Eusébio de Cesareia: o “pai da História da Igreja”

Eusébio de Cesareia: o “pai da História da Igreja”
  • Para conhecer outras personalidades cristãs, clique aqui.

Conhecido como o Pai da História da Igreja, Eusébio criou extensos relatos dos primeiros três séculos do Cristianismo. Ele preservou uma riqueza de documentação antiga que teria se perdido. A pesquisa exaustiva de Eusébio e sua preocupação meticulosa em identificar fontes originais eram praticamente sem precedentes entre os historiadores antigos. Sem o trabalho de Eusébio, nosso conhecimento dos primeiros dias do Cristianismo seria extremamente limitado, incluindo o da perseguição da igreja e o reinado de Constantino.

Fatos rápidos: Eusébio de Cesareia

  • Também chamado de: Eusebius Pamphili (“Eusébio amigo de Pânfilo”)
  • Conhecido por: Um historiador talentoso, bem como o Bispo de Cesareia, Eusébio criou, catalogou e preservou relatos históricos e documentação dos primeiros três séculos do cristianismo.
  • Nascimento: A data exata do seu nascimento é desconhecida; provavelmente na Palestina por volta de 260 d.C.
  • Morte: 339 ou 340 d.C.
  • Obras publicadas: Historia Ecclesiastica (História da Igreja), Crônica, Vida de Constantino, Preparação do Evangelho
  • Citação notável: “Sinto-me inadequado para fazer justiça [à história da igreja] como o primeiro a empreender tal empreitada, um viajante em um caminho solitário e não percorrido. Mas oro para que Deus me guie e o poder do Senhor me ajude, pois não encontrei nem mesmo as pegadas de quaisquer predecessores nesse caminho, apenas vestígios nos quais alguns deixaram diversos relatos dos tempos em que viveram.”

Primeiros anos

Ao contrário das antigas histórias que ele preservou tão bem, o registro da própria vida de Eusébio foi em grande parte perdido. Seus pais são totalmente desconhecidos e pouco se sabe sobre sua juventude. Eusébio quase certamente nasceu na Palestina por volta de 260 d.C. e passou a maior parte de sua vida lá.

Como um jovem, Eusébio ajudou e estudou sob a orientação do conhecido professor cristão Pânfilo, Bispo de Cesareia, que mais tarde se tornou o amigo mais próximo de Eusébio. Eusébio foi batizado em Cesareia e serviu como presbítero, ou ancião, sob a liderança de Pânfilo.

Eusébio também conheceu o presbítero Dorotheus em Antioquia e provavelmente recebeu instruções iniciais dele também. No entanto, Eusébio seguiu Pânfilo mais de perto. (Tamanha era sua afeição por seu mentor que, após a morte de Pânfilo como mártir, Eusébio assumiu o nome de Eusébio Pânfilo, que significa “amigo de Pânfilo”.)

Como Bispo de Cesareia, Pânfilo foi o principal estudioso da Bíblia e professor de sua geração, além de ser um devoto discípulo do brilhante teólogo Orígenes. Antes de Orígenes falecer, ele deixou sua biblioteca pessoal para a comunidade cristã em Cesareia. Pânfilo transformou essa biblioteca em Cesareia em uma das maiores coleções cristãs do mundo antigo. Com a influência do principal erudito do cristianismo, Cesareia se tornou o epicentro do aprendizado cristão e um alvo primário da perseguição romana.

A Grande Perseguição

Em D.C. 303, o Imperador Romano Diocleciano iniciou uma perseguição cruel aos cristãos no Império Romano. Eusébio escreveu como testemunha ocular da terrível opressão:

“Vimos com nossos próprios olhos as casas de oração sendo derrubadas até os alicerces, e as Sagradas Escrituras divinas sendo queimadas nas praças, e os pastores das igrejas covardemente escondidos aqui e ali, e alguns deles capturados de forma ignominiosa e zombados por seus inimigos.”

No final do que foi chamado de Grande Perseguição, Pânfilo foi jogado na prisão e finalmente martirizado em D.C. 310. Durante esse período, Eusébio viajou para o Egito, onde ele também foi preso por um curto período de tempo, mas conseguiu escapar do destino de seu mentor.

Eusébio, Bispo de Cesareia

Pouco depois do término da Grande Perseguição, por volta do momento da conversão de Constantino e do Édito de Milão, Eusébio foi eleito Bispo de Cesareia (por volta do ano 315 d.C.), onde serviu por muitos anos até sua morte. Eusébio continuou seu trabalho de registrar a história da igreja, que havia começado durante o período de perseguição.

Embora não seja contado entre os teólogos mais talentosos da história, Eusébio provavelmente foi o historiador eclesiástico mais educado e capaz de sua geração. Com certeza, ele se valeu dos abundantes recursos da biblioteca da igreja em Cesareia.

