Charles Wesley: Vida e Legado

Charles Wesley: Vida e Legado

Introdução.

O Reverendo Charles Wesley, M.A., conhecido como o “doce cantor do Metodismo” e sem dúvidas o mais notável compositor de hinos de todos os tempos, faleceu em 29 de março de 1788. Ele não precisa de introduções quando se trata de sua habilidade como escritor de hinos. Mesmo depois de mais de 200 anos, seus hinos ainda são muito apreciados. No entanto, pouco se sabe sobre a vida deste homem que muitas vezes ficou à sombra de seu irmão

A Igreja Metodista tem todos os motivos para lembrar de Charles Wesley, especialmente no 250º aniversário da conversão de seu irmão (maio, 1738). Mas não são só os metodistas que devem ser gratos, pessoas evangélicas de todas as denominações têm razões para agradecer a Deus pelos hinos de Charles, que de certa forma, pertencem a todos nós.

Os Primórdios

Charles Wesley era uma pessoa que não buscava poder, evitava ser o centro das atenções e ficava desconfortável com elogios, de acordo com alguém que o conhecia bem. Embora muitas vezes fosse ofuscado por seu irmão, a vida de Charles Wesley estava longe de ser monótona.

Nascido em 18 de dezembro de 1707, ele era o terceiro filho sobrevivente e o décimo oitavo filho de Samuel e Susanna Wesley. Ele tinha menos de quinze meses quando a antiga reitoria em Epworth foi totalmente destruída pelo fogo. Tanto Charles quanto John precisaram ser salvos do incêndio. Charles foi prontamente retirado por uma empregada e colocado em segurança nos braços de sua mãe.

Samuel Wesley tinha a ambição de que seus três filhos se tornassem acadêmicos e clérigos. Infelizmente suas filhas tinham menos oportunidades e nem sempre foram felizes. John foi educado na Charterhouse, mas Charles, como seu irmão mais velho, Samuel, foi enviado para a escola de Westminster. Charles não só se destacou academicamente, como também demonstrou bravura ao defender outros da intimidação na escola.

Em junho de 1726, ingressou na Christ Church, em Oxford. Até então, John já havia se ordenado e se tornado membro do Lincoln College. Quando João tentou moderar os comportamentos um tanto descuidados e divertidos do irmão mais novo, Charles resistiu, perguntando: “Você quer que eu me torne um santo de uma vez só?” Embora Charles não fosse menos estudioso que John, ele era menos sereno e introspectivo, e estava sujeito a oscilações emocionais.

Quando se formou em 1730, seu pai Samuel lhe escreveu de Epworth: “Agora você está bem encaminhado. Mantenha a cabeça erguida e avance como um homem”. Depois que John voltou a Epworth por um tempo para ajudar seu pai, Charles começou a se preocupar profundamente com questões espirituais. Ele reuniu alguns outros que compartilhavam sua nova seriedade religiosa.

Assim começou o “Clube Santo” em 1729, cujos membros logo receberiam o apelido de “metodistas”. Embora John mais tarde se tornasse o líder do pequeno grupo, foi Charles quem o iniciou, sendo o “primeiro metodista”. Em 1732, George Whitefield do Pembroke College juntou-se ao grupo, e um forte vínculo de amizade se desenvolveu entre ele e Charles Wesley, que agora era professor da faculdade.

Não há dúvida de que o Espírito Santo estava atuando na vida desses jovens. Mesmo antes de se libertarem do legalismo de sua religião sincera, mas sem vida – Whitefield foi o primeiro a encontrar a segurança da salvação em maio de 1735 – já existiam sinais de vida. Em seu leito de morte em abril de 1735, o velho Samuel disse a John: “A presença interna, meu filho, a presença interna, é a maior prova do cristianismo”. Colocando a mão na cabeça de Charles, Samuel disse: “Seja forte. O cristianismo com certeza será revivido neste reino. Você verá; mesmo que eu não veja.”

