Sl 40:3 – A Profundidade da Adoração

Sl 40:3 – A Profundidade da Adoração

Há dois elementos profundos na adoração: celebração e proclamação.

Introdução

Durante uma viagem em família à Costa Dourada-BA (divisa entre Bahia e Espírito Santo), testemunhei as maravilhas da falésias que são caracterizadas por um extenso paredão rochoso que se distribui ao longo da linha costeira, muito próximo ou em contato direto com o mar. Ao observar as reações da minha família ao redor, percebi que elas expressavam um sentimento de admiração e contemplação diante do espetáculo da natureza.

Essa mesma dinâmica se aplica à nossa adoração a Deus. Ou, pelo menos, deveria. Quando adoramos, devemos testemunhar a manifestação espetacular de Deus. Devemos vivenciar algo além de nós mesmos. Devemos ficar maravilhados, encantados e hipnotizados pelo poder vivificante de Deus que flui em nossas vidas. E, como resultado, devemos ser motivados a compartilhar essa experiência com os outros.

O que a Costa Dourada-BA proporciona aos turistas na Bahia, nossa adoração a Deus deve proporcionar àqueles que O adoram na igreja.

Davi escreveu: “Ele pôs um novo cântico na minha boca, um hino de louvor ao nosso Deus. Muitos verão isso e temerão o Senhor e confiarão nele” (Salmo 40:3). Essa passagem revela dois elementos profundos da adoração: celebração e proclamação.

I. Os dois elementos da adoração

A partir deste verso, podemos identificar dois elementos profundos da adoração: celebração e proclamação.

A. Celebração: A dimensão vertical

Davi teve uma experiência com o Senhor. Deus o resgatou e o renovou. Davi experimentou a presença viva de Deus e isso transformou sua vida. Ele não podia conter sua alegria e gratidão. Davi expressou seu louvor a Deus com um cântico novo, um hino de gratidão (Salmo 40:3). Davi transbordava de entusiasmo e não podia deixar de cantar e louvar a Deus.

Todos os Salmos foram concebidos para serem cantados. O ato de cantar é uma expressão espiritual poderosa e é mencionado cerca de 68 vezes nos Salmos. Não é à toa que Longfellow chamou a voz humana de “o órgão da alma”. Davi não apenas cantava qualquer música, mas uma música nova. Sua experiência com Deus trouxe frescor e renovação à sua adoração. Era como se ele estivesse vendo a Deus novamente pela primeira vez. Era como ver o Old Faithful entrar em erupção a cada vez, sempre maravilhoso e cativante. Cada pessoa que testemunhava ficava encantada e desejando ver novamente. Da mesma forma, o cântico de Davi era louvável e uma expressão de adoração. Ele expressava gratidão a Deus por quem Ele é, por Suas palavras e por Suas obras. Davi reconhecia que a fonte de todas as suas bênçãos era o próprio Deus.

B. Proclamação: A dimensão horizontal

Assim como existe uma dimensão vertical na adoração, também há uma dimensão horizontal. Davi afirmou que muitos veriam e temeriam o Senhor, depositando sua confiança Nele (Salmo 40:3). À medida que Davi louvava a Deus, muitos presenciaram seu louvor. Eles não apenas ouviram suas palavras de louvor, mas também viram sua atitude de adoração. E, como resultado, sentiram o mesmo desejo de buscar segurança em Deus e se unir a Davi em adoração. A alegria de Davi diante do Senhor serviu como testemunho.

Nossa adoração não deve se limitar apenas à igreja, pois a adoração deve ser uma atitude constante em nossas vidas como crentes dedicados. Na igreja, adoramos publicamente e em comunhão com outros crentes. E quando nos reunimos para adorar, também nos reunimos para testemunhar. A adoração sempre inclui o testemunho.

Quando pessoas distantes de Deus testemunham aqueles que estão próximos a Ele adorando de todo o coração, eles ficam intrigados. É como querer ver o Old Faithful. Há um mistério, uma maravilha, uma atração. Eles se perguntam: como isso acontece? Por que isso acontece? As faíscas do fogo da nossa adoração acendem corações secos, fazendo com que eles entoem um novo cântico e busquem louvar a Deus.

