Is 43:2 – Reflexão: A doença de Tiaguinho e a teologia da cruz

Na terceira temporada de The Chosen, o personagem de Tiaguinho, interpretado por Jordan Ross, tem um encontro a sós com Jesus. Neste encontro, Tiaguinho questionará Jesus sobre sua deficiência física.

Antes de continuar, vale ressaltar que em nenhum lugar no Novo Testamento nos é dito que algum discípulo de Jesus era deficiente. Portanto, esta história é de licença poética do Autor Dallas Jenkins e não tem qualquer base bíblica. Mas sua lição é válida e merece ser analisada.

Assista o vídeo abaixo para ver a conversa de Jesus e Tiaguinho de The Chosen.

Por trás da história!!!

Por que Tiaguinho Tem Uma Deficiência em The Chosen?

Tiaguinho é retratado com uma deficiência física em The Chosen, que o próprio ator possuí — Escoliose grave e paralisia cerebral leve.

Em uma entrevista recente para o portal Deadline, Jordan Ross -ator que interpreta Thiaguinho- fala sobre sua deficiência e como isso afetou sua carreira como ator.

Tenho escoliose grave e paralisia cerebral leve. Devido às minhas condições, manco bastante perceptívelmente, tenho uma flexibilidade muito limitada no tronco e nas pernas e sou muito mais baixo do que a média das pessoas [1.64cm].

Desnecessário dizer que minhas diferenças físicas impactaram negativamente minhas oportunidades como ator. Diretores de elenco já me disseram para ‘parar de mancar’ e até fui cortado dos projetos porque meu manco era muito perceptível.

Quando Jordan Ross participou da audição para The Chosen, que inicialmente era para os papeis de Mateus e André, Dallas Jenkins não percebeu que Jordan mancava. Ele só foi perceber que o ator andava diferente no primeiro dia de gravação da 1ª Temporada.

Ao invés de trocar o ator ou esconder o jeito de andar de Jordan com ângulos de câmera criativos, Dallas o manteve. E alguns meses após a finalização da 1ª Temporada, enquanto escrevia os roteiros da próxima temporada, Dallas perguntou para Ross se poderia tornar sua deficiência parte do personagem de Tiaguinho na 2ª Temporada.

Isso chocou Jordan inicialmente, porque o colocaria em uma situação vulnerável. Contudo, Jordan começou a carreira de ator justamente por amar se permitir ser vulnerável. E qual a melhor forma de se fazer vulnerável do que revelar sua maior insegurança ao mundo. Ele concordou com a ideia.

Tiaguinho em uma cena da 2ª Temporada | Imagem: The Chosen

Na entrevista ao Deadline.com, Dallas disse:

Quando Jordan fez o teste de audição, ele fez um trabalho muito bom e era a pessoa certa para o papel. Sua deficiência é um fator — não pode ser escondida, então apenas nos apoiamos nisso. Não apenas pensei que sua deficiência não prejudicaria o papel, mas abriria algumas possibilidades interessantes para nós. Aceitamos desafios e os transformamos em algo emocionante.

*O trecho acima foi extraído do blog: [The Chosen Brasil](Sabia que Tiaguinho tem uma Deficiência em The Chosen? | Medium)

Tiaguinho e Jesus na 3ª temporada de The Chosen

Ao longo da série, Tiaguinho é retratado como um homem de fé e de grande coração. Ele é um dos discípulos mais próximos de Jesus e um fiel seguidor de seu ministério. No entanto, sua deficiência física é uma fonte de sofrimento e dúvida para ele.

No encontro com Jesus, Tiaguinho expressará seu desejo de ser curado. Ele acredita que, se Jesus o curasse, sua vida seria mais fácil e ele seria mais útil para o ministério.

Jesus, por sua vez, responderá a Tiaguinho de uma forma inesperada. Ele dirá que não irá curá-lo, mas que Tiaguinho tem um papel importante a desempenhar no Reino de Deus, mesmo com sua deficiência.

O que me chamou a atenção é que esta resposta do Jesus de The Chosen levanta uma série de questões teológicas importantes. Por que Deus permite que os seus filhos sofram? Qual é o propósito da dor? E como os cristãos podem lidar com o sofrimento?

Em primeiro lugar, a resposta de Jesus a Tiaguinho sugere que a dor pode ter um propósito redentor. Ela pode nos aproximar de Deus, nos ensinar sobre o seu amor e nos preparar para a vida eterna.

Esta é uma perspectiva que é compartilhada por muitos teólogos cristãos. Eles argumentam que a dor é uma parte da experiência humana e que ela não é necessariamente um castigo de Deus. Na verdade, a dor pode ser uma oportunidade para o crescimento espiritual.

Neste sentido, Elizabeth Elliot em seu livro “O Sofrimento nunca é em vão” nos ensina uma preciosa lição. Ela diz:

Ninguém participa das alegrias de Deus sem antes de participar do sofrimentos do seu Filho.

