Os sete Eu Sou de Jesus

Os sete Eu Sou de Jesus

Jesus proferiu muitas palavras significativas que estão registradas nos Evangelhos. No entanto, declarações que Jesus fez no livro de João que foram particularmente cruciais para o Seu ministério, as profecias do Antigo Testamento e as Suas alegações de quem Ele era. Os biblistas chamam essas declarações de Os Sete Eu Sou de Jesus. Elas foram particularmente significativas para o ouvinte judeu do primeiro século, que teria compreendido melhor o contexto do que Jesus estava dizendo.

Deus havia se revelado séculos antes a Moisés com a contundente declaração: “EU SOU” (Êxodo 3:14). Ao longo do Antigo Testamento, outros acrescentaram ao Seu nome “EU SOU” – traduzido por Javé, Jeová ou SENHOR – dando-Lhe nomes que esclareciam Seu caráter, com base em Sua provisão e Seus milagres. As escrituras declaram os nomes de Deus como Jeová-Jireh (o Senhor, Meu Provedor), Jeová Rapha (o Senhor Cura), Jeová Nissi (o Senhor, Minha Bandeira), Jeová Shalom (o Senhor, Nossa Paz), Jeová Raah (o Senhor, Meu Pastor) e muito mais.

Então, séculos depois, Jesus usou o mesmo nome (EU SOU) no Evangelho de João para se descrever. Ele disse à mulher samaritana “Eu… sou Ele” (João 4:26), afirmou aos Seus discípulos assustados enquanto caminhava sobre as águas em direção ao barco deles em uma tempestade “Sou eu” (João 6:20), e reafirmou aos Seus seguidores: “Eu sou Ele” (João 13:19).

Deus ainda definiu para nós quem Ele é no Livro de João através das sete declarações de Jesus “Eu sou”.

Quais são as declarações “Eu Sou” de Jesus?

Na verdade, Jesus diz “Eu Sou” mais de sete vezes no Evangelho de João. Ele diz isso pelo menos vinte e três vezes. Mas, em sete momentos, “Eu Sou” é seguido de uma metáfora sobre seu trabalho de salvação. Por isso, alguns teólogos falam dos sete “Eu Sou” de Jesus em João. Vamos ver quais são eles:

  1. “Eu sou o pão da vida. Aquele que vem a Mim nunca terá fome, e aquele que crê em Mim jamais terá sede” (João 6:35). Jesus também reiterou essa declaração em João 6:41, 48 e 51.
  2. “Eu sou a luz do mundo. Quem me segue, nunca andará em trevas, mas terá a luz da vida” (João 8:12).
  3. “Então Jesus afirmou de novo: “Digo-lhes a verdade: Eu sou a porta das ovelhas. Todos os que vieram antes de mim eram ladrões e assaltantes, mas as ovelhas não os ouviram. Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem.” (João 10:7-9).
  4. “Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas; e elas me conhecem.” (João 10:11, 14).
  5. “Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que morra, viverá” (João 11:25).
  6. “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim” (João 14:6).
  7. “Eu sou a videira verdadeira e meu Pai é o agricultor… Eu sou a videira, vós sois os ramos. Aquele que permanece em Mim, e eu nele, dá muito fruto; porque sem Mim nada podeis fazer” (João 15:1-5).

As declarações “Eu sou” de Jesus foram particularmente significativas para os ouvintes judeus, considerando o contexto de quando e onde Ele as proferiu. Ele estava continuamente direcionando seus olhos para Si mesmo como Deus, à luz das Escrituras do Antigo Testamento que profetizavam a Sua vinda.

Na primeira delas, Jesus disse:

Eu sou o pão da vida

“Eu Sou o Pão da Vida; aquele que vem a mim jamais terá fome, e aquele que crê em mim jamais terá sede” (João 6:35; cf. 6:41,48,51).

Jesus disse isso após alimentar os cinco mil, quando o povo queria mais comida de graça. No entanto, sua intenção não era apenas saciar seus estômagos. Ele queria que eles compreendessem que o alimento físico só satisfaz a fome temporariamente, enquanto Ele poderia saciá-los espiritualmente. Ele afirmava ser o pão que fornece a vida.

O maná supriu as necessidades físicas dos israelitas no deserto, mas apenas por um período. Cristo, por outro lado, supre nossas necessidades espirituais para sempre. Aqueles que creem em Jesus possuem vida. O maná no deserto saciou a fome temporária daqueles que dele comeram, mas estes acabaram morrendo. Jesus, no entanto, fornece o pão da vida que conduz à vida eterna.

Na segunda declaração “Eu sou” de Jesus, ele disse:

Eu sou a luz do mundo

“Eu Sou a luz do mundo; aquele que me segue, não andará em trevas, mas terá a luz da vida” (João 8:12).

Jesus fez essa declaração durante a Festa dos Tabernáculos. Nesta festa, um enorme candelabro foi aceso no pátio feminino do templo. Isso lembrou os israelitas da coluna de fogo que guiou seus ancestrais durante as peregrinações pelo deserto. Jesus fez essa declaração logo após perdoar, em vez de condenar, uma mulher flagrada em adultério que os fariseus haviam trazido até Jesus durante seu ensino.

