Jo 20:24 – Quando as dúvidas vem!

Jo 20:24 – Quando as dúvidas vem!

Tomé, o discípulo que duvidou da ressurreição de Jesus, nos ensina como superar as dúvidas e confiar em Deus. Vamos aprender?

Introdução

Hoje, gostaria de começar falando sobre algumas perguntas cretinas que já fiz pra Deus:

  1. Eu sei muito sobre Ti, Deus. Mas será que eu realmente te conheço?
  2. Eu tenho a informação sem a inspiração?”
  3. Se você está no controle, então por que estou aqui na UTI?, ou ainda, por que você deixou meus filhos ficarem doentes?”
  4. Senhor, por que você não responde às minhas orações?” Aliás, se você sabe tudo sobre todas as coisas, então por que eu devo orar?”
  5. Por que, Senhor, quando eu mais preciso de você, você parece mais distante?”

Mas eu acho que a pergunta mais desaforada que eu já fiz, foi essa:

  1. “Como você pode me usar, Senhor? Se as pessoas realmente conhecessem minhas dúvidas, tenho certeza que elas não me ouviriam. Como posso ser um ministro do Teu Reino com todas essas dúvidas?”

Acho que já deu pra perceber que alguns pensamentos duvidosos já passaram pela minha minha mente. Ocorre, porém, que ainda tenho mais uma pergunta que eu queria fazer esta manhã.

Você já se sentiu da mesma maneira? Você já cheio de dúvidas? Já fez algumas das mesmas perguntas a Deus que eu fiz? Se sim, você poderia, por favor, levantar as mãos?

Para aqueles de nós que duvidaram, sejam encorajados, estamos em muito boa companhia.

Não somos os primeiros e nem os únicos: Na própria Bíblia, encontramos alguns exemplos de indivíduos que duvidaram: Adão, Sara, Abraão, Jacó, Jó, Jeremias, Jonas, João Batista, Marta, Pedro, Tomé e muitos outros.

Mas além destes, outros indivíduos na história também passaram por situações como essas:

No livro “Confissões”, Agostinho escreveu: “Desejava ter, em relação a fatos não demonstráveis, a mesma certeza com que dizia que sete mais três são dez.”

O Martinho Lutero lutou constantemente contra a dúvida e a depressão.

Uma igreja em Boston atrasou a aprovação da candidatura do evangelista D.L. Moody porque suas crenças pareciam duvidosas.

Fiódor Dostoiévski, o grande romancista russo, escreveu em “Os irmãos Karamazov” a seguinte frase: “Não é como uma criança que eu acredito e confesso a Jesus Cristo. Minha hosana nasceu de uma fornalha de dúvidas.”

Billy Graham fala sobre um tempo em que ele orou desesperadamente e lutou com suas dúvidas sobre a verdade da Bíblia.

Philip Yancey, autor de clássicos cristãos como “Onde está Deus quando chega a dor?” e “Maravilhosa Graça?” foi convidado a assinar uma declaração de fé que atestava “não haver dúvida ou equívoco”. Mas ele se recusou, escrevendo: “Eu mal posso assinar meu próprio nome sem dúvida ou equívoco”.

Sentindo-se melhor consigo mesmo ainda?

Como Yancey afirma em “O Deus Invisível”, a dúvida parece ameaçar muito mais a igreja do que Deus.

Definindo a dúvida

Antes de ler o nosso texto de hoje, é importante definirmos o que é dúvida. Muitos pensam que dúvida é o oposto de fé, mas isso não é verdade. O oposto de fé é incredulidade. A palavra “dúvida” vem da mesma raiz de onde obtemos a palavra “duplo”.

Tiago, o irmão de Jesus, colocou desta forma: Tiago 1:6-8

Mas, quando pedirem, façam-no com fé, sem vacilar, pois aquele que duvida é como a onda do mar, empurrada e agitada pelo vento. Ele não deve esperar receber coisa alguma do Senhor, pois tem a mente dividida e é instável em tudo que faz.

Os dicionários nos dão uma explicação útil sobre dúvida: quando acreditamos em algo, estamos convencidos de que é verdade. Já a incredulidade é quando rejeitamos algo como verdadeiro. A dúvida é quando estamos indecisos, sem saber se acreditamos ou não. Há um provérbio chinês que diz: “A dúvida está em pé em dois barcos, com um pé em cada um deles”.
Não é errado ter dúvidas. Talvez muitos de vocês acham que sim. Mas a dúvida não é falta de fé. Segundo a Enciclopédia Bíblica Padrão Internacional, “a dúvida não é ausência de fé, mas sim um tipo de ‘fé qualificada’: é uma fraqueza, mas não é falta de fé”.