Elizabeth Elliot

Ao nos colocarmos no lugar de Tiaguinho, podemos começar a entender o que significa sofrer por causa de nossa fé. Podemos também começar a ver como a dor pode nos moldar em pessoas mais compassivas e piedosas.

O sofrimento como um caminho para a santidade

Apoiado nas palavras de Elliot que diz: “A cruz é o portão de entrada da alegria!” a teologia da cruz é tal perspectiva teológica que enfatiza a importância do sofrimento na vida cristã. Ela é baseada na crença de que Jesus sofreu e morreu na cruz para nos salvar do pecado e da morte.

A teologia da cruz sugere que o sofrimento é uma parte inevitável da vida cristã. No entanto, ela também afirma que o sofrimento pode nos levar à santidade.

Para Elliot, existem dois grandes tipos de sofrimentos:

Ter o que você não deseja ou desejar o que você não tem.

Elizabeth Elliot

Neste sentido, quando sofremos, somos confrontados com a nossa própria fragilidade e com a nossa dependência de Deus. Isso nos leva a um maior arrependimento e a uma maior dependência de Deus.

O sofrimento também pode nos tornar mais compassivos e sensíveis às necessidades dos outros. Quando vemos o sofrimento dos outros, somos lembrados do nosso próprio sofrimento e nos sentimos mais motivados a ajudar.

O Exemplo de C. S. Lewis

Há uma história muito interessante envolvendo C.S. Lewis, que é amplamente conhecido por sua reflexão teológica e sua obra “O Problema da Dor” é uma exploração profunda desse tema. No entanto, quando solicitaram que ele escrevesse esse livro, ele pediu permissão para permanecer anônimo, o que foi negado devido às políticas editoriais da época.

A razão por trás desse pedido de anonimato foi a compreensão de Lewis de que suas opiniões sobre a dor eram tão ousadas e desafiadoras que poderiam ser mal interpretadas ou ridicularizadas se o público soubesse que ele era o autor. Ele estava se preparando para discutir questões complexas e profundas relacionadas à dor e à fé, que muitas vezes são difíceis de abordar.

Meu próprio testemunho

Creio que posso ilustrar o pensamento de C.S. Lewis ao trazer à tona minha própria experiência. Em 2019, sofri um infarto que necessitou de uma angioplastia em duas artérias. Em 2022, enfrentei dores intensas no peito, o que levou à minha internação na UTI por 13 longos dias e mais duas artérias entupidas, sendo uma em estado de necrose. Foi nesse momento que descobri que estava lidando com uma condição crônica chamada Arteriosclerose, uma doença genética preocupante que não apenas causa considerável dor, mas também obstrui minhas artérias importantes do meu organismo.

Neste sentido, ao incorporar o pensamento de C.S. Lewis, embora pudesse optar por escrever um livro abordando meu próprio sofrimento, seria confrontado com uma questão mais profunda: como poderia eu, ao fazê-lo, oferecer conforto aos cristãos que enfrentam enfermidades muito mais complexas do que a minha, como o câncer em estágio terminal?

Pois bem, essa atitude de C.S. Lewis reflete seu desejo de enfatizar a exploração honesta e aprofundada da questão da dor, em detrimento de buscar reconhecimento pessoal. Ele estava mais interessado em abordar as questões teológicas de maneira franca e aberta do que em buscar destaque como autor. Esse episódio ilustra o compromisso de C.S. Lewis com a busca da verdade, mesmo que isso signifique enfrentar desafios e controvérsias.”

Voltando ao exemplo de Tiaguinho

O exemplo de Tiaguinho nos mostra como a dor pode ser um caminho para a santidade. Apesar de sua deficiência física, Tiaguinho de The Chosen é um homem de grande fé e de um coração compassivo.

Ele é um fiel seguidor de Jesus e um exemplo de como a dor pode nos moldar em pessoas melhores.

Conclusão

A doença de Tiaguinho é um lembrete de que a dor é uma parte da experiência humana. No entanto, ela também é uma oportunidade para o crescimento espiritual. Deus diz:

Quando você atravessar as águas, eu estarei com você; quando você atravessar os rios, eles não o encobrirão. Quando você andar através do fogo, não se queimará; as chamas não o deixarão em brasas.

Isaías 43:2, NVT

Lembre-se disso: Deus é contigo! Quando sofremos, podemos nos aproximar Dele, aprender sobre o seu amor e nos preparar para a vida eterna. E ao nos colocarmos no lugar de Tiaguinho, podemos começar a entender o que significa sofrer por causa de nossa fé e como a dor pode nos moldar em pessoas mais compassivas e piedosas.

Avatar de Diego Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diego Souza

Sou ministro na Igreja Holiness e amo escrever. Graduando em Letras pela UNIVESP, com Bacharel em Teologia pela UMESP e com pós em Novo Testamento pela EST, neste blog compartilho meus pensamentos sobre a vida cristã e o cotidiano, buscando conectar a fé com o dia a dia.