II. Os dois resultados da adoração

O que podemos aprender com o Salmo 40:3? Ao examinar toda a Bíblia, podemos perceber uma forte relação entre adoração e testemunho. Isso se reflete em dois resultados: pessoas distantes de Deus são atraídas para Cristo por meio da adoração, e pessoas próximas a Deus são impulsionadas a compartilhar Cristo após a adoração.

A. Pessoas distantes de Deus são atraídas para Cristo por meio da adoração

Isso é representado na seta à esquerda do diagrama da adoração. A adoração tem o poder de atrair as pessoas para Jesus como um ímã.

Paulo instruiu a igreja de Corinto a adorar de maneira tão clara que, se um incrédulo entrasse, “ele será convencido por todos e julgado por todos. Os segredos do seu coração serão expostos, e ele se prostrará e adorará a Deus, exclamando: ‘Deus está realmente entre vocês’” (1 Coríntios 14:24-25). Jesus também afirmou: “E eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim” (João 12:32). Embora essas palavras se refiram à Sua morte, elas ainda têm profundo significado para nossa adoração. Quando Jesus é exaltado e adorado, as pessoas perdidas são atraídas a Ele.

Davi mencionou a atração evangelística da adoração sincera: “Eu te louvarei, Senhor, diante das nações; cantarei louvores ao teu nome” (Salmo 57:9). Quando o povo de Deus experimenta a presença de Deus e se enche d’Ele, suas vidas são transformadas, e aqueles que estão distantes de Deus também são atraídos para a Sua presença. O incrédulo deseja o que o crente tem. O mundo presta atenção.

William Booth, fundador do Exército da Salvação, costumava dizer: “Se uma igreja estiver pegando fogo por Deus, as pessoas virão de quilômetros para vê-la queimar”. Parafraseando Booth, podemos dizer que o que precisamos não são apenas avivamentos, mas sim o poder da adoração que atraia as pessoas para o Salvador.

Os visitantes podem não entender tudo o que acontece em uma igreja durante o culto. Eles podem não compreender o significado de certas músicas ou da comunhão, mas sabem reconhecer a alegria quando a veem. Eles percebem quando vidas são impactadas. Eles podem ler as mudanças. E quando o fazem, desejam ter o que aqueles crentes têm.

Por outro lado, será que o oposto também não é verdadeiro? O que acontece quando uma pessoa distante de Deus vê o tédio no rosto dos adoradores? E se eles veem semblantes fechados e bocejos? Eles serão atraídos para Cristo?

E permita-me fazer uma pergunta pessoal: pais, o que seus filhos estão aprendendo com o seu comportamento durante o culto? Eles veem a mesma emoção que você tem quando vai a um jogo de futebol? Eles veem você se preparando para a adoração como se prepara para umas férias? Eles veem em você a sede de se aproximar de Deus, buscando Sua face? As crianças, assim como os incrédulos, estão observando. Acredite em mim, eles estão de olho.

B. Pessoas espiritualmente salvas são enviadas para compartilhar Cristo após a adoração

Através da adoração, as pessoas perdidas são atraídas para Cristo, e, ao mesmo tempo, os crentes sentem o chamado, o impulso e a convicção de Deus para compartilhar Jesus com os outros. No diagrama, isso é representado pela seta à direita da adoração.

Uma revisão rápida da Bíblia revela uma correlação entre as pessoas que encontraram Deus através da adoração e o impacto que isso teve em suas vidas, levando-os a compartilhar Cristo. Vejamos alguns exemplos bíblicos disso:

Isaías 6:1-8 – Isaías teve uma visão do Senhor enquanto adorava. Ele viu Deus em Seu trono, e isso o impactou profundamente. Após essa experiência, Isaías foi comissionado por Deus a ir e falar com Seu povo. Se ele não tivesse entrado em adoração, poderia ter perdido o chamado de Deus em sua vida.

Mateus 28:16-20 – Após Sua ressurreição, Jesus instruiu Seus discípulos a irem e fazerem discípulos de todas as nações. Essa comissão foi dada a eles após um encontro de adoração. Os discípulos viram Jesus, O adoraram e, em seguida, receberam a clara convocação de ir ao mundo e representar Jesus.