Então, neste sentido, duvidar é questionar, é procurar mais informações, é buscar compreensão e reconhecer que nosso conhecimento é limitado. Como certo teólogo (Ian Johnson) disse: “A dúvida é a pergunta sincera; a incredulidade é a recusa de ouvir a resposta correta.”

Embora eu visite a dúvida de vez em quando, não é um lugar onde eu queira permanecer. Então, o que podemos fazer quando nos sentimos incertos?

Bom, eu tenho aprendido uma coisa com as minhas dúvidas, e isso mudou a minha vida e a maneira como abordo a minha fé.

Eu acredito que aqueles que mais duvidam, mas que continuam se esforçando para superar suas incertezas acabam se tornando alguns dos discípulos mais fortes de Cristo.

Vamos falar sobre um deles nesta manhã. Abra sua Bíblia em João 20:24.

Um dos Doze, Tomé, apelidado de Gêmeo, não estava com os outros quando Jesus surgiu no meio deles. João 20:24

Breve biografia

Sabemos muito pouco sobre o nosso assunto hoje, Tomé. Sabemos que o seu nome em aramaico é Tomé e em grego é “Dídimo”. Tanto Tomé quanto Dídimo quer dizer “gêmeo”. Então, a primeira coisa óbvia aqui é que Tomé tinha um irmão gêmeo.

Você já se perguntou por que Jesus escolheu Tomé e não seu irmão? Não sabemos! No entanto, em Lucas 6:12-16, sabemos que Jesus orou a noite toda antes de escolher seus seguidores mais próximos. Tomé foi o sétimo discípulo chamado. Ele era um pescador, e provavelmente conhecia os outros discípulos.

Pouco se sabe sobre seu passado ou sua aparência física, mas uma coisa é certa: Tomé só perde pra Judas Iscariotes quando o assunto é discípulo mais criticado.

Afinal, sabemos alguma coisa sobre sua personalidade. Ele tendia a ser pessimista, emocional. Também era propenso a fazer perguntas difíceis e exigir provas.

No final desta mensagem, porém, espero conseguir te mostrar, a partir das Escrituras, que seu apelido não é apenas injusto, mas não descreve o coração desse grande discípulo.

Há três textos que abordaremos esta manhã. Os dois primeiros, vamos dar uma corrida. O terceiro vamos passear, aprendendo algumas lições valiosas ao longo do caminho. Mantenha seu seu marca-texto aí em João 20, e abra em João 11:1 e me acompanhe.

Tomé Estava Disposto a Morrer por Cristo

Jesus amava as pessoas e passava tempo com indivíduos de diferentes posições sociais, políticas e econômicas. Durante Seu ministério, Ele se tornou amigo de duas irmãs, Maria e Marta, e seu irmão Lázaro. Na verdade, a relação entre eles ia além de amizade. Maria havia adorado aos pés de Jesus e Marta aprendeu a descansar em Sua presença. Lázaro era conhecido como “o amigo querido (vs. 3)” porque Jesus e ele eram amigos íntimos.

Mas as notícias não eram boas. Lázaro estava muito doente. E nessas horas, Jesus fazia algumas coisas curiosas. Ele demorou dois dias para ir ver seu amigo. E Ele também disse algumas coisas que os discípulos não conseguiam entender.

Depois de dois dias, Ele disse aos seus discípulos: “Vamos voltar para a Judéia”. (João 11:7))

No vs. 8, vemos que os seguidores de Jesus não queriam retornar para Judéia pois os líderes judeus queriam matar Jesus e havia uma recompensa pela sua cabeça. Como o ministério no deserto estava crescendo, os discípulos não queriam arriscar.

Jesus disse que precisava voltar. Ele não se escondia nas sombras, mas ia em plena luz do dia. Ele tinha uma missão: dar a um amigo um “chamado de despertar”. Isso daria aos discípulos uma nova “oportunidade de crer”, mesmo que eles tivessem dificuldade para entender.