Geórgia e o fracasso

Charles Wesley juntou-se ao seu irmão John numa missão à nova colónia da Geórgia em 1735, servindo como secretário do governador, General James Oglethorpe. No entanto, a missão foi um fracasso. Ambos os irmãos, que até então tinham vivido uma vida bastante protegida e privilegiada, não conseguiram lidar com os desafios e as pessoas que encontraram. A vida era dura e acusações de escândalo abalaram bastante Charles. Desiludido, ele deixou a Geórgia e voltou para a Inglaterra em dezembro de 1736, enquanto John ficou mais um ano.

Recuperado, Charles começou a conhecer pessoas importantes. Profundamente impressionado pelos devotos morávios na América, também ficou afetado ao encontrar o líder deles, o Conde Zinzendorf, em Londres. Ele foi escolhido para representar a Universidade de Oxford perante o rei Jorge II, mas apesar de se mover em círculos de prestígio, Charles sentia-se inquieto e incerto. Buscou ajuda do místico William Law, mas sem sucesso. Um velho amigo do Clube Santo, Benjamin Ingham, escreveu a John: “Charles é tão reservado, que não me escreve nem vem me ver…”

Com a volta do irmão da Geórgia em fevereiro de 1738, Charles ficou animado. Ele ainda tinha esperança de retornar à Geórgia como missionário, mas essas esperanças acabaram com um grave ataque de pleurisia. Parecia que o único caminho a seguir era retomar a vida acadêmica em Oxford, mas Deus tinha outros planos para os irmãos Wesley. Eles viajaram para Oxford em abril com o jovem morávio Peter Bohler. Com ele, aprenderam pela primeira vez a natureza do verdadeiro cristianismo evangélico. B

ohler descreveu os irmãos numa carta ao conde Zinzendorf, dizendo: “John, o mais velho, é uma boa pessoa; sabia que não acreditava devidamente no nosso Salvador e estava disposto a aprender. O irmão dele, Charles, está atualmente muito angustiado, mas não sabe como começar a conhecer o Salvador.”

O Dia do Livramento

Em maio de 1738, os irmãos Wesley estavam em Londres. Charles, que estava se recuperando de uma recaída de sua doença, estava hospedado na casa de alguns morávios perto da Catedral de São Paulo. A humildade e os sinceros testemunhos cristãos de seus anfitriões afetaram profundamente Charles. Deus estava realmente trabalhando na vida dele. Quando ele abriu sua Bíblia em Isaías 40:1, a luz da salvação brilhou sobre ele! Seu diário de 21 de maio registra:

“De repente, senti paz com Deus e me enchi de alegria na esperança de amar Cristo… Percebi que, pela fé, eu estava sendo sustentado… Fui para a cama ainda consciente das minhas fraquezas… mas confiante na proteção de Cristo.”

No dia seguinte, Charles começou a se recuperar fisicamente. Ele também iniciou a composição do que viria a ser o primeiro de cerca de 6.000 hinos! No dia seguinte, 24 de maio, foi a vez de John encontrar a certeza da salvação durante uma reunião perto da Aldersgate Street. Charles conta o que aconteceu naquela noite:

“Perto das dez, meu irmão chegou em triunfo, trazido por um grupo de nossos amigos, e declarou: ‘Eu acredito’. Cantamos o hino com grande alegria e nos despedimos com uma oração…”

O relato alegre não está completo sem o hino:—

Onde começará minha alma maravilhada?

Como aspirarei todos os céus?

Um escravo redimido da morte e do pecado,

Uma marca arrancada do fogo eterno!

Como serei igual a triunfos, levantarei

Ou cantarei o louvor do meu grande Libertador?

Exatamente um ano depois, Charles escreveu o hino mais famoso, “mil línguas eu quisera ter para cantar”, que ele recomendou para cantar “em o aniversário da conversão”.

O Grande Despertar

Não há como negar o impacto profundo da experiência de conversão de Charles Wesley em maio de 1738. D. M. Jones escreveu: “Depois dessa experiência, Charles Wesley se elevou acima de todas as suas inseguranças e preocupações com seu próprio estado espiritual. Parece que isso foi tudo que ele precisava para se tornar um canal para forças espirituais imensas.”