Atos 2:1-41 – No dia de Pentecostes, os discípulos estavam reunidos em adoração, e o Espírito Santo desceu sobre eles em poder. O som dessa adoração fervorosa atraiu a atenção de judeus tementes a Deus de todas as nações. Eles ficaram perplexos com o que ouviram, e Pedro aproveitou a oportunidade para pregar o evangelho a eles. O resultado foi a conversão de cerca de três mil pessoas. A adoração genuína dos discípulos e o poder do Espírito Santo os impulsionaram a compartilhar Cristo.

O padrão que emerge desses exemplos bíblicos é que aqueles que encontraram Deus por meio da adoração foram enviados para compartilhar Cristo com os outros. Eles adoraram e, ao mesmo tempo, foram comissionados a testemunhar. Esses adoradores de coração chamaram o mundo todo a adorar a Deus. Você poderia resumir dessa forma: se você verdadeiramente encontra Deus, você O adorará; e se você verdadeiramente O adorar, outros serão atraídos para Ele; e quando você é atraído por Deus, você é impulsionado a testemunhar sobre Cristo.

III. Os dois desafios para o adorador

Então, o que podemos fazer? Podemos seguir o exemplo do que experimentamos na praia de Costa Dourada. Encontremos um lugar apropriado a cada semana para encontrar Deus em adoração.

A. Venha celebrar

Deixe de lado seus problemas, ansiedades, medos e preocupações. Celebre o dom da misericórdia e da graça de Deus, o toque do perdão de Deus, o poder de Deus que o resgatou de situações difíceis. Cante um cântico novo. Cante um hino de louvor. Essa é a seta do lado esquerdo da adoração.

B. Compartilhe sua experiência com os outros

Os adoradores não desfrutam apenas da maravilhosa presença de Deus por si mesmos. Eles convidam outros a se juntarem a eles na adoração. Eles convidam outros a subir ao topo da montanha da adoração, a entrar na presença de Deus e a se colocar diante do Seu trono. Essa é a seta do lado direito da palavra adoração.

Em que parte do diagrama você se encontra? Você está do lado esquerdo da palavra adoração, sendo atraído por Cristo? Ótimo, você é um adorador. Se você ainda não aceitou a Cristo, em algum momento você precisa cruzar a linha da fé e receber Jesus em seu coração.

Conclusão

Você está do lado direito da palavra adoração, compartilhando sua experiência com os outros? Você está convidando os outros a se juntarem a você na adoração? Permita-me compartilhar um segredo: Deus deseja que você viva em ambos os lados da palavra adoração. Ele quer que você seja atraído por Ele e O adore. Mas, ao mesmo tempo, Ele não quer que você fique apenas nessa experiência. Ele o envia para fora, para compartilhar o amor e a salvação de Cristo com o mundo. Permanecer apenas no lado esquerdo seria desobedecer a Deus. Ele deseja que adoremos, mas também quer que testemunhemos.

Uma vez ouvi alguém colocar dessa maneira: “A adoração é o objetivo do evangelismo, e o evangelismo é o fruto da adoração”. É como ver as falésias, é apreciar sua glória e esplendor, mas então precisar voltar para casa. Não vivemos pra sempre olhando a beleza de uma falésia. No entanto, uma vez que o tenhamos visto, desejamos contar aos outros sobre ele. Da mesma forma, quando as pessoas experimentam Deus, desejam compartilhar essa experiência com os outros. Seja um adorador, mas também seja uma testemunha. Seja atraído para a presença de Deus, mas também seja enviado ao mundo para compartilhar o evangelho.

por Diego Gonçalves


Gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos e familiares para que eles também possam aprender mais sobre o assunto. E não se esqueça de se inscrever em nossas redes sociais para receber mais conteúdo como este. Até a próxima!

Inspire-se com outros devocionais e reflexões no meu site.

© O Diário de um Jondô

Avatar de Diego Souza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diego Souza

Sou ministro na Igreja Holiness e amo escrever. Graduando em Letras pela UNIVESP, com Bacharel em Teologia pela UMESP e com pós em Novo Testamento pela EST, neste blog compartilho meus pensamentos sobre a vida cristã e o cotidiano, buscando conectar a fé com o dia a dia.