Os discípulos olharam um para o outro apavorados pois, voltar para Judéia significava a possibilidade de prisão e execução. Então, o versículo 16 nos fala da reação de Tomé:

Tomé, apelidado de Gêmeo, disse aos outros discípulos: “Vamos até lá também para morrer com Jesus”. João 11:16

John McArthur escreve: “Tomé só podia enxergar perigo adiante. Ele tinha certeza de que Jesus estava indo direto para ser apedrejado. Mas se era isso que o Senhor estava decidido a fazer, Tomé estava terrivelmente decidido a ir junto e morrer com Ele”.

Foi uma liderança corajosa. Os outros discípulos seguiram Tomé e acompanharam Jesus de volta a Betânia. Lá, eles testemunharam um dos milagres mais espetaculares de Jesus: a ressurreição de Lázaro de volta à vida.

Tomé amava tanto a Jesus que estava disposto a morrer por Ele. Você tem esse tipo de amor? Seu compromisso com Cristo é forte assim?

Tomé nos inspira como exemplo. Você estaria pronto para morrer por Jesus se precisasse? Essa é a questão mais importante para nossa cultura. Você está disposto a viver para Ele?

Tomé estava disposto a fazer as perguntas difíceis

Vemos a próxima fala de Tomé em João 14. Me acompanhe enquanto leio:

“Não deixem que seu coração fique aflito. Creiam em Deus; creiam também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se não fosse assim, eu lhes teria dito. Vou preparar lugar para vocês e, quando tudo estiver pronto, virei buscá-los, para que estejam sempre comigo, onde eu estiver. Vocês conhecem o caminho para onde vou.” João 14:1-4

O ministério de Jesus estava no seu melhor momento. Os discípulos viram a ressurreição dos mortos, cura de pessoas surdas e cegas, e alimentaram mais de cinco mil. Todos eles estavam animados e na cabeça deles, Roma devia ficar preocupada, porque Jesus estava a caminho.

Entretanto, Jesus mudou de assunto e começou a falar sobre sua partida em breve. Ele explicou aos discípulos que precisava “ir embora para preparar um lugar” para eles. Os discípulos ficaram confusos e cochichavam entre si, perguntando: “Para onde ele vai?”.

Então, finalmente, Tomé falou e fez a pergunta que todos queriam:

“Não sabemos para onde o Senhor vai”, disse Tomé. “Como podemos conhecer o caminho?” João 14:5

No seminário, tive um professor muito inteligente com dois doutorados. Ele costumava dar aulas de costas para nós, escrevendo no quadro-branco. Como ele ensinava sem anotações, os alunos na sala ficavam confusos e começavam a se olhar.

Daí, meu amigo Bruno fez a pergunta que todos nós queríamos fazer: “Do que você está falando?” Nosso professor sorria e explicava o material lentamente, certificando-se de que todos entendessem. Bruno, ao contrário de mim, não tinha medo de fazer perguntas difíceis.

Da mesma forma, Tomé expressou sua dúvida ao dizer: “Poxa Jesus, até agora tudo ia bem, mas de repente você está falando em sair. Por que você quer ir embora e para onde você vai? Eu não te entendo. Sem um mapa, como vamos saber que caminho seguir? Estou triste porque deixei tudo para seguir você e agora, já não sei o que fazer. Por favor, me diga o que fazer.”

Sabe o que aconteceu aqui? Jesus não o repreendeu nem fez pouco caso de sua confusão. Porque Tomé pediu explicações, Jesus deu uma das respostas mais memoráveis de toda a Escritura:

Jesus disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém pode vir ao Pai senão por mim. João 14:6

Talvez, você tenha perguntas nesta manhã. Elas podem ser difíceis, mas isso não significa que você esteja duvidando de Deus. Tomé precisava apenas de mais informações, mais clareza e luz para compreender melhor.

Jeremias escreveu:

Se me buscarem de todo o coração, me encontrarão. Jeremias 29:13

Ver para crer

“Não sabemos para onde o Senhor vai”, disse Tomé. “Como podemos conhecer o caminho?” João 14:5

Chegamos agora ao nosso texto principal para esta manhã. Por favor, abra sua Bíblia agora em João 20.

Nos versículos 19-23, lemos que os discípulos estavam escondidos em um cenáculo, com medo dos líderes judeus. Estavam consumidos pelo medo, já que seu mestre estava morto.