Jesus estava deixando eles saberem que, em um mundo obscurecido pelo pecado, Ele é santo (Sua luz contrasta com as trevas) e Ele oferece luz e orientação para aqueles que tropeçam no pecado. O povo conhecia a Escritura do Antigo Testamento “Porque o Senhor Deus é sol e escudo; o Senhor dará graça e glória…” (Salmos 84:11). Nesse caso, Jesus estava sintetizando o caráter de Deus como um sol (que fornece luz), um escudo (que protege) e graça (que perdoa) para a glória de Deus.

Em terceiro lugar, Jesus disse:

Eu sou a porta das ovelhas

Sendo assim, Jesus lhes disse de novo: “Em verdade, em verdade vos asseguro: Eu Sou a porta das ovelhas. Todos quantos vieram antes de mim são ladrões e assaltantes; porém as ovelhas não os ouviram. Eu Sou a porta. Qualquer pessoa que entrar por mim, será salva. Entrará e sairá; e encontrará pastagem” (João 10:7-9).

Esta declaração de Jesus foi feita durante um discurso com os líderes religiosos de Israel, onde Jesus, em tantas palavras, os declarou pastores inaptos da nação. De acordo com a Bíblia de Estudo da Thomas Nelson, “os pastores conduziam seus rebanhos para recintos de pedra todas as noites para protegê-los. Essas estruturas não tinham portas. O pastor se sentava ou deitava na abertura para evitar que os predadores atacassem. Assim, Jesus estava descrevendo seu cuidado e devoção constante àqueles que são seus.” Essa declaração também reforça o que Ele disse em João 14:6 sobre ser o único caminho para chegar ao Pai. A única maneira de entrar no “redil de ovelhas” ou “família” ou “morada” de Deus é passar por Jesus – a porta ou a entrada.

Na quarta declaração, Jesus disse:

Eu sou o bom pastor

“Eu Sou o bom pastor. O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas. O mercenário, que não é o pastor a quem as ovelhas pertencem, vê a aproximação do lobo, abandona as ovelhas e foge. Então, o lobo as apanha e dispersa o rebanho. O mercenário foge, porque é um mercenário e não tem zelo pelas ovelhas. Eu Sou o bom pastor. Conheço as minhas ovelhas e sou conhecido por elas; assim como o Pai me conhece e Eu conheço o Pai; e entrego minha vida pelas ovelhas” (João 10:11-15).

Com essa declaração, Jesus descreveu seu amor sacrificial por seu povo. Ele estava deixando os israelitas saberem que, ao contrário de um homem contratado que correrá e deixará um rebanho desprotegido para salvar sua própria vida quando o lobo ameaçar as ovelhas, ele não abandonará suas ovelhas, mas vigiará seu povo. Em João 10:15-16, Jesus disse: “Dou a minha vida pelas ovelhas. E outras ovelhas que tenho que não são deste aprisco; elas também eu devo trazer, e elas ouvirão a minha voz, e haverá um só rebanho e um só pastor.” Esta foi uma declaração profética sobre sua morte sacrificial vindoura para salvar tanto os judeus quanto os gentios que creriam em seu nome. No Salmo 23, Davi se referiu ao Senhor Deus como seu pastor e, nesta passagem, Jesus se refere a si mesmo como o Bom Pastor que estava prestes a dar sua vida por suas ovelhas e cumprir o plano de salvação de seu Pai para todas as pessoas.

Em quinto lugar, Jesus afirmou:

Eu sou a ressurreição e a vida

“Eu Sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, mesmo que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim, não morrerá eternamente. Tu crês nisso?” (João 11:25).

Jesus proferiu esta declaração de esperança à sua amiga enlutada, Marta, após a morte de seu irmão, Lázaro. No versículo seguinte, Ele esclareceu Sua afirmação, dizendo: “E todo aquele que vive e crê em Mim jamais morrerá. Você acredita nisso?” (João 11:26). A morte trouxe um sentimento de desespero, desesperança e finalidade até que Jesus pronunciou essas palavras gloriosas e, em seguida, as demonstrou trazendo Seu amigo morto de volta à vida. Pouco depois, Jesus mostrou ao mundo que havia vencido a sepultura quando Ele mesmo ressuscitou à vida três dias após Sua morte pelos pecados de todos os que acreditam. De acordo com 1 Coríntios 15:55, a morte não tem mais aguilhão porque Jesus venceu a sepultura. Todos os que estão em Cristo viverão para sempre.

Em sexto lugar, Jesus declarou:

Eu sou o caminho, a verdade e a vida

“Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim” (João 14:6).