A nova vida espiritual de Charles Wesley se mostrou na sua compaixão profunda por homens e mulheres perdidos. Sua pregação mudou radicalmente. Pregou espontaneamente pela primeira vez na Igreja de Santo Antholin, em Bristol, em outubro de 1738. Seu ministério poderoso foi acompanhado por uma bênção incrível.

Nessa época, o ministério de George Whitefield estava causando um impacto surpreendente e sendo duramente criticado em Londres e Bristol. Charles Wesley apoiou Whitefield, quando ele pregou para uma enorme multidão em Blackheath, e perguntou: “O que o Satanás ganhou ao te expulsar das igrejas?” Em maio, Charles Wesley se juntou ao irmão para seguir o exemplo de Whitefield ao pregar para grandes multidões nas aldeias de Essex.

É verdadeiro dizer que se George Whitefield fosse o orador metodista, e John Wesley o organizador, então Charles Wesley seria o poeta deles. No entanto, essa visão do famoso trio não reconhece o impacto da pregação de Wesley. Mas se John Wesley era um grande pregador e evangelista, Charles era um pregador quase tão bom quanto o próprio Whitefield! “Sua pregação era como trovão e relâmpago”, diz um dos primeiros metodistas.

Joseph Williams de Kidderminster uma vez ouviu Charles Wesley pregando em Bristol para uma multidão de 1.000 pessoas: “Ele pregou aproximadamente uma hora… de uma maneira que eu raramente ouvi qualquer ministro pregar; isto é, embora eu tenha ouvido muitos sermões mais sofisticados de acordo com o gosto comum, mas quase nunca ouvi algum ministro demonstrar tal desejo veemente e fazer um trabalho tão sério para convencer seus ouvintes”.

Havia, é claro, outra dimensão; o canto. Uma seleção dos hinos de Charles Wesley foi publicada pela primeira vez em 1739, e eles se tornaram instantaneamente populares, a julgar pelo relato de José Guilherme:

“Nunca ouvi tanta oração ou tanto canto. O canto deles era não só o mais harmonioso e delicioso que já ouvi, mas eles cantaram ‘lascivo e com uma boa coragem’… Se existe tal coisa como música celestial na terra eu ouvi lá.”

Livros de hinos subsequentes para “O Povo Chamado Metodistas” (1779, 1877 (com suplemento), 1904, 1933 e 1983) e seleções de hinos de Wesley em vários outros hinários nos permitem estar familiarizados com o escritor de hinos único. Sua fama e utilidade estão garantidas. No entanto, devemos não nos esquecer dos seus corajosos trabalhos evangelísticos em que, por vinte anos, ele levantou sua voz para Cristo.

Dias heroicos

Em Kingswood, perto de Bristol, onde Whitefield notou as lágrimas dos mineiros criando rastros brancos em seus rostos sujos de carvão, Charles Wesley viu o poder do Espírito Santo. Em maio de 1741, ele escreveu: “Em Kingswood, assim que mencionei o meu tema, ‘Está terminado’, fui tão emocionado pelo amor de Cristo que comecei a chorar e senti uma conexão profunda com seu sofrimento.

O mesmo aconteceu com a congregação, que olhou para aquele que haviam transpassado e choraram”. No ano anterior, suas pregações poderosas e apelativas acalmaram um tumulto entre os mineiros, causado pelo alto preço do milho. Este incidente – um de muitos naqueles dias agitados – mostra que o despertar evangélico teve um grande impacto em conter uma onda revolucionária no país. As condições melhoraram ao mudar o coração das pessoas; os ricos tornaram-se mais atenciosos e as classes mais baixas mais respeitosas e civilizadas.

No entanto, as vitórias evangélicas foram duramente conquistadas. Durante uma visita a Cardiff em 1740, alguns ouvintes de Charles Wesley – médicos, magistrados e outros – se irritaram com a franqueza de sua pregação. Alguns deles disseram que, na igreja, ele não reconhecia nenhum superior além de Deus, e não precisava de permissão de ninguém para expor seus pecados.

Durante a noite, uma multidão de pessoas ligadas ao teatro cercou a casa, indignadas porque a pregação metodista estava se mostrando atraente demais! No entanto, embora um homem se aproximasse de Wesley com uma espada, Deus estava tão presente – “Grande foi a nossa alegria interior” – que ele conseguiu passar pela multidão e chegar em segurança ao barco para Bristol.