Embora tivessem ouvido rumores sobre Jesus estar vivo, não acreditaram. Continuaram com medo e se escondendo. Então, Jesus apareceu do nada e os discípulos passaram do medo para a fé. No entanto, havia um discípulo desaparecido. Onde estava Tomé?

Tomé provavelmente preferiu ficar sozinho. Tenho certeza de que os outros discípulos o encorajaram a se esconder com eles. Mas Tomé só queria ficar sozinho. Seu Senhor estava morto e seu coração estava paralisado de tristeza.

Em João 20:24-25 lemos: “Um dos Doze, Tomé, apelidado de Gêmeo, não estava com os outros quando Jesus surgiu no meio deles. Eles lhe disseram: “Vimos o Senhor”. João 20:24,25

O significado da palavra “disseram” na língua grega antiga é que os outros discípulos continuaram a repetir a mensagem para Tomé.

Você consegue imaginar André correndo o mais rápido que pode para onde Tomé está e contando-lhe as boas novas?

E a reação de Tomé, você consegue imaginar?

“André, somos amigos há muito tempo e eu realmente me importo com você. Mas é importante que você me escute. Jesus faleceu. Sim, ele não está mais entre nós. Todos os nossos sonhos também se foram, assim como Jesus.”

Não me importo com o que as mulheres dizem, elas são emotivas. Achava que te conhecia melhor do que isso, André; Jesus é a única pessoa que já me escolheu para alguma coisa. Sinto falta dele. Quando Ele morreu, uma parte da minha alma morreu também. Por favor, me deixe em paz.

Ele Tomé acrescenta:

“Não acreditarei se não vir as marcas dos pregos em suas mãos e não puser meus dedos nelas e minha mão na marca em seu lado”. João 20:25

Antes de sermos muito duros com Tomé, vamos lembrar de uma coisa importante: os outros discípulos também não acreditaram até verem. O túmulo vazio, os relatos das mulheres e as histórias do discípulo de Emaús não foram suficientes.

Ao contar essa história em Lucas, Jesus aparece aos discípulos e, percebendo o desconforto deles, pergunta:

“Por que estão perturbados?”, perguntou ele. “Por que seu coração está cheio de dúvida? Lucas 24:38

Ele sabia que quando as perguntas não são respondidas, as pessoas começam a desacreditar.

Gosto de como John McArthur interpreta essa passagem:

“O que diferenciou Tomé dos outros dez não foi que sua dúvida era maior, mas que sua tristeza era maior”.

A história não termina aqui, no entanto.

Oito dias depois, os discípulos estavam juntos novamente e, dessa vez, Tomé estava com eles. As portas estavam trancadas, mas, de repente, como antes, Jesus surgiu no meio deles. “Paz seja com vocês!”, disse ele. Então, disse a Tomé: “Ponha seu dedo aqui, e veja minhas mãos. Ponha sua mão na marca em meu lado. Não seja incrédulo. Creia!”. João 20:26,27

Há várias lições importantes a aprender com esses versículos.

Quando Jesus apareceu pela primeira vez, Tomé não estava presente. Ele perdeu o culto! O escritor de Hebreus adverte:

E não deixemos de nos reunir, como fazem alguns, mas encorajemo-nos mutuamente, sobretudo agora que o dia está próximo. Hebreus 10:25

Creio que eu tenho me esforçado em tentar ensinar que não é possível plantar a igreja “batista da cabeceira”, ou a igreja “metodista do colchão”, ou a “comunidade preguiçosa” ou “Nossa Senhora dos Lençóis”.

No começo da nossa igreja, falamos sobre os 4C´s, um deles é que fomos criados para a comunidade.

Então, faça o compromisso de estar presente aqui todos os domingos, ouvindo atentamente o que Deus tem a dizer.

  • “E dessa vez, Tomé estava com eles.”

Uma semana após aparecer aos discípulos pela primeira vez, eles se reúnem novamente no cenáculo para orar. Desta vez, Tomé está presente. Talvez ele estivesse cansado de ser incomodado por eles. Talvez o choque inicial da crucificação tivesse passado e ele precisasse estar perto de seus amigos novamente. Não sabemos ao certo…

Nós sabemos que os discípulos aceitaram Jesus mesmo com suas dúvidas. Aqui na COMEC / MEP, você pode fazer parte da nossa família mesmo que não tenha todas as respostas. Sinta-se bem-vindo(a) e traga suas perguntas e dúvidas.