Escrevendo a História da Igreja

A maior contribuição de Eusébio é Historia Ecclesiastica (História da Igreja), uma extensa história da Igreja Cristã desde o tempo dos apóstolos até cerca de 323 d.C., logo antes do Concílio de Niceia. A obra foi originalmente escrita em grego, embora versões em latim, armênio e siríaco também tenham sido preservadas. Outra de suas obras históricas, Chronicle, contém uma vasta história relacionada aos antigos domínios do mundo desde o tempo de Abraão até Constantino.

Além da história da igreja, mais de 40 obras escritas por Eusébio abrangem os temas de teologia, exegese, apologética, crítica do Evangelho, geografia bíblica, cronologia e martirológio. O tema favorito de Eusébio focava nas histórias dos primeiros mártires cristãos, como visto em Mártires Palestinos, que abordava a perseguição aos cristãos do século IV no Oriente.

Durante o tempo em que Pânfilo estava preso, Eusébio o visitou frequentemente e juntos escreveram cinco volumes de Uma Defesa de Orígenes.

Provavelmente a segunda obra mais famosa, ou talvez infame, de Eusébio foi sua Vida de Constantino, uma biografia adoradora do líder político. Embora Eusébio tenha sido fortemente criticado ao longo dos séculos por seu apoio a Constantino, a posição do historiador faz sentido razoável. Após testemunhar e sobreviver a uma perseguição horrível, Eusébio ingenuamente pensou que a conversão de Constantino ao cristianismo fortaleceria a igreja e acabaria com o terror. Eusébio conquistou a confiança de Constantino e, assim, se tornou o cronista de sua história familiar.

Embora suas melhores obras fossem do gênero histórico, Eusébio também se destacou como apologista. Seus escritos frequentemente lidavam com problemas no texto bíblico e defendiam a verdade do cristianismo. Em Preparação do Evangelho, uma de suas principais obras apologéticas, ele citou as palavras de autores gregos para refutar o paganismo. Em Prova do Evangelho, ele examinou como Cristo como Messias cumpriu as profecias do Antigo Testamento e como o cristianismo continuou a fé dos primeiros patriarcas judeus.

Controvérsias de sua Época

O legado de Eusébio para a igreja estendeu-se além do registro histórico. Ele desempenhou um papel importante nas controvérsias teológicas e políticas eclesiásticas de sua época. Como principal conselheiro espiritual de Constantino, Eusébio ajudou a formar a compreensão ortodoxa da relação entre igreja e estado, um vínculo intimamente entrelaçado que se tornou o conceito constantiniano de um império cristão.

Eusébio foi influente na busca de um compromisso no Concílio de Niceia, em 325 d.C., mediando o debate entre os arianos e a posição ortodoxa em relação à natureza de Cristo. Nesse debate cristológico inicial, os arianos viam Jesus Cristo como semelhante a Deus Pai, mas não da mesma substância que Deus Pai. Líderes da igreja se opuseram ao arianismo porque ele negava a plena divindade de Jesus Cristo. Antes do Concílio de Niceia, a igreja havia excomungado temporariamente Eusébio devido ao seu apoio à cristologia ariana. Mas no Concílio de Niceia, Eusébio adotou uma posição intermediária na controvérsia ariana e afirmou o credo do concílio.

Eusébio permaneceu ativo nos concílios da igreja até sua morte. Em 335 d.C., Eusébio participou do sínodo de Tiro, no qual Atanásio, Bispo de Alexandria, foi excomungado por uma variedade de acusações falsas relacionadas à controvérsia ariana e sua defesa do trinitarianismo. Constantino posteriormente retirou muitas das acusações, mas Atanásio nunca foi totalmente absolvido. Eusébio também participou dos concílios que depuseram Marcelo de Ancira em 336 d.C. e Eustácio de Antioquia em 337 d.C.

Eusébio recusou uma promoção para se tornar Bispo de Antioquia e permaneceu em Cesareia até sua morte no final de 339 d.C. ou início de 340 d.C.

Fontes

  • “Eusébio de Cesareia.” Série Patrística. Editora Paulus.
  • “Eusébio de Cesareia.” História Eclesiástica. Fonte Editorial.
  • “Eusébio de Cesareia.” Dicionário Bíblico Lexham.
Avatar de Diego Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diego Souza

Sou ministro na Igreja Holiness e amo escrever. Graduando em Letras pela UNIVESP, com Bacharel em Teologia pela UMESP e com pós em Novo Testamento pela EST, neste blog compartilho meus pensamentos sobre a vida cristã e o cotidiano, buscando conectar a fé com o dia a dia.