Em lugares como Sheffield e Devises, esses milagres foram experimentados. Às vezes, havia ferimentos menores, um pequeno preço a pagar quando muitas almas estavam sendo salvas. Esses tempos heroicos são frequentemente refletidos nos hinos de Charles Wesley. Quando homens mais duros poderiam tremer de medo, Wesley e seus colegas sentiam que estavam sendo sustentados por uma mão invisível!

“Minha Sally.”

No início dos anos 1750, o metodismo se tornava um movimento de alcance nacional. A perseguição intensa estava começando a reduzir. Naquela época, muitas pessoas se locomoviam a cavalo, e era comum identificar um metodista ao ouvir um canto. “Passamos por um rapaz assobiando uma de nossas músicas”, registrou Charles Wesley.

Ficava cada vez mais evidente que seus esforços estavam sobrecarregando suas forças. Além disso, sua pregação, carregada de emoção, era frequentemente seguida por profunda depressão e exaustão nervosa. Charles às vezes sentia que Deus agia através dele, mas não nele. Claramente, ele não conseguia manter o mesmo ritmo de ministério que seu irmão e George Whitefield mantinham indefinidamente.

Muitos que conheciam Charles bem perceberam que ele precisava de uma esposa e de um lar. Seu temperamento precisava de um ritmo de serviço menos intenso. Foi durante uma visita ao País de Gales que Wesley conheceu Sarah Gwynne. Seu pai era Marmaduke Gwynne, um escudeiro de Garth, próximo a Builth Wells, em Powys moderno.

Enquanto o casamento de seu irmão John foi infeliz, a união entre Charles e Sarah é considerada um dos casamentos cristãos mais felizes de todos os tempos. Eles se casaram em 8 de abril de 1749, com John oficiando a cerimônia. O casal feliz se estabeleceu em Bristol por um tempo. Até que as responsabilidades familiares se tornaram prioridade, Sarah acompanhou Charles em suas últimas viagens de pregação.

Seu ministério itinerante efetivamente terminou com sua última visita ao norte da Inglaterra no outono de 1756. Seu diário termina com a entrada para 5 de novembro daquele ano.

Londres e os últimos anos

Os Wesley se mudaram para a Rua Chesterfield, em Marylebone, Londres, em 1771. Aqui, Charles pôde supervisionar efetivamente os metodistas de Londres. Ele continuou seu ministério, porém, em uma escala mais local. Sua família estava crescendo e isso também exigia muito do seu tempo. Seus dois filhos, Charles e Samuel, eram prodígios musicais e chamavam a atenção de músicos renomados, como William Boyce. Os garotos chegaram a realizar concertos para convidados famosos. O jovem Samuel era um compositor tão talentoso que chegou a ser comparado a Mozart!

Charles Wesley continuou a escrever hinos até o fim de sua vida. Quando viajava, pegava um pedaço de papel e anotava uma linha ou duas. Quando estava à beira da morte, em março de 1788, depois de uma vida de trabalho árduo a serviço de seu mestre, ele ditou algumas linhas para sua querida Sally.

“Em meio à fragilidade e velhice extrema, quem salvará uma criatura tão frágil? Jesus, você é a única esperança, Força do meu corpo e coração debilitados, ah, Eu consigo captar um sorriso seu, E desvanecer para a eternidade!”

Charles Wesley morreu em 29 de março de 1788, deixando um legado duradouro para a igreja através de sua pregação e hinos. Seus hinos ainda são cantados hoje, mais de 200 anos após sua morte.

— — — — — — / / — — — — — — / / — — — — — —

por Alan C. Clifford, ©1997 Heath Christian Bookshop Charitable Trust, Reino Unido, ©1997.

Usado com permissão.

Avatar de Diego Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diego Souza

Sou ministro na Igreja Holiness e amo escrever. Graduando em Letras pela UNIVESP, com Bacharel em Teologia pela UMESP e com pós em Novo Testamento pela EST, neste blog compartilho meus pensamentos sobre a vida cristã e o cotidiano, buscando conectar a fé com o dia a dia.