  • “As portas estivessem trancadas.” Apesar de terem visto o Senhor ressuscitado, os discípulos mantiveram as portas trancadas. Eles são como todos nós, seres humanos. Continuavam a ser dominados pelo medo mais do que pela fé.

*** “A paz seja com vocês.”** Acredito que isso foi dito apenas para o benefício de Tomé. Os outros discípulos já tinham tido essa experiência. Agora era a vez de Tomé surtar.

  • Então, disse a Tomé: “Ponha seu dedo aqui, e veja minhas mãos. Ponha sua mão na marca em meu lado.” Tomé não podia acreditar no que estava vendo. Seu Senhor estava vivo! Ele também não podia acreditar no que estava ouvindo. Como Jesus sabia de suas exigências de prova? Ele começou a se sentir pequeno e envergonhado.

“Não seja incrédulo. Creia!.” Jesus encoraja Tomé a agir de acordo com sua fé, mesmo que ele tenha dúvidas. Jesus é gentil e não menospreza nem ataca Tomé por suas dúvidas.

Assim como no caso de Pedro que traiu Jesus, Jesus gentilmente restaurou Tomé. Jesus mudou a incredulidade de Tomé para a fé. E nisso, percebemos que a fé não requer perfeição, mas sim uma confiança constante.

Esse evento mudou a vida de Tomé para sempre. A tradição ensina que Tomé levou o Evangelho para a Babilônia (atual Iraque), Pérsia e depois para a Índia. A maioria das igrejas no sul da Índia pode traçar sua herança à Tomé, que se diz estar enterrado perto de Madras, onde morreu como mártir em 72 d.C.

Remédios para Dúvidas

Como lidamos com a dúvida? O pastor Steve Kilson lista cinco “razões e remédios para a dúvida”.

Seja paciente com os de coração lento. Algumas pessoas têm dúvidas porque não têm informações suficientes. Elas não conhecem os fatos que poderiam ajudá-las a acreditar. Para aqueles dois discípulos que caminhavam pela estrada de Emaús, Jesus disse a eles:

“Como vocês são tolos! Como custam a entender o que os profetas registraram nas Escrituras! Lucas 24:25

Ore pelo coração perturbado. Algumas pessoas duvidam porque estão confusas. Davi fez uma pergunta que muitos de nós já fizemos:

Por que você está tão abatida, ó minha alma? Por que está tão triste? Salmos 42:5

Paulo escreveu à igreja em Corinto:

Louvado seja Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, Pai misericordioso e Deus de todo encorajamento. Ele nos encoraja em todas as nossas aflições, para que, com o encorajamento que recebemos de Deus, possamos encorajar outros quando eles passarem por aflições. 2 Coríntios 1:3,4

Anime os desanimados. Muitas vezes, quando estamos cansados ou emocionalmente exaustos, podemos ter dúvidas.

Em I Reis 19, Elias venceu uma batalha contra oitocentos e cinquenta falsos profetas. Na cena seguinte, Elias se esconde no deserto, deprimido e pedindo a Deus para matá-lo. Deus respondeu à sua dúvida dizendo para ele jantar e tirar uma soneca.

João Batista estava definhando na prisão quando enviou alguns homens para perguntar a Jesus se Ele era realmente o Messias ou se deveriam esperar por outra pessoa. Jesus respondeu: “

Voltem a João e contem a ele o que vocês viram e ouviram: os cegos veem, os aleijados andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados e as boas-novas são anunciadas aos pobres”. Lucas 7:22

Encoraje os de coração temeroso. Muitos de nós temos dúvidas por causa da autoestima baixa. Moisés não queria aceitar a ideia de Deus de levar os israelitas para fora do Egito porque ele tinha dificuldades para falar (ver Êxodo 4:10-13). Jeremias achava que era muito jovem (ver Jeremias 1:6-8). Deus encorajou Josué várias vezes a ser “forte e corajoso” (Josué 1:9). Todas as vezes que Jesus aparecia para os discípulos, Ele dizia “Paz seja com vocês” para acalmá-los. Jesus ainda oferece paz hoje em dia.

Seja amoroso com os de coração ferido. Lembro de ter lido um comentário de alguém na internet sobre um post cristão: “Se você quer ter seu coração partido e suas costas esfaqueadas, basta se juntar a uma igreja”. Creio que essa pessoa tinha um coração ferido. Eu acredito que muitas pessoas se identificam com essa sensação.

