraão ainda se manifestam hoje em dia. Por isso, é importante não tentar elaborar um plano melhor do que o que está escrito na Bíblia. Não devemos tentar “ajudar a Deus”, devemos agir segundo a Sua vontade.

Você tem algum exemplo de uma situação em que tentou fazer algo à sua maneira, em vez de seguir a direção de Deus? Qual foi o resultado disso? Ficaríamos gratos se você compartilhasse sua experiência nos comentários abaixo.

6. Confie sempre em Deus.

Devemos sempre ter fé em Deus e nunca duvidar Dele. Poderia ter sido fácil para Abraão questionar quando Deus ordenou que sacrificasse Isaque. No entanto, Abraão tinha uma fé tão inabalável no caráter de Deus que tinha certeza de que o Senhor não o desviaria do caminho certo.

Assim como Abraão, Deus nunca nos levará por um caminho errado. Haverá muitas ocasiões em que não conseguiremos compreender completamente o plano de Deus. É semelhante a tentar resolver um quebra-cabeça vendo apenas uma peça. Essa única peça, sozinha, pode não parecer muito significativa. Não conseguimos discernir o que é. Porém, quando todo o quebra-cabeça estiver completo, o significado de cada peça será revelado, e se houver uma única peça ausente, deixará um buraco evidente.

Mesmo que não saibamos por que Deus nos orienta a agir de certa maneira, ou mesmo que não saibamos onde isso poderá nos levar, devemos prosseguir com fé. Ele nos guia passo a passo. Isso implica que, mesmo que Ele não nos revele o que devemos fazer daqui a dez anos, Ele nos conduzirá ao que precisamos fazer hoje.

Aplicação:

Que lição você aprendeu com Abraão que você acredita que deveria aplicar em sua própria vida? Você poderia compartilhar um exemplo específico de como pretende aplicar esse princípio nesta semana? Deixe um comentário abaixo e compartilhe sua experiência conosco.

Conclusão

A história de Abraão nos mostra a relevância de depositar nossa confiança em Deus e seguir Seus desígnios, mesmo quando não os compreendemos por inteiro. Seu exemplo evidencia que a fé e a obediência podem trazer enormes bênçãos, mesmo diante de adversidades e incertezas no percurso.

A lição que tiramos é que, ao optar por nossos próprios planos em detrimento dos planos de Deus, podemos enfrentar consequências devastadoras. Por outro lado, a obediência e a fé em Deus, mesmo em tempos de incertezas, podem nos conduzir a bênçãos inestimáveis.


Referências: Software Bíblico Logos e Software MySword

Organizado por Diego Gonçalves

Inspire-se com outros devocionais e reflexões no meu site.

Gostou deste estudo? Então compartilhe com seus amigos e familiares para que eles também possam aprender mais sobre o assunto. E não se esqueça de se inscrever em nossas redes sociais para receber mais conteúdo como este. Até mais!

Avatar de Diego Souza

Uma resposta para “A Vida de Abraão”

  1. […] 💡Leia a biografia deste incrível personagem bíblico clicando aqui. […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diego Souza

Sou ministro na Igreja Holiness e amo escrever. Graduando em Letras pela UNIVESP, com Bacharel em Teologia pela UMESP e com pós em Novo Testamento pela EST, neste blog compartilho meus pensamentos sobre a vida cristã e o cotidiano, buscando conectar a fé com o dia a dia.