Quando os discípulos ficaram confusos sobre as declarações de Jesus acerca do céu, Tomé perguntou o que todos eles deveriam estar pensando: “Senhor, não sabemos para onde vais e como podemos conhecer o caminho?” Jesus lhe disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim” (João 14:5-6). Jesus estava reiterando que nem todos os caminhos levam ao céu. Não há muitos caminhos ou religiões para Deus. Jesus é o único caminho para o perdão, a única fonte da verdade e do conhecimento sobre Deus, e o único caminho para a vida eterna. Jesus oferece aos mortos espiritualmente a própria vida de Deus. E não há outras opções. Essa declaração foi significativa para aqueles de sua época que estavam tentando obter acesso ao favor de Deus por meio da Lei e de suas boas obras. E isso é significativo para nós hoje porque estamos cercados por muitas crenças e religiões que reivindicam acesso a Deus e uma maneira de ganhar o favor de Deus e a vida eterna, além de Jesus sozinho.

Em sétimo lugar, Jesus disse:

Eu sou a verdadeira videira

“Eu Sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor […] Eu Sou a videira, vós os ramos. Aquele que permanece em mim, e Eu nele, esse dará muito fruto; pois sem mim não podeis realizar obra alguma” (João 15:1,5).

Jesus disse isso a Seus seguidores no Cenáculo na noite de Sua prisão e morte iminente. O Antigo Testamento contém muitas referências a Israel como a videira de Deus (Salmos 80:8; Isaías 5:1-7; Ezequiel 15; Oséias 10:1). Mas, por causa da infertilidade da nação, Jesus veio para cumprir o plano de Deus. Ao permanecer, habitar ou nos apegar a Cristo, permitimos que Sua vida flua em nós e através de nós. Então não podemos deixar de dar frutos que honrem o Pai. Nessa metáfora, Ele é o jardineiro. Nele, e em Seu cuidado, você e eu podemos crescer até nosso potencial e dar muitos frutos. Jesus estava dizendo: “Permaneçam perto de Mim e serão capazes de realizar muito para a glória de Meu Pai”.

Além disso, há ainda

Outras declarações “Eu Sou” de Jesus

No Evangelho de João, há duas outras declarações “Eu Sou” de Jesus. Não são metáforas, mas declarações do nome de Deus, que Jesus aplicou a si mesmo. O primeiro caso ocorre quando Jesus responde a uma reivindicação dos fariseus. “Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade eu vos digo: antes que Abraão existisse, Eu Sou” (João 8:58). Os verbos usados por Jesus contrastam entre si: Abraão existiu, mas eu sou. Não há dúvida de que os judeus entenderam a afirmação de Jesus de ser o eterno Deus encarnado, porque pegaram pedras para matá-lo (versículo 59).

A segunda instância em que Jesus usou o nome EU SOU ocorreu no Jardim do Getsêmani. Quando a turba veio prender Jesus, Ele perguntou por quem estavam procurando. Disseram: “Jesus de Nazaré”, e Jesus respondeu: “Sou eu” (João 18:4-5). Então algo estranho aconteceu: “Quando, pois, Jesus lhes disse: Sou eu, recuaram e caíram por terra” (versículo 6). Ao aplicar o nome da aliança de Deus a Si mesmo, Jesus demonstrou o Seu poder sobre os Seus inimigos e mostrou que a Sua rendição a eles foi totalmente voluntária (veja João 10:17-18; 19:11).

Por que as declarações de Jesus são importantes?

Jesus não estava apenas proferindo um discurso otimista quando fez essas afirmações audaciosas. Ele estava sinalizando aos judeus do primeiro século, familiarizados com a autodefinição de Deus, que Ele era Deus encarnado, o Messias aguardado, o Deus Altíssimo em carne e osso. Se qualquer outra pessoa tivesse feito tais afirmações, teria sido considerado blasfêmia. Isso é o que levou os líderes judeus a acusarem Jesus e a organizarem sua crucificação por tal “blasfêmia”. No entanto, esse complô estava, em última análise, sob a ordem de Deus para cumprir a profecia de que Jesus seria crucificado pelos pecados de todos que acreditam em Seu nome.

Jesus cumpriu e reafirmou inúmeras profecias do Antigo Testamento sobre Si mesmo por meio dessas declarações. É importante também considerar que Ele sabia quem Ele era e queria que nós também soubéssemos claramente. Ele não pode ser reduzido apenas ao nosso “bilhete para o céu”, mas deve ser reconhecido como nosso sustento diário, nossa orientação, nosso protetor, nosso Salvador sacrificado, nossa vitória sobre a morte, nosso acesso ao Pai e à vida eterna, e nossa vitalidade e força.

Você conhece Jesus não apenas como um grande mestre, não apenas como um realizador de milagres, não apenas como seu Salvador, mas como o Grande Eu Sou que se tornou seu sustento, luz, esperança, salvação e força? Jesus disse: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (João 8:32). Experimente a verdade e a liberdade de conhecer quem Jesus realmente é, e o que Ele significa para você pessoalmente e para um mundo ferido que necessita Dele.

Avatar de Diego Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diego Souza

Sou ministro na Igreja Holiness e amo escrever. Graduando em Letras pela UNIVESP, com Bacharel em Teologia pela UMESP e com pós em Novo Testamento pela EST, neste blog compartilho meus pensamentos sobre a vida cristã e o cotidiano, buscando conectar a fé com o dia a dia.