Enquanto algumas têm sérias dúvidas sobre doutrina e teologia, muitas pessoas estão simplesmente desiludidas. Elas foram desapontadas por outro cristão ou líder da igreja. Então, elas ergueram paredes para se protegerem de mais dor. Qual é a resposta para essas pessoas? Judas, irmão de Jesus, nos diz:

Tenham compaixão daqueles que vacilam na fé. Judas 1:22

Você conhece alguém que foi ferido pela igreja? Ame essa pessoa! Em nome de Jesus, ame-a! Com o tempo, sua amor por ela pode abrir uma porta para uma relação com Jesus.

Tomé Adora

Jesus oferece suas mãos e seu lado como evidência para Tomé. Mas curiosamente, Tomé desobedece a Jesus. Ele foi instruído a estender a mão e tocar. Porém, ele não faz nenhuma das duas coisas. Ele se curva e adora.

“Meu Senhor e meu Deus!”, disse Tomé. João 20:28

Primeiro, Tomé chama Jesus de “meu Senhor” ou, no grego, “kyrios”. Era uma maneira de dizer “Eu me entrego a Você completamente… tu és o Senhor da minha vida… tu és o líder do meu coração.” Então ele diz algo que foi incrível para um bom menino judeu dizer. Ele chama Jesus de “Theos”. Ele chama Jesus de “Deus”. Tomé, que chamamos de “cético”, entendeu a ressurreição melhor do que todos os outros discípulos. Jesus ressuscitou. Ele é o Senhor. Ele é Deus. Tomé atribui dois dos nomes do Antigo Testamento para Deus a Jesus.

Isso teria sido considerado blasfemo e punível com a morte.

Aplicação:

Não tenha medo de fazer perguntas. Algumas pessoas acham que precisam ter todas as respostas antes de aceitar Jesus. Mas isso não é verdade. Na verdade, se você esperar até ter todas as suas dúvidas respondidas, nunca chegará à fé.

Faça perguntas a Deus e busque respostas. Lembre-se de que não é errado questionar. Max Lucado escreveu: “A descrença é um erro, mas questionar – buscar sinceramente – é aceitável a Deus, porque na presença de Deus você pode fazer qualquer pergunta que quiser”. Ele continua dizendo: “Deus nunca vira as costas para aqueles que fazem perguntas honestas. Ele nunca o fez no Antigo Testamento e nunca o fez no Novo Testamento. Portanto, se você está fazendo perguntas honestas a Deus, Ele não se afastará de você”. Isaías disse: “Buscai o SENHOR enquanto ele se pode achar, invocai-o enquanto está perto”. (Isaías 55:6))

Lembre-se da equação Fé = Dúvida + Crença. A fé começa quando decido agir de acordo com a minha crença, mesmo tendo dúvidas. O escritor de Hebreus destacou a importância da fé ao dizer: “Sem fé é impossível agradar a Deus, porque qualquer um que se aproxima de Deus deve acreditar que Ele existe e que recompensa aqueles que sinceramente O buscam” (Hebreus 11:6).

Mesmo que você não veja a Deus ou não entenda Seu plano, confie Nele. Em Provérbios 3:5, Salomão diz: “Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apoie no seu próprio entendimento”.

Quero finalizar deixando aqui outra citação de Max Lucado: “Talvez a razão pela qual Deus nem sempre nos dá a resposta para os porquês da nossa existência é porque Ele sabe que nós não temos a capacidade de entender a resposta. Ao aprender a depender de Deus, devemos aceitar que talvez não saibamos todas as respostas, mas sabemos quem tem as respostas.”


por Diego Gonçalves

Gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos e familiares para que eles também possam aprender mais sobre o assunto. E não se esqueça de se inscrever em nossas redes sociais para receber mais conteúdo como este. Até a próxima!

Inspire-se com outros devocionais e reflexões no meu site.

© O Diário de um Jondô

Avatar de Diego Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diego Souza

Sou ministro na Igreja Holiness e amo escrever. Graduando em Letras pela UNIVESP, com Bacharel em Teologia pela UMESP e com pós em Novo Testamento pela EST, neste blog compartilho meus pensamentos sobre a vida cristã e o cotidiano, buscando conectar a fé com o dia a dia.