Sl 139:23 – Sobre a Vulnerabilidade

Sl 139:23 – Sobre a Vulnerabilidade

Escrito em 23 de abril de 2021

Palavra:

“Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece as minhas inquietações”. (Salmo 139. 23)

Devocional:

Hoje quero falar sobre vulnerabilidade. Como você deve saber, a vulnerabilidade significa estar disposto(a) a expressar suas necessidades pessoais, admitir suas limitações, suas fraquezas e seus fracassos. Significa também que você não precisa ser especialista em todas as coisas, como se fosse o professor do Google. Ser vulnerável é possuir o desejo de ter um coração ensinável. É exatamente isso que vemos Davi fazer nesse salmo.

Davi, o rei forte, competente e vencedor, mas também muito piedoso e temente a Deus, admite com toda honestidade a sua vulnerabilidade:

“Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece as minhas inquietações.” (Salmo 139:23)

Esse tipo de atitude deveria ser a prática constante da nossa vida de oração. Entretanto, na maioria das vezes, resistimos a exercer a vulnerabilidade. Não queremos que as pessoas saibam das nossas falhas porque temos medo de que elas não gostem de nós.

Do mesmo modo, agimos assim também para com Deus. Ficamos com medo de sermos rejeitados, ignorados, cancelados e de não termos resposta às nossas orações.

Mas em nossa vida real, não precisamos nos preocupar com isso. Porque Deus conhece todos os nossos erros e, mesmo assim, nos ama e nos aceita em Cristo Jesus, conforme podemos ler em (Rm 5.8).

Quando lemos por inteiro o salmo 139, vemos Davi se maravilhando com a maneira como Deus sabe tudo sobre ele. No final do salmo, ele abraça a oportunidade de ser vulnerável e ora a Deus pedindo que revele seu pecado: “Vê se há em minha conduta algo que te ofende, e dirige-me pelo caminho eterno.” (Salmo 139.24).

Do outro lado de uma oração vulnerável, sempre haverá o Deus que nos ouve e que examina os nossos corações. Ele, apenas Ele, revelará onde precisamos fazer mudanças.

Se nos achegarmos diante dele sem filtros, sem fingimentos, Deus não nos condenará, mas nos dará uma vida cheia de alegria (Jo 3.17; Jo 15.10-11). Quando paramos de sentir que temos que impressionar a Deus, podemos começar a ser mudados por Ele.

Deus te abençoe.

— — — — — — — — — —
Escrito por Diego Gonçalves.


Gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos e familiares para que eles também possam aprender mais sobre o assunto. E não se esqueça de se inscrever em nossas redes sociais para receber mais conteúdo como este. Até a próxima!

Inspire-se com outros devocionais e reflexões no meu site.

© O Diário de um Jondô

Avatar de Diego Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diego Souza

Sou ministro na Igreja Holiness e amo escrever. Graduando em Letras pela UNIVESP, com Bacharel em Teologia pela UMESP e com pós em Novo Testamento pela EST, neste blog compartilho meus pensamentos sobre a vida cristã e o cotidiano, buscando conectar a fé com o